31/12/2007

dependência x liberdade

"(...) houve um tempo em que eu achava que ser dependente tolhia a minha liberdade. Hoje, vejo que pode existir um equilíbrio, um compartilhar. Ter uma certa dependência também é bom, para aplacar a prepotência... A liberdade excessiva às vezes nos impede de conhecer as necessidades, ouvir as idéias do outro, revelar a nossa fragilidade. E é nas fragilidades que os encontros acontecem."

(Patrícia Pillar, em entrevista à Revista Claudia, ano 46, edição 12 - dezembro de 2007)

29/12/2007

Paraty

O que dizer sobre a experiência de conhecer Paraty?
Poderia dizer que realizei, graças ao meu Amor, mais um sonho da minha vida - aliás, acho que venho batendo recordes e mais recordes de realização de sonhos nos últimos tempos. Não me canso de agradecer a Deus por isso! Daqui a pouco vou ter que renovar o estoque de sonhos, porque já tô acabando com todos que eu tinha! rs
Poderia dizer da sensação incrível de estar naquela cidade linda, salpicada de artistas pelas ruas - ruas que por si só já são uma obra de arte que deve ser preservada sempre, com unhas e dentes.
Poderia falar da emoção em passar defronte à residência da família real, de ver os botecos que mais parecem cenários de filme, de ouvir trechinhos de jazz e de bossa nova sendo executados ao vivo dentro dos restaurantes do centro velho, no meio da tarde, sem mais nem menos.
Ou poderia falar da natureza exuberante, das cores fortes que nos enchem os olhos de azuis, verdes e tantos e tantos tons de cores que nem dá pra imaginar que existem na natureza...
Afinal de contas, Paraty é tudo junto: natureza, história, arte.
Acho que a minha cara na foto diz bem o sentimento de sentir PAZ em um lugar. E foi essa paz que encontrei hoje, em Paraty.


Essa sou eu, almoçando. Só a cara já diz tudo, né?











E essa é a visão que eu tive, da minha mesa de almoço, em um restaurante perdido no meio da Baía de Paraty.

24/12/2007

As Margaridas da D. Helena

Nesse final de semana ganhei uma avozinha que me fez relembrar com carinho das minhas duas avós que já não estão neste plano.D. Helena, avó do Wanderley.
Uma senhora doce, atenciosa, cheia de histórias pra contar e muito autêntica, agradável, divertida. Ela cuida com amor de suas plantas, borda, ri, faz rir e aconselha - sem ser chata. Uma avó contemporânea, moderna, que não tem papas na língua e não perde tempo com hipocrisia e falsos moralismos. Tudo isso sem deixar de ser extremamente simples, em todos os sentidos da palavra. Que Deus a abençoe!Adorei estar com ela - que até cedeu gentilmente a sua própria cama para nos hospedar! - com a mãe do Wanderley, D. Marisa, igualmente agradável e incansável para nos atender bem, e com todos os outros familiares que conheci.
Estar naquela cidadezinha com o meu amor foi pra mim uma experiência muito saudável. Um momento de paz diante de toda a correria do dia-a-dia.
Um olhar na direção das coisas simples e prazerosas. Uma lição para que não nos esqueçamos que tudo que é melhor não custa nada - e não tem preço.

retribuição

(...)Só existe uma lei essencial: precisamos buscar estar sempre bem conosco, nesse curto tempo que temos de vida, e acredite, você não vai conseguir isto sozinho. Esqueça essa história de amar quem te odeia, de virar a outra face! Ame quem te ama, o resto é falsidade. Onde há injustiça em retribuir o que lhe faz bem e o que lhe faz mal com a mesma medida?(...)

(do Texto NaFtalino deste ano do meu amigo Cristian dos Santos, o Cobra. Leia mais textos dele aqui)

22/12/2007

Férias

Depois de anos sem tirar férias de verdade, foi com grande satisfação que fechei o dia de trabalho de hoje rumo a alguns dias de (merecido!) descanso...
Trabalhar, agora, minha gente, só em 2008!
Iuhuuuuuuuuuu
Boas férias a todos!
E bom fim de ano!

21/12/2007

Drummond

Dispensa qualquer comentário. E a gente nunca se cansa de ler...
A (boa) poesia é eterna.
Esta peça é um cristalino exemplo disso.
O meu 2007 - agora já bem velhinho - teve muito dessa magia que eu tanto ansiava. E muito disso dependeu do meu esforço em renovar a esperança e me manter no caminho correto dia após dia.
Que 2008 seja a continuação dessa postura... VIVER, simplesmente. De alma leve e coração aberto!


Receita de Ano Novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

(Carlos Drummond de Andrade)

19/12/2007

Bravo!

Ontem tive a satisfação de assistir ao espetáculo de Ópera "Rigoletto" (de Giusepe Verdi) no belíssimo Theatro Pedro II, em Ribeirão Preto.
Foi uma experiência que certamente ficará na memória.
Eu nunca tinha assistido a nenhuma ópera na íntegra - mesmo que pela televisão - e confesso que estava morrendo de receio de não entender nada e ficar cheia de tédio.
Mas a surpresa foi grata. Eu adorei o espetáculo e pretendo repetir a experiência mais vezes. Só a companhia do meu amor - responsável pela nossa ida - e da querida amiga Stela, já valeriam o passeio. Só em entrar no Pedro II já fico feliz - ele próprio já é um espetáculo. Mas é sempre bom quando nos surpreendemos positivamente com algo, especialmente na companhia de pessoas tão especiais.
Um verdadeiro presente de Natal!
Adorei!

tão bem...

No início de cada ano tem aquela fase onde ficamos refletindo e ponderando sobre nossas intenções para o ano que está começando.
Da mesma forma, quando vão chegando as festas de final de ano ficamos pensativos e fazendo uma espécie de "balanço" do ano que está se encerrando.
Eu já entrei nessa fase de "balanço".
Considero que o Ano de 2007 tem sido maravilhoso para mim. Já disse isso a muita gente, e até tive oportunidade de escrever aqui, salvo engano, que muitas vezes tenho a sensação de que nem sou merecedora de tanta coisa boa que alcancei...
Hoje tive oportunidade de almoçar com dois amigos e com o novo amor de um deles. Uma pessoa que eu não conhecia, mas que me causou de imediato uma ótima impressão. Transmite muita serenidade e muita sinceridade. Fiquei muito feliz, pois passou um filminho pela minha cabeça: de quando conheci o Wanderley e ele começou a me fazer um bem enorme, com suas atitudes no dia a dia, com sua presença, com sua dedicação a mim... Uma sensação de plenitude que foi acontecendo naturalmente, sem forçar, e que ao que me parece começa a acontecer na vida desse meu amigo tão querido. Isso me deu uma felicidade imensa.
2007 para nós, amigo, está sendo um ano em que estamos preenchendo nossas lacunas. Das minhas, quase todas estão sendo preenchidas. Inclusive a felicidade dos meus amigos, que cada um a seu modo, de maneira geral, tem encontrado seu rumo.
Que tenhamos sabedoria para seguir no caminho certo! Sem medo de sofrer (mais) decepções. Pois no fim as coisas sempre se ajeitam da melhor maneira pra nós - mesmo que em muitos casos a gente demore pra compreender isso.
Em homenagem a esse sentimento de realização, segue uma letra de música que exprime exatamente o meu sentimento e tenho certeza que exprimirá muito do sentimento dessas duas pessoinhas que estão começando a unir seus caminhos agora.
E eu tô aqui, torcendo pela felicidade deles com todas as forças do meu coração.

Tão bem
(Lulu Santos)

Ela me encontrou
Eu tava por aí
Num estado emocional tão ruim
Me sentindo muito mal
Perdido, sozinho
Errando de bar em bar
Procurando não achar
Ela demonstrou tanto prazer
De estar em minha companhia
Eu experimentei uma sensação
Que até então não conhecia
De se querer bem
De se querer quem se tem
E ela me faz tão bem
Ela me faz tão bem
Que eu também quero
Fazer isso por ela

12/12/2007

ação + decisão = boa fortuna

"A suavidade na ação, unida à força de decisão, traz boa fortuna"

(Do biscoitinho chinês lá do Jin Jin)

06/12/2007

Merry Christmas!

O primeiro arranjo de Natal a gente nunca esquece!
Ainda mais se ele for assim TÃO FOFO, né?

04/12/2007

chorando sem parar

Festival "ChorandoSemParar" apresenta 12 horas de choro brasileiro em São Carlos no próximo domingo

No próximo domingo, dia 9 de dezembro, acontece em São Carlos o maior festival de choro brasileiro, o "ChorandoSem Parar". A atrações reúnem 19 artistas e grupos musicais em 12 horas de show, sem intervalos. O evento é gratuito e aberto ao público.
O homenageado desta quarta edição do festival é o músico brasileiro Zé Menezes, que também é uma das atrações do evento. Entre as várias apresentações do dia, estão previstas a Orquestra Experimental da UFSCar, Choro das 3, Quarteto Café, Mike Marshall (EUA) e a Orquestra da Escola Livre de Música Maestro João Seppe. Além da programação instrumental, as cantoras Zélia Duncan e Ná Ozzeti apresentam-se cantando choro, sambas e serestas.
O festival é uma realização do projeto Contribuinte da Cultura, da Fundação de Apoio Institucional da UFSCar (FAI.UFSCar), em parceria com a Universidade, Prefeitura de São Carlos e outras entidades.
O "ChorandoSemParar" será realizado das 10 horas às 22h, na Praça XV, em São Carlos. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone do projeto Contribuinte da Cultura, o 3307-5691.