31/10/2007

Destino

"(...) também é deste modo que o destino costuma comportar-se connosco, já está mesmo atrás de nós, já estendeu a mão para tocar-nos o ombro, e nós ainda vamos a murmurar, Acabou-se, não há mais que ver, é tudo igual".
(José Saramago, em "O conto da Ilha Desconhecida")

Massa de manobra

Uma tristeza a situação a que chegou o impasse entre alunos x reitoria lá na UFSCar.
Incrível.
Fiquei triste hoje de manhã, ao ouvir declarações de uma aluna e do reitor na Rádio Intersom.
Eu já estava bem triste, pois tenho acompanhado tudo de longe - as notícias chegam via mailing de ex-alunos e tudo que acontece na "minha" universidade sempre me interessa bastante.
Eu penso: ora, bolas, sempre lutamos para que as universidades públicas acolhessem mais alunos e tivessem mais opções de cursos noturnos, para atender justamente àqueles que mais necessitam, e quando surge uma oportunidade dessas, ao invés de agarrá-la com as duas mãos vamos deixá-la escapar por entre os dedos?
Dá uma sensação de frustração e de impotência. Frustração porque luta-se, luta-se, luta-se... e quando surge uma oportunidade de vitória, age-se como um grupo de pessoas que está "batendo a cabeça entre si mesmos". Impotência porque se os próprios alunos, que se dizem tão engajados mas que não vêem que estão sendo usados como massa de manobra pelos funcionários da universidade, é porque estamos muito mal mesmo.
Explico: pela primeira vez temos reeleito um governo democrático popular no Brasil, afinadíssimo com a chapa que está eleita para a reitoria na UFSCar. Afinadíssimo com os interesses que sempre tivemos, enquanto cidadãos de esquerda, enquanto cabeças pensantes das universidades, enquanto idealistas. O governo e a direção das IESs são, pela primeira vez, parceiros. Trabalham juntos. Trilham a mesma direção.
Aí surge um grupo de pessoas - um amigo jornalista da cidade os definiria como a "turma do quanto pior, melhor" - pessoas que, só pelo gostinho de serem de uma chapa de oposição, só pelo gostinho de militarem na oposição, acabam "dando um tiro no próprio pé" e tentando boicotar um projeto sério, como é o REUNI, sem sequer o terem lido, sem sequer saberem no que implicará.
Isso porque, pelo que consta, houve diversas oportunidades e instâncias de discussão e informação, em que toda a comunidade universitária foi convidada a participar, opinar, debater e auxiliar na confecção da proposta.
Enfim, eu poderia ficar aqui escrevendo "um tratado" sobre tudo o que eu acho, mas no momento só tenho a intenção de externar minha TRISTEZA.
Tristeza pelos nossos jovens que se deixam manipular acreditando que estão fazendo um belo papel.
Pobrezinhos! Deveriam ao menos respeitar a luta de tanta gente séria que os precedeu, ao invés de rasgarem todas as bandeiras de luta.
Queria que percebessem o quanto são egoístas, pois estudam em uma universidade pública de qualidade e querem impedir, com seus atos, que muitos outros jovens tenham a mesma oportunidade que lhes foi oferecida.
Uma pena!

Sobre as amigas irmãs

Ah, as amigas irmãs!
Que seres de luz são elas!

Só quem já teve ou tem uma amiga irmã pode ter a noção disso que estou tentando dizer: amigas irmãs são criaturas iluminadas e que iluminam a vida da gente!
Gostaria de ter discernimento para compreender de onde sai essa percepção que amigas irmãs têm, esse "quê" de sexto sentido, ou de intuição, que faz com que elas venham falar conosco justamente nos momentos em que mais precisamos delas. Que faz com que elas, mesmo sem saber, apareçam na hora H, mesmo que a gente nem se abra com elas naquele momento - elas podem chegar, falar uma piadinha boba e sair, mas só o fato de nos lembrarem que existem nos fazem desanuviar o espírito, respirar fundo e retomar o pique.
Eu sou abençoada, não me canso de dizer. Possuo amigos ótimos e possuo também minhas amigas irmãs.
Irmãzinhas que me entendem exatamente do jeito que eu sou, me amam com meus inúmeros defeitos e minhas poucas virtudes. Me respeitam. Me fazem feliz.
Esse texto é uma declaração de amor a todas elas.
Queridas, não sei o que seria de minha vida sem vocês!

A casa da gente

Recebi da Tetê, e achei bárbaro.
Resolvi compartilhar com todo mundo.
(Hoje estou com o espírito generoso! rsrs)




A casa da gente

"Não há lugar como o lar", sentenciou Dorothy no finalzinho de "O Mágico de Oz". E você não precisa ter sido tragado por um tufão, ido parar em uma terra além do arco-íris, ter conhecido seres estranhos como um homem feito de lata ou um leão covarde, nem ter passado por diversos perigos para concordar com a garota de maria-chiquinhas. Porque a casa da gente é realmente o melhor lugar do mundo.

Na casa da gente é possível dormir e acordar quando bem entender. Ninguém vai achar ruim se a gente quiser assistir ao filme "A Invasão das Lulas Cósmicas" às três da madrugada, porque na casa da gente quem manda é a gente mesmo. E se a gente quiser puxar o rádio-relógio da tomada quando ele despertar às sete da matina, tudo bem. Seu chefe ligou perguntado do atraso? Inventa que a cozinha amanheceu debaixo d'água e você precisou chamar o encanador. A casa da gente, além de refúgio, também ajuda na hora das desculpas.


Na casa da gente é possível ser autêntico. Ali podemos andar descabelados, usando aquele camisetão furado e aquela calça de pijama de flanela cheia de ursinhos. Ali podemos chorar no último capítulo da novela das seis. Na casa da gente não tem essa de manter as aparências. Você pode até falar para todo mundo que gosta muitíssimo de ópera alemã do período barroco só para botar uma banca. Mas na casa da gente tudo bem colocar o CD "O Melhor de Sidney Magal" no repeat, e ainda sair dançando "Me Chama que Eu Vou" com a vassoura.

Na casa da gente é possível dar vazão ao lado criativo. Uma bela manhã acordarmos de saco cheio da parede amarelinha, por exemplo. Podemos pintá-la de roxo no mesmo dia sem precisar de autorização. Podemos mudar o sofá de lugar e botar a cabeceira da cama debaixo da janela sem ter alguém que fale que isso é errado, ou que desse jeito vamos pegar friagem. Na casa da gente dá para começar vários projetos, como uma mesa de tampo de mosaico e uma reforma na velha cômoda da vovó. E também dá para não terminar nenhum deles.

Na casa da gente é possível exercitar a preguiça. Se o controle remoto cair no vão da cama e você não estiver com vontade de esticar o braço, relaxe. Pode continuar assistindo ao pastor tirar o demônio do corpo da mulher, ninguém está vendo mesmo. Se o queijo venceu há três meses e já está quase criando pernas e abrindo a geladeira sozinho, não tem problema. Um dia você lembra de jogá-lo fora. E se você não quiser arrumar a sua cama por três dias seguidos, tudo bem também. Aliás, na casa da gente está liberado farelo de bolacha no lençol.

Na casa da gente é possível receber pessoas. O amigo ligou precisando urgentemente de uma conversa ao vivo? Pode mandar entrar, ainda que seja fora do horário de visita. Até porque na casa da gente não tem essa de horário de visita. Sexta à noite dá para fazer uma festa de última hora quando a sessão de cinema em que você ia acabou lotando. Cinco minutos no telefone é o suficiente para a casa da gente começar a encher. E se você quiser ficar dez dias sozinho, sem ver qualquer ser humano na frente, ok. A casa da gente também pode ser a caverna da gente.

Na casa da gente é possível ser cozinheiro. Se você está morto de vontade de comer feijão, dá para fazer feijão ainda que você não tenha a mais remota idéia de como. Basta botar os grãos na água, ligar o fogo e ver o que acontece. Não precisa seguir receita, porque quem come suas criações é você mesmo, e você não vai dedurar a si próprio para os outros. E se o feijão não der certo, na casa da gente sempre vai ter um Miojo sabor galinha caipira no fundo do armário. Pilotar o fogão não está nos planos? Ninguém vai reclamar se você viver de disk-pizza.

Na casa da gente é possível desistir. Tipo quando a gente compra uma bicicleta ergométrica crente que vai fazer exercícios diários e finalmente perder aqueles quilinhos a mais e, no segundo dia de uso da geringonça, percebe que ela vai é criar teias de aranha na garagem. Ou quando a gente decide fazer uma pequena horta de temperos variados, compra vasos, adubo e até plaquinhas fofas com "salsinha" e "alecrim" escritos, mas a empolgação dura pouco e na semana seguinte, lá pelo sexto dia sem molhar a horta, já está tudo morto. Não tem fiscal da natureza na casa da gente.

Na casa da gente é possível ser feliz. Ganhar carinho do gato quando todo mundo parece estar de mal. Comer brigadeiro de panela vendo a décima reprise de "Namorada de Aluguel" quando não existe companhia para o cinema. Ficar enrolado no cobertor quadriculado de franjas quando chove e faz muito frio lá fora. Comprar apenas uma almofada florida e barata quando a grana para aquela reforma completa da sala de estar ainda está curta. Andar de pantufa de coelhinho quando os demais dizem que você já passou da idade. Abrir a porta, tirar os sapatos, se jogar no sofá e respirar aliviado quando tudo o que você quer na vida é exatamente isso.

Ah, a casa da gente. Talvez Dorothy não soubesse o quanto ela estava com a razão.

Escrito por Vivi Griswold no Blog "Garotas que dizem Ni"

30/10/2007

Cadê ela?

Do jeito que a coisa anda, essa semana é capaz de a sexta-feira "passar batida" por mim e eu nem sequer tomar conhecimento da existência dela...

Última flor do Lácio

Momento educativo-cultural do blog.
Afinal de contas relembrar e aprender nunca é demais!

Enjoy!




De boca aberta

Afinal, como se fala Roraima, recorde e gratuito?
A estranheza surge principalmente quando as moças do tempo anunciam as previsões do dia seguinte: vai fazer sol em “Roráima”. Ou será em “Rorãima”?
Até algumas décadas atrás, parecia não haver dúvida: era “Rorãima” que se aprendia na escola e se pronunciava em quase todo o Brasil.
A partir de determinado momento, no entanto, as autoridades e a população roraimense passaram a seguir a prática dos índios da região. Os macuxis, taurepangues, ianomâmis e uapixanas, principais tribos do norte do país, chamam a região de “Roráima”, com som aberto, por terem impossibilidade de articular sons nasais.
É um fenômeno semelhante ao de algumas partes do Brasil em que, por influência indígena, se diz, por exemplo, “gránde”, em vez de grande, “bacána”, em vez de bacana, “bánána”, em vez de banana etc.
Como essa pronúncia não é a do restante do país, cria-se uma falsa impressão de “erro”, quando o que se tem são meras variações.
Ex-correspondente do jornal O Estado de S. Paulo em Boa Vista, o jornalista Plínio Vicente informa que os professores Dorval Magalhães e José Ferreira pesquisaram o assunto, e seus estudos dos costumes indígenas locais foram decisivos para a adoção, no estado, da pronúncia “Roráima”. Chegou-se até a cogitar, na Assembléia Legislativa roraimense, a votação de uma lei que oficializasse essa maneira de falar.
Como proceder, então? Do ponto de vista formal do idioma, a pronúncia “Rorãima” parece ser a predominante, mesmo porque na língua portuguesa as vogais que antecedem m e n adquirem, normalmente, o som nasal dessas consoantes. É o que ocorre em andaime (“andãime”), paina (“pãina”), Bocaina (“Bocãina”), Rifaina (“Rifãina”), polaina (“polãina”), plaina (“plãina”), comezaina (“comezãina”), Elaine (“Elãine”) etc.
O dicionário Houaiss não se define sobre o assunto, mas observa: “No início do século 20, a pronúncia ainda alternava Roraíma/Rorãima/Roráima”. Já o Aurélio, no verbete “roraimense”, toma partido e inclui, entre parênteses, a indicação ãi.
De qualquer maneira, é preciso levar em conta a respeitável opinião do filólogo Evanildo Bechara, da Academia Brasileira de Letras. Para ele, a presença de m ou n na sílaba seguinte pode ou não nasalar as vogais anteriores, o que autoriza tanto a forma “Roráima” como “Rorãima”. A conclusão é a de que quem quiser seguir a tendência regional pode falar em “Roráima”. E quem ficar com a preferência nacional deve dizer “Rorãima”.
Seria bom se esse fosse o único problema do gênero no idioma. As pessoas que acompanham o noticiário da TV e do rádio, porém, podem, com toda a justiça, hesitar entre as pronúncias “recórde” e “récorde”. Vale lembrar, no caso, que a palavra, originária do latim, consolidou-se no francês (recorder) e foi importada pelo inglês, idioma no qual sofreu aclimatação. Por isso, não há nada a estranhar que se diga “récorde” em inglês e “recórde”, como os dicionários registram, em português.
Um pouco diferente é o caso de quatro vocábulos terminados em uito na língua portuguesa. Por mais que se ouçam “gratuíto” e “gratuítamente” até nos anúncios oficiais, não há engano possível: é gratuito e gratuitamente (“úi”) que se deve enunciar. Mas nem sempre os desvios de pronúncia são tão facilmente explicáveis. Por exemplo, “biótipo” virou “biotipo” na linguagem popular, enquanto outras palavras da família são, por exemplo, “protótipo” e “estereótipo”. A oscilação de pronúncia já aparece em monotipo, fenotipo, genotipo e logotipo, alternativas populares das eruditas fenótipo, genótipo, logótipo e monótipo. Só para concluir: o gás, para você, é “neon” ou “néon”? O Aurélio só registra a grafia tradicional, néon, mas o Houaiss e o Vocabulário da Academia Brasileira de Letras já autorizam o uso de neon. Menos mal para nós que os dicionários também se atualizem. ©

Autor: Eduardo Martins (Jornalista, autor do "Manual de Redação e Estilo", de "O Estado de São Paulo", e dos "Resumões de Língua Portuguesa", entre outros livros)

Texto publicado na Revista da Cultura - edição 02 - setembro de 2007

24/10/2007

Convite SESQUICENTENÁRIO DE SÃO CARLOS

Tá chegando a hora...


PROGRAMAÇÃO 3 E 4 DE NOVEMBRO:

3/11 - Inauguração do Hospital Escola Municipal Prof. Dr. Horácio Carlos Panepucci
Local: Rua Luiz Vaz de Camões, 111 – Vila Celina
Horário: 10h

3/11 - Apresentação da Esquadrilha da Fumaça
Local: Estádio Municipal Prof. Luiz Augusto de Oliveira
Horário: 16h

3/11 – Apresentação da Banda dos Fuzileiros Navais
Local: Estádio Municipal Prof. Luiz Augusto de Oliveira
Horário: 17h

3/11 – Apresentação da Banda Faber-Castell – Regência Robertinho Mori
Local: Pátio da Catedral
Horário: 19h30

3/11 – Show “SESC/SP Homenageia São Carlos” com cantor Jorge Benjor
Local: Av. São Carlos (região da Catedral)
Horário: 21h

3/11 – Show da virada com a Banda Doce Veneno
Local: Av. São Carlos (região da Catedral)
Horário: 23h

3/11 – Queima de fogos
Local: Av. São Carlos (região da Catedral)
Horário: 0h

4/11 – Alvorada festiva
Fogos e repique de sinos das igrejas
Horário: 6h

4/11 – Bênção do bolo de aniversário da cidade e apresentação da Banda da Faber-Castell
Local: Praça da Catedral
Horário: 8h

4/11 – Hasteamento das Bandeiras
Local: Praça Coronel Salles
Horário: 8h30

4/11 – Desfile Cívico Comemorativo aos 150 anos de São Carlos
Local: Av. São Carlos
Horário: 9h

4/11 – Inauguração do Paço Municipal – Edifício Sesquicentenário e deposição de documentos na Cápsula do Bicentenário
Local: Rua Episcopal,1.575
Horário:11h30

4/11 – Apresentação do Coral Multicanto
Local: Fazenda Pinhal
Horário: 15h

4/11 – Procissão de São Carlos Borromeu e traslado da imagem pela família Arruda Botelho
Local: saída da Capela da Fazenda Pinhal com destino ao Palacete Conde do Pinhal - Rua Conde do Pinhal, 2.017
Horário: 15h30

4/11 – Recepção da imagem histórica de São Carlos Borromeu pelo Prefeito Municipal Newton Lima Neto
Local: Palacete Conde do Pinhal
Horário: 16h30

4/11 – Procissão de São Carlos Borromeu segue até a Catedral de São Carlos. A imagem será recebida por autoridades eclesiásticas, civis e militares
Local: Catedral de São Carlos
Horário: 16h40

4/11 – Missa solene em homenagem ao Sesquicentenário de São Carlos celebrada pelo Bispo Diocesano D. Paulo Sérgio Machado
Local: Catedral de São Carlos
Horário: 17h

4/11 – Apresentação dos grupos da Escola Livre de Música “Maestro João Sepe”
Local: Pátio da Catedral
Horário: 19h30

4/11 – Show dos 150 anos com a dupla sertaneja “Rud & Robson”
Local: Av. São Carlos (região da Catedral)
Horário: 21h

Chuva!! Eba!!

Gente, finalmente a chuva chegou!!
Que maravilha! Seja bem-vinda!
Eu já tava achando que nunca mais na minha vida inteira ia chover em São Carlos (parafraseando a Tetê), mas graças a Deus ela veio! Eu tava com a maior inveja das cidades vizinhas, porque de chuva, aqui, só chegava a notícia. Nem o cheiro tava passando perto. São Pedro mandava uns ventinhos e uns trovões, mas água, que é bom, nada!
A natureza, a agricultura, a vida e os nossos sistemas respiratórios castigados agradecem!

Tropa de Elite

Ontem finalmente conseguimos ir ver o tão famoso filme do José Padilha, Tropa de Elite.

Quem ainda não viu, deve ver.

Uma produção muito bem realizada. Elenco impecável. Um filme de primeira linha made in Brazil.

E o melhor de tudo: sem papas na língua.

Vale o ingresso.

Seu amor é melhor que chocolate



O meu amor não pára de me surpreender com atitudes doces e gentis...

Deus foi muito bom comigo e pôs em meu caminho alguém exatamente do jeito que eu sempre sonhei....

Muitas vezes nem sei se sou merecedora de tudo isso. Mas confesso que tô adorando! E agradeço a Ele todo dia por eu ter uma vida tão abençoada, em todos os sentidos.

Se antes eu tinha a sensação de que "faltava algo", agora sei que não falta mais nada.

23/10/2007

Acredite em você

Como Diria Dylan
Zé Geraldo

Hei você que tem de 8 a 80 anos
Não fique aí perdido como ave sem destino
Pouco importa a ousadia dos seus planos
Eles podem vir da vivência de um ancião
ou da inocência de um menino

O importante é você crer na juventude que existe dentro de você

Meu amigo meu compadre meu irmão
Escreva sua história pelas suas próprias mãos

Nunca deixe se levar por falsos líderes
Todos eles se intitulam porta vozes da razão
Pouco importa o seu tráfico de influências
Pois os compromissos assumidos quase sempre ganham subdimensão
O importante é você ver o grande líder que existe dentro de você

Meu amigo meu compadre meu irmão
Escreva sua história pelas suas próprias mãos

Não se deixe intimidar pela violência
O poder da sua mente e toda sua fortaleza
Pouco importa esse aparato bélico universal
Toda força bruta representa nada mais do que um sintoma de fraqueza
O importante é você crer nessa força incrível que existe dentro de você

Meu amigo meu compadre meu irmão
Escreva sua história pelas suas próprias mãos

20/10/2007

Azul profundo


Por melhor que fosse a resolução da foto - e definitivamente não é esse o caso, já que a foto foi tirada do celular! - não daria pra ter idéia da profundidade do azul desse céu.
Ai, ai. Não me canso de amar e admirar essa minha cidade tão linda!

(A foto é de 18/10, lá pelas 18h30)

18/10/2007

Salvem a nossa Rádio!

O convênio entre a USP e a Fundação Theodoreto Souto, para operação da Rádio Universitária, não foi renovado.
Ninguém sabe direito o que vai acontecer - os locutores já não trabalham mais lá, os programas foram retirados do ar, tem dias que a rádio pega com boa qualidade, outros dias tem uma certa chiadeira, em outros simplesmente sai do ar.
As músicas continuam tocando, mas quando dá algum problema a gente nunca sabe se ele vai ser resolvido ou se simplesmente acabou. Uma sensação estranha!
Eu já estava até pensando em criar uma comunidade no ORKUT chamada "Órfãos da Rádio Universitária".
Hoje de manhã, então, quando despertei ao som dela, fui brindada com uma coletânea fantástica do Chico Buarque.
Tomara que alguém consiga salvar a nossa rádio, pois vai ser muito difícil acostumar sem ela!

16/10/2007

Você é assim...

Por que o meu amor é tão especial?
Porque ele me faz sentir uma PAZ indescritível...
Passei um dia de angústia, mas ele consegue me acalmar com sua voz e com seu amor por mim.
E eu descobri outra faixa para a trilha sonora da nossa vida...




Velha Infância
(Arnaldo Antunes/ Carlinhos Brown/ Marisa Monte)

Você é assim
Um sonho prá mim
E quando eu não te vejo
Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito...

Eu gosto de você
E gosto de ficar com você
Meu riso é tão feliz contigo
O meu melhor amigo
É o meu amor...

E a gente canta
E a gente dança
E a gente não se cansa
De ser criança
A gente brinca
Na nossa velha infância...

Seus olhos meu clarão
Me guiam dentro da escuridão
Seus pés me abrem o caminho
Eu sigo e nunca me sinto só...

Você é assim
Um sonho prá mim
Quero te encher de beijos
Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito...

Eu gosto de você
E gosto de ficar com você
Meu riso é tão feliz contigo
O meu melhor amigo
É o meu amor...

15/10/2007

Arrependimento


Por que agimos por impulso e sem pensar? 5 minutos de bobeira, uma atitude impensada e pronto... Traímos a confiança de quem mais amamos nesse mundo e transformamos nossa vida num inferno.
Sim, porque não há inferno pior do que o arrependimento de ter magoado e decepcionado a pessoa que amamos... E por uma bobagem ínfima...
Sempre fui defensora do "nunca se arrepender de nada", mas hoje admito: me arrependi, sim! Mesmo porque também sempre fui defensora do "respeitar o espaço do outro sempre" e foi exatamente contra isso que acabei agindo: invadi o espaço de uma pessoa. E logo de uma pessoa que sempre me respeitou, sempre entendeu minhas crises de manha e insegurança, sempre me compreendeu e me amou, sempre confiou em mim.
Hoje sou uma pessoa arrependida e com um nó enorme na garganta.
Se pudesse voltar o tempo, uma só vez, com certeza escolheria voltar para desfazer isso, entre todas as outras coisas que já fiz até hoje.
Não adianta pedir perdão, porque a culpa sempre vai assombrar: a sensação de decepcionar muito alguém (e sem ter má intenção!) é horrível.
Espero que Deus possa iluminar meu caminho e me tornar uma pessoa melhor a cada dia.
Pois Ele sabe o quanto prezo pelo respeito ao próximo, e o quanto me esforço para melhorar minhas atitudes. Infelizmente não sou perfeita, mas peço hoje humildemente a Deus que as minhas imperfeições não firam outros - especialmente os que mais amo e que mais carinho me dão no dia a dia.

14/10/2007

A alegria sábia

"(...)Eu viro resolutamente as costas a todos os pregadores de castidade, a todos os apóstolos de abstinência, que proíbem o que ignoram. Corro o risco. Detesto os puritanos, os que estão permanentemente infelizes com a alegria dos outros, os mesquinhos, os insensíveis, os hipócritas. Os que fingem acreditar que basta sair sem guarda-chuva para parar a tempestade. Tenho até a impressão de que a verdadeira sabedoria, se é que ela existe, passa obrigatoriamente pela alegria e pelo prazer.(...)"

Jean Claude Carrière, no livro "Fragilidade", da Editora Objetiva

Libido

Combustível renovável*

A Libido tem limites. Cabe a cada um decidir como aplicá-la. "Se você se mantém ocupada o tempo todo, priorizando sempre outras atividades, ficará sem forças para o sexo", diz a psicóloga e terapeuta de casais Margareth dos Reis, do Instituto H. Ellis, em São Paulo. É um equívoco imaginar que o amor é suficiente para esquentar a cena sob os lençóis. "Manter a libido em alta depende de uma dinâmica apropriada. Para estimular a vontade de se tocar, de acariciar o outro e fazer sexo de modo não repetitivo ou mecânico, é preciso cultivar a fantasia e continuar pensando no par como objeto de desejo", aconselha a especialista. Essa é uma forma de reciclar a energia sexual. E as mulheres mais espertas já descobriram que as preliminares não começam na cama, mas bem antes.

Solange Rocha Dias, 37 anos, casada há 15, preserva alguns rituais desde os tempos de namoro. Às vezes liga para o marido só para dizer algo carinhoso, outra hora é ela quem encontra um bilhetinho romântico em sua agenda. Adora sair com uma lingerie sexy - e deixa que ele a veja se vestindo. "O que me excita no meu marido não é só sexo. Se no caminho para o supermercado ele me leva para tomar café-da-manhã em um lugar especial, fico encantada, assim como gosto de vê-lo ajudando nosso filho com a lição. Presto atenção nos detalhes, sei que ele também me observa."

O cuidado, a gentileza, olhar para o outro e se deixar olhar - aí está o gás da vida erótica. Esse combustível é reciclável e renovável. Cada casal pode descobrir o que funciona melhor. Só não vale desperdiçar ou interromper a produção de carinho achando que o prazer está garantido. Não está. Ele é fabricado todos os dias por quem sente prazer em fabricá-lo.

*Retirado da matéria "Libido - Uma usina de energia dentro de você" da Revista CLAUDIA no. 10 ano 16 (Outubro de 2007)

11/10/2007

Inspiração

Esse eu recebi da minha querida amiga Andrea Shibata.
Já tinha lido essa msg antes, mas coisa boa nunca é demais reler... Ainda mais quando vem com figurinhas tão fofas.




INSPIRAÇÃO PARA HOJE



10 mandamentos para manter-se jovem:

1. Deixe fora os números que não são essenciais. Isto inclui a idade, o peso e a altura. Deixe que os médicos se preocupem com isso. Afinal, é para isso que você lhes paga!


2. Mantenha só os amigos divertidos. Os depressivos puxam para baixo. (Lembre-se disto se for um desses depressivos!)

3. Aprenda sempre: Aprenda mais sobre computadores, artes, jardinagem, o que quer que seja. Não deixe que o cérebro se torne preguiçoso. 'Uma mente preguiçosa é trabalho do diabo.' E o nome do diabo é Alzheimer!

4. Aprecie as pequenas coisas

5. Ria muitas vezes, durante muito tempo e alto. Ria até lhe faltar o ar. E se tiver um amigo(a) que o(a) faça rir, passe muito e muito tempo com ela(a)!

6. Quando as lágrimas aparecerem, agüente, sofra e ultrapasse. A única pessoa que fica conosco toda a nossa vida somos nós próprios. VIVA enquanto estiver vivo.

7. Rodeie-se das coisas que ama: família, animais, plantas, hobbies, o que quer que seja. O seu lar é o seu refúgio.

8. Tome cuidado com a sua saúde: Se é boa, mantenha-a. Se é instável, melhore-a.
Se não a consegue melhorar, procure ajuda.

9. Não faça viagens de culpa. Faça uma viagem ao centro comercial, até um país diferente, mas NÃO para onde estiver a culpa.

10. Diga às pessoas que ama que as ama a cada oportunidade.

É proibido

Como sempre, minha amiga Lucileine me mandando e-mails que têm o dom de chegar com uma palavra de alento naqueles dias mais FDP, onde um monte de coisas estão dando errado e a gente fica com vontade de jogar tudo pro alto e voltar pra casa pra dormir...
Um belo texto que quero compartilhar com todos.



É Proibido

É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.
É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,
Não transformar sonhos em realidade.
É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.
É proibido deixar os amigos
Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não te importam,
Ser gentil só para que se lembrem de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,
Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,
Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se desencontraram,
Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.
É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,
Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,
Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,
Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual.

Pablo Neruda

09/10/2007

Lavando a alma e limpando a vida!

Às vezes me deparo com textos que me despertam o seguinte sentimento: “Nossa, concordo com isso em gênero, número e grau! Poderia ter sido eu a escrever esse texto!”
Foi exatamente esse sentimento que tive ao ler essa bela mensagem que recebi do meu amigo Washington.
Há os que não gostam que eu coloque textos longos aqui no meu blog, mas realmente este vale a pena ser compartilhado com meus amigos especiais.
Posso dar meu testemunho de que minha vida mudou da água para o vinho depois que comecei a aplicar no meu dia-a-dia a decisão de “cortar” tudo (e todo aquele) que não fosse realmente necessário. Sem dúvidas é difícil, em muitos momentos, cortar coisas e pessoas às quais nos tínhamos apegado, mas avaliando os resultados – como a vida da gente começa a fluir melhor e mais leve! – é que confirmamos que estamos no rumo certo.
Aos meus amigos, boa leitura e que esse texto traga a vocês o mesmo prazer que me trouxe.


Esvaziando os Armários de Nossa Vida
Corrado Spallanzani

Todos os anos há um momento em que olhamos nossos armários com um olhar crítico. Olhamos aquelas roupas que não usamos há tanto tempo. Aquelas que tiramos do cabide de vez em quando, vestimos, olhamos no espelho, confirmamos mais uma vez que não gostamos e guardamos de volta no armário.
Às vezes tiramos alguma coisa e damos para alguém, mas a maior parte fica lá, guardada sabe-se lá porquê.
Um dia alguém me disse: tudo o que não lhe serve mais e você mantém guardado só lhe traz energias negativas. Livre-se de tudo o que não usa e verá como lhe fará bem.
Acontece que nosso armário não é o único lugar da vida onde guardamos coisas que não nos servem mais.
Você tem um armário desses no interior da mente. Dê uma olhada séria no que anda guardando lá.
Experimente esvaziar e fazer uma limpeza naquilo que não lhe serve mais.
Jogue fora idéias, crenças, maneiras de viver ou experiências que não lhe acrescentam nada e lhe roubam energia.
Faça uma limpeza nas amizades, aqueles amigos cujos interesses não têm mais nada a ver com os seus. Aproveite e tire de seu armário"
aquelas pessoas negativas, tóxicas, sem entusiasmo, que tentam lhe arrastar para o fundo dos seus próprios poços de tristezas, ressentimentos, mágoas e sofrimento. A insegurança dessas pessoas faz com que busquem outras para lhes fazer companhia, e lá vai você junto com elas.
Junte-se a pessoas entusiasmadas que o apóiem e apóiem seus sonhos e projetos pessoais e profissionais.
Não espere um momento certo, ou mesmo o final do ano, para fazer essa "faxina interior". Comece agora e experimente aquele sentimento gostoso de liberdade.
Liberdade de não ter de guardar o que não lhe serve.
Liberdade de experimentar o desapego.
Liberdade de saber que mudou, mudou para melhor, e que só usa as coisas que verdadeiramente lhe servem e fazem bem.

08/10/2007

Frase do dia

Frase do Fabiano Volpini que eu precisava anotar aqui, pra ficar para a posteridade:

"Não é fácil pra ninguém ser qualquer um"

e depois ele explicou que o queria dizer era:

"Não é fácil para ninguém SER"

Entenderam?

Bueno!

Quero a vida sempre assim

Depois de um final de semana lindo, de volta à realidade do dia-a-dia.
No trabalho da gente é assim: sempre tem alguém querendo roubar o nosso bom-humor.
Incrível como tem gente que pensa negativo, que se corrói de inveja ao ver alguém em paz, que quer contaminar a todos com seu desamor...
Mas de uns tempos pra cá eu decidi que ninguém mais vai decidir por mim como deve estar o meu humor. Ninguém mais vai conseguir "estragar o meu dia". E, principalmente, descobri que sou uma pessoa doce, e que ninguém tem o direito de me fazer agir de outra forma.
Tenho sido muito feliz desde então. Uma coisa que me machucava muito era ficar estressada e nervosa, acumulando raiva e coisas ruins dentro de mim e acabar desforrando em quem não tinha nada a ver com minha irritação - geralmente em quem não merece, que são as pessoas que mais amamos...
E hoje, pensando na minha vida e no meu amor, em como minha vida mudou e em como com ele ao meu lado consigo enxergar várias outras coisas que antes não enxergava, me veio a música do Tom Jobim na cabeça.
E é assim que quero me sentir hoje...


Corcovado
Tom Jobim
Um cantinho e um violão
Este amor, uma canção
Pra fazer feliz a quem se ama
Muita calma pra pensar
E ter tempo pra sonhar
Da janela vê-se o Corcovado
O Redentor que lindo
Quero a vida sempre assim com você perto de mim
Até o apagar da velha chama
E eu que era triste
Descrente deste mundo
Ao encontrar você eu conheci
O que é felicidade meu amor

05/10/2007

Alma Lavada!

Um show de lavar a alma! Foi essa a sensação que me deu ontem depois que tive o prazer de rever o Lenine, dessa vez no SESC de Araraquara. Afora a companhia de amigos queridos - Ré, Ju, Leine e Tiago foram comigo, além da minha irmã Mariana - o show em si foi um arraso, contemplando músicas de todos os CDs anteriores e me fazendo lembrar de muitas passagens da minha vida. O Lenine é um ser iluminado. Ao se deparar com a sua incrível presença de palco e com a não menos incrível entrega que ele tem ao seu público durante o show, certamente mesmo quem não seja fã dele acaba se apaixonando. Foi assim com a gente no século passado - eu e essas mesmas amigas! - quando fomos ao "Cinco no Palco" só pra ver o Paulinho Moska e acabamos arrebatadas por ele, pelo Zeca, pelo Chico e pelo Suzano. Mas, no meu caso, principalmente por ele e pelo Zeca. Lembro-me de ter saído no dia seguinte ao do show, minha mãe a tiracolo, eu desesperada à busca do CD do Lenine ("O dia em que faremos contato"). E o CD estava esgotado em São Carlos, tamanho o sucesso daquele Projeto lindo e que infelizmente teve vida tão curta. Tive que esperar uma semana inteirinha antes de ter o CD em minhas mãos. E quando isso aconteceu, abriu-se diante de mim um mundo gigante: tamanha a imensidão de cultura que a gente encontra em cada uma das letras desse homem. É como uma coceira: você começa a ouvir Lenine e se inquieta: quer ir atrás de toda a obra dele e de todas as (muitas!) referências que ele coloca em sua obra. Foi assim que busquei Jackson do Pandeiro, Caju e Castanha, Lula Queiroga e tantos outros (que depois me levaram a outros tantos). E depois disso várias foram as emoções vividas tendo um desses FAB FIVE envolvidos, mesmo que tenham servido apenas de trilha sonora - mas muitas vezes foram coadjuvantes e até mesmo protagonistas. Minha amizade com a Ré certamente se aprofundou muito depois de termos ido ao famoso show do Reveillon que o Zeca Baleiro fez na chácara do Ulisses - com Mandinga abrindo. Minha própria condição de "Mandinguete" - e posteriormente minha amizade sincera com o André - teve sim a influência dos Cinco, que nos "arrastaram" para dentro da Rádio Universitária (e a Rádio Universitária nos trouxe o Décio!) e também para os shows do Mandinga nos barzinhos que fizeram capítulos de nossa história (Oficina de Arte, BarBar, Ócio, Armazém, DCE, CAASO... quantas saudades!) E o Eduardo Castro? Quem há de negar a importância das fotos que ele havia tirado no show dos Cinco em nossa aproximação? Lembro-me como se fosse hoje o dia em que o "Olho de Peixe" do Lenine praticamente "caiu no meu colo" pra que eu o comprasse (isso depois de o termos procurado, as Tuddys e eu, em todos os locais possíveis e imagináveis, inclusive pensando em importá-lo do Japão via internet). E aí o Lenine explodiu na mídia. E virou tema de novela da Globo. E virou sucesso nacional. E veio a São Carlos fazer um show onde não atendeu ao público - e nós ficamos decepcionadíssimas, acostumadas que estávamos a abraçá-lo, beijá-lo e receber os seus famosos "cheiros" típicos da cultura do Recife. E então viajou novamente o mundo todo. E virou produtor - responsável inclusive pelo belíssimo CD "Segundo" da Maria Rita Mariano. E quando a gente pensava que aquele Lenine de outrora já não passava de uma lembrança boa, eis que ele surge com o show de ontem. Logo na primeira canção já voltou a ser o "nosso" Lenine: espirituoso, talentoso, carismático, arrebatador... PLENO! Enfim, quando o assunto é Lenine, sempre sobra emoção. Sempre sobram lembranças boas. Sempre dá uma sensação gostosa e quentinha dentro do peito. E a gente sai do show exatamente assim... DE ALMA LAVADA!
video

02/10/2007

Tô feliz


Hoje resolvi escrever aqui só pra contar que tô feliz.
Tô apaixonada (cada vez mais).
Tô arrumando minha vida financeira (devagarinho, mas tô chegando lá).
Tô traçando objetivos sólidos e a cada dia estou mais segura de lutar por eles. Isso é bom, porque a até bem pouco tempo atrás eu era "um móbile solto no furacão" e agora tô conseguindo me sentir mais serena pra pensar no meu futuro.
Tô mais a vontade pra cuidar de mim, do meu amor, dos meus amigos que amo e de todo mundo que me cerca...
Tô feliz!!!