31/12/2008

oscilando

Estou oscilando muito intensamente e muito rapidamente.
Queria saber me controlar - assim eu faria o necessário para "pender" somente para o lado bom da oscilação.
Tenho um pouco de medo das minhas atitudes.
Previsões astrológicas para 2009

the trouble with love is...

Uma linda música, expressando meus sentimentos agorinha.
Interpretada lindamente pela Kelly Clarkson, mesmo sendo uma música triste (como triste estou), me deixou leve. É uma música muito especial.
A música sempre me salva. Sempre!


"The Trouble With Love Is"
(Evan Rogers, Carl Sturken, Kelly Clarkson)

Love can be a many splendored thing
Can't deny the joy it brings
A dozen roses, diamond rings
Dreams for sale and fairy tales
It'll make you hear a symphony
And you just want the world to see
But like a drug that makes you blind,
It'll fool ya every time

The trouble with love is
It can tear you up inside
Make your heart believe a lie
It's stronger than your pride
The trouble with love is
It doesn't care how fast you fall
And you can't refuse the call
See, you got no say at all

Now I was once a fool, it's true
I played the game by all the rules
But now my world's a deeper blue
I'm sadder, but I'm wiser too
I swore I'd never love again
I swore my heart would never mend
Said love wasn't worth the pain
But then I hear it call my name

(The trouble with) The trouble with love is
It can tear you up inside
Make your heart believe a lie
It's stronger than your pride
The trouble with love is
It doesn't care how fast you fall
And you can't refuse the call
See, you got no say at all

Every time I turn around
I think I've got it all figured out
My heart keeps callin' and I keep on fallin'
Over and over again
This sad story always ends the same
Me standin' in the pourin' rain
It seems no matter what I do
It tears my heart in two

(The trouble with love is) The trouble with love, yeah
(It can tear you up inside) It can tear you up inside
(Make your heart believe a lie) Make your heart believe a lie
It's stronger than your pride

(The trouble with love is)
It's in your heart
It's in your soul (doesn't care how fast you fall)
You won't get no control
(and you can't refuse the call)
See, you got no say at all

(The trouble with love is) Oh, yeah
(It can tear you up inside)
(Make your heart believe a lie)

pensamentos maus

Se tem uma coisa que eu definitivamente não queria, essa coisa é "ter pensamentos auto-destrutivos no último dia do ano". Sinceramente, eu não queria mesmo isso.
Não queria e não quero.
Porque eu sou uma pessoa que sempre tenta enxergar o lado positivo de tudo.
Porque sou uma pessoa que sempre quer o bem de todos - inclusive o meu próprio bem.
Porque acredito que o que pensamos gera uma energia, que pode ser positiva ou negativa. E eu não gosto de energia negativa. E nem de gerar energia negativa - muito menos no último dia do ano!
Porque ter pensamentos auto-destrutivos, e, hipoteticamente imaginando, caso acontecesse algum deles, faria pessoas que eu amo infinitamente infelizes, principalmente minha mãe. E eu não quero isso. Definitivamente.
Então eu tenho que esforçar pra não ter esses pensamentos, já que não os quero.
Mas confesso que minha cabeça "está a milhão". Então fica difícil evitar.

presente de final de ano

Uma postagem de uma amiga para mim
aqui
Ela nunca vai poder conceber o bem que me fez isso!

desejos para 2009

Sentir primeiro, pensar depois
Perdoar primeiro, julgar depois
Amar primeiro, educar depois
Esquecer primeiro, aprender depois

Libertar primeiro, ensinar depois
Alimentar primeiro, cantar depois

Possuir primeiro, contemplar depois
Agir primeiro, julgar depois

Navegar primeiro, aportar depois
Viver primeiro, morrer depois

(Mario Quintana)

28/12/2008

Cristais de murano feitos no Brasil!!!

Gentem, mais um mega-achado no mesmo dia!
Uma fábrica de cristais de Murano 100% brasileira.
Ai, ai, ai.
eu quero, eu quero, eu quero!!

http://www.cristaissaomarcos.com.br

redescobrindo a mesma canção

A gente passa a vida inteira ouvindo uma música. E eis que, de repente, num dia 28 da vida, a mesma música finalmente faz um novo sentido pra gente.
Impressionante isso!

Na nossa casa
(Herbert Vianna)

Quando anoiteceu
Nenhuma luz na nossa casa se acendeu
Aonde você estava?
Aonde estava eu?

Se tudo parecia nada,
Ainda assim
O nada era mais
Do que o que
Você deixou
No fim

Quando aconteceu
Quando algo em que a gente acreditava
Se perdeu
Por onde você andava?
Por que não me socorreu?

Não é o fim do
Mundo é só o fm
De tudo que
Fomos nós
Sem flutuar e sem
Tocar o fundo
Sempre sós

A audição

Nos últimos tempos estou promovendo para mim mesma uma audição dos meus CDs - pelas minhas últimas contas há bastante tempo, devem ter passado de 250 em número.
Pois bem. A audição consiste em escolher um número (no caso, quando escolhi foi "6") e ir ordenando os CDs a serem ouvidos na ordem em que estão dispostos, de 6 em 6. E não vale "roubar", ou seja, não vale olhar pra um CD sorteado e dizer "Ah, não, esse eu vou pular porque não quero ouvir agora!".
Essa é uma brincadeira bastante divertida, porque a gente reencontra com algumas pérolas que já havia se desacostumado de ouvir. Outras peças nos lembram de acontecimentos passados - alguns muito ternos, outros nem tanto, mas todos muito válidos afinal!
E hoje eu cheguei a uma conclusão. Eu tenho algumas coisas bem insuportáveis entre os meus CDs. Pretendo jogá-los fora algum dia, quando tiver coragem. Alguns me irritaram bem profundamente - principalmente os que eu gastei dinheiro comprando. Onde eu estava com a cabeça, afinal?
Bom, se isso tem algum lado positivo, talvez seja o de "antes se dar conta de algo tarde do que nunca".
Em suma, as surpresas boas são bem maiores - em número e em qualidade - do que as não tão boas. E em geral estou muito feliz na minha audição particular.

A harmonia na diferença

Fala sério: ela tem ou não tem um bom tanto de razão?

A harmonia na diferença
Danuza Leão

"Se eu morrer você vai casar de novo?” Só uma mulher é capaz de fazer esse tipo de pergunta, e a resposta tem que ter vários, mas vários “nãos”, misturados com milhões de beijos e seguidos da frase: “Ficou louca?”
Sinceramente: você já ouviu falar de algum homem que, mesmo de brincadeira, tenha feito alguma pergunta parecida com essa? É claro que não.

Ah, as mulheres... Elas querem provas de amor eterno o tempo todo, mesmo depois da morte. Passam a vida testando os pobres dos homens para saber se eles gostam mais delas ou da mãe, ou do barco, ou do carro novo, ou do Flamengo, ou – sutilmente – dos filhos.

Se ele não lembrou que hoje faz oito anos e 17 dias daquela tarde de chuva em Paris em que se abrigaram debaixo da marquise para se beijar – e não mandou flores, como homenagem à data –, é um sinal claro de que o amor (dele) acabou. Se num incêndio, no meio das labaredas, não lembrar que precisamente naquele dia, 15 anos atrás, falaram pela primeira vez em casamento, ela é capaz de se jogar da janela ou – pior – de amarrar uma bela tromba por dias seguidos. Isso se tiverem a sorte de escapar com vida, o que, no caso, talvez não seja o melhor negócio.

Ah, as mulheres... Se quando ela entrar no carro ouvir um CD que não tem nada a ver com a história de amor dos dois, é sinal de que alguma coisa não anda bem, e mais: a prova de que existe uma história rolando com outra.

Se for a fita de Caetano cantando em espanhol e ele cantarolar LA BARCA sabendo a letra todinha de cor, me diga: é ou não é prova evidente de traição?

Já os homens são diferentes. No caso inverso, são capazes de dizer, numa boa: “Parece que você adivinhou, eu estava louco para comprar essa fita”. É possível ter uma relação com alguém de cuca tão fresca? Claro que não. Ah, esses homens...

Quando uma mulher vê o seu de gravata nova e caprichando na frente do espelho, já fica com a pulga atrás da orelha: “Aí tem”, é o mínimo que pensa. Já o homem, quando vê sua mulher lindona, de salto alto e corte de cabelo novo, convida logo para jantar fora, feliz de poder exibir a mulher, que, para ele, é a mais linda do mundo. Difícil a harmonia entre esses dois seres tão diferentes. Difícil, mas não impossível.

Ele bem que tenta, mas, se chega em casa com um ramalhete de flores, ela pensa: “Alguma andou aprontando”. Se propõe uma viagem, nunca ouve um sim logo de cara. As crianças vão entrar em provas, a casa precisa de uma reforma, talvez seja a hora de trocar de carro. E, quando concorda, começa a discussão sobre o roteiro. Atravessar Portugal e Espanha de carro, nem pensar. Tem que ir a Paris ver as modas, conhecer a ala nova do Louvre, contar que St. Germain não está com nada, que o único lugar onde se pode ficar agora é no Marais.

Ele às vezes pensa em como seria feliz se pudesse viajar com dois amigos só para dizer uma porção de bobagens, esticar o almoço às vezes até 5, 6 da tarde, exagerar no vinho apenas para se sentir bem livre, não ter que reservar um restaurante e chegar na hora marcada com a mulher do lado contando de todas as compras que fez. Mas e a coragem?

Danuza Leão é cronista, autora de vários livros, entre os quais Na Sala com Danuza 2 (ARX) e Quase Tudo (Cia. das Letras)
Fonte: Revista Claudia (dezembro de 2008)

Achado!

Loja virtual ELO 7
Mais de 40 mil produtos feitos à mão por cerca de 3 mil artesãos. Vende de todo tipo de artesanato, e, melhor ainda, tem peças bacanas e baratinhas. Você pode pagar com boleto ou cartão de crédito e recebe os produtos em casa.

aqui, ó: http://www.elo7.com.br

28

O SER HUMANO NASCE PARA ILUMINAR O MUNDO
Você nasceu para iluminar o mundo; para realizar um trabalho que só você pode fazer; para atender aos anseios das pessoas cuja alegria é a sua presença. Portanto, você é uma pessoa imprescindível. Talvez pense que não passa de uma criatura insignificante, mas, na verdade, sua força contribui para sustentar o todo.
(do livro Sözöteki Jinsei no Tameni - Seicho Taniguchi)


Isso foi tirado do meu calendário Seicho-no-ie, que ganhei da minha cunhada Mariana em 2005, mas que continuo usando até hoje. E que, às vezes, cai como uma luva. Como foi o caso hoje.

26/12/2008

P-51

POR TRÁS DA FOTO
Mair Pena Neto - Portal Direto da Redação

Uma foto de divulgação publicada discretamente em algum jornal esta semana não traduziu a importância do fato. Sob um céu de brigadeiro e sobre a água azul em frente à Baía de Guanabara, começava a singrar os mares a plataforma P-51, rumo ao campo de Marlim Sul, na bacia de Campos, para produzir mais 180 mil barris diários de petróleo para o Brasil.

Mas a importância maior da P-51 não está em sua tecnologia ou capacidade de produção. Primeira plataforma de petróleo inteiramente construída no Brasil, ela simboliza a redenção da indústria naval brasileira, com os seus milhares de postos de trabalho.

Não faz muito tempo, com uma visão exclusivamente empresarial de retorno ao acionista e sem qualquer compromisso com o desenvolvimento nacional, a Petrobras construía fora do país todas as suas plataformas. Valia-se para isso de dois argumentos: a falta de capacidade da indústria naval brasileira, sucateada desde os anos 80, e, principalmente, do menor preço conseguido em estaleiros da Coréia e Singapura. Ou seja, a maior empresa do país ao construir os navios e plataformas para a exploração do petróleo brasileiro não gerava um emprego aqui.

Mudar tal situação exigia vontade política, visão estratégica e compromisso com o país. De um governo privatista, que se desfez de várias empresas nacionais importantes e cogitou vender a própria Petrobras não se poderia esperar nenhum gesto nesse sentido.

A mudança política no país, se deixou a desejar nos aspectos macroeconômicos, foi eficiente neste aspecto. A luta que já se desenvolvia por um maior conteúdo nacional nas embarcações da Petrobras triunfou e a indústria naval brasileira renasceu das cinzas. Estaleiros e fornecedores recuperaram-se, voltaram a contratar, fomentaram a economia do Rio de Janeiro e do país e já pleiteiam um conteúdo totalmente nacional de 80% contra os 65% obrigatórios. A P-51 foi totalmente construída no Brasil, mas ainda importou algumas peças não produzidas aqui.

A decisão política do governo brasileiro de privilegiar a indústria nacional impulsionou o setor, que recuperou os níveis de 1970, quando a indústria naval do país era das mais importantes do mundo e vendia navios para o exterior. Os estaleiros empregam hoje 40 mil trabalhadores e a exploração do pré-sal exigiria pelo menos mais 20 mil.

A crise financeira global e a queda no preço internacional do petróleo podem levar a reavaliações, mas a esperança é de que a exploração do pré-sal movimente fornecedores, fabricantes de peças, estaleiros e toda a cadeia do setor em torno de um alto nível de conteúdo nacional.

A foto da P-51 simbolizava toda essa retomada e merecia primeira página. Mas ficou esquecida em algum canto de jornal, certamente mais preocupado com conflitos políticos menores ou deslizes lingüísticos do mandatário da nação.

25/12/2008

Feliz Natal

Querido diário virtual, boa noite.
Devo dizer que meu Natal foi tranqüilo.
Contrariando algumas expectativas (minhas, inclusive), não chorei nem fiquei me acabando de tanto sofrer.
Meu coração está sereno.
Acordei tarde, ouvi alguns CDs que há muito não ouvia, olhei no espelho e senti falta de alguns rituais que há tempos não fazia.
Tomei um banho demorado, esfoliei o rosto, apliquei máscara purificante, depois hidratrante.
Depilei, enchi meu corpo de creme.
Curti a mim mesma.
Passei um dia ótimo com minha família.
Assisti ao DVD que ganhei do meu pai, do show do Chico que assisti ao vivo em 2006.
Recebi a visita da minha querida amiga-irmã Ré. Um bálsamo para minha alma.
Rimos. Conversamos.
Arrumei minhas coisas no meu quarto. Fiz planos para o Ano Novo.
Vi que minha vida está continuando.
De repente me caiu a ficha de que não adianta ficar angustiada ou apreensiva.
Por mais que a gente ame e sinta saudade de alguém, há que se respeitar o tempo do outro - e a vontade de estar longe.
Tenho rezado muito, e acho que Deus conseguiu me mostrar que não depende mais de mim.
Lógico que sinto muitas saudades do meu amor, de estar com ele, de abraçá-lo e de fazer muito carinho...
Mas agora é o momento de eu me retirar.
E deixar que ele tenha Paz.
Espero que ele tenha registrado - nas minhas poucas frases desconexas entre-choros - que eu o amo muito, que não quero me separar dele e que se um dia ele resolver mudar de idéia, estarei esperando de braços abertos.
Era só isso que eu tinha a dizer a ele.
O restante não depende de mim.
E nada adianta ficar chorando pelos cantos, sofrendo como louca...
O amor que tenho por ele, lindo, puro e enorme, está aqui. Intacto. Ninguém me tira isso.
E, por enquanto, só isso me basta.
Deus menino renasceu em meu coração.
E eu tive um Feliz Natal.

24/12/2008

bom conselho

Sem Aviso
(Francisco Bosco / Fred Martins)

Anda
tira essa dor do peito, anda
despe essa roupa preta e manda
seu corpo deslembrar

Canta
vira dor pelo avesso
Canta
larga essa vida assim as tontas
Deixa esse desenganar

Calma
Dê o tempo ao tempo, calma
alma
Põe cada coisa em seu lugar
E o dia virá, algum dia virá
Sem aviso

então...

22/12/2008

sobre a minha tristeza

Meus amigos insistem em dizer que eu não tenho que ficar triste, que eu não posso ficar triste etc.
Eu entendo e respeito a preocupação deles comigo, mas sinceramente acho que esse momento de deglutir a dor é importante, no processo pelo qual estou passando.
Mais adiante terei o momento de repensar SIM todas as minhas atitudes e entender o que é que há de errado comigo pra eu ter feito morrer no meu amor o sentimento bom que ele nutria por mim.
Vejam bem: A pessoa por mim se encanta, me acha o mais carinhoso, compreensivo e atencioso dos seres MAS em algum determinado momento vem aquela frase "Olha, não é nada com você, tá, mas...".
Eu preciso entender o que é que me falta - ou que me sobra - que agride tanto as pessoas, que as irrita a ponto de me rejeitarem.
Se eu não descobrir isso, não terei paz.
Porque tenho a consciência de que algo muito grave eu fiz pra ter conseguido a proeza de afastar simplesmente "o homem da minha vida" de mim.
E eu tenho certeza de que ele realmente me amou de verdade.
Mas preciso saber em que momento da estrada eu fiz com que ele desistisse de mim.
E, pelo jeito, só eu mesma poderei descobrir isso.
Por enquanto, fico com minha dor.
Afinal, é como bem escreveu o Paulo Leminski e musicou Itamar Assumpção:
Ópios, édens, analgésicos
Não me toquem nessa dor
Ela é tudo que me sobra
Sofrer vai ser a minha última obra

SMHDU

Hoje de manhã tive a oportunidade de acompanhar pelo rádio a entrevista do Prof. Ricardo Martucci ao Jornal da Intersom Debates. Uma espécie de "balanço" após 8 anos à frente da Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano.
Foram tantas realizações que nem deu tempo de falar tudo - tiveram que interrompê-lo quando se esgotou o tempo do programa.
Me deu orgulho de ter participado de uma administração que fez tanto pela cidade...
Mas fiquei ainda mais feliz ao perceber novamente a paixão com que o Prof. fala do trabalho dele!
Eu fico contente por conhecer pessoas que são apaixonadas pelo que fazem!
Talvez isso seja uma das explicações de como conseguiram fazer TANTA coisa, mesmo com a Prefeitura quebrada.
Gratificante.

Bush

Excerto de artigo de Marcelo da Silva Duarte (in DEBATE ABERTO: A idade da mentira)
Resumo das relações EUA x América Latina na Era Bush



"Hay que endurecer..."
As relações da Casa Branca com a América do Sul não foram nada ternas, na gestão Bush.

Porém, o outrora playground político estadunidense vem diminuindo, não obstante sua crescente presença militar no continente.

A CIA montou em Assunción, durante o governo (1954-1989) do ditador paraguaio Alfredo Stroessner, uma estação de espionagem eletrônica e de rastreamento de sinais de rádio. Emissões de rádio de toda a região sul da América eram monitoradas e utilizadas pelos aparelhos repressores dos diversos ditadores de plantão de então.

Anibal Miranda, especialista em geopolítica, ainda em 2001 assegurava à imprensa "que a estação ainda funciona, no prédio da embaixada americana em Assunção".

Foi provavelmente graças a esse monitoramento que os EUA recentemente divulgaram relatório demonstrando "preocupação" com o terrorismo na Tríplice Fronteira, confluência geográfica entre Argentina, Brasil e Paraguai. De acordo com a Casa Branca, células terroristas de grupos do Oriente Médio, como o Hezbollah e o Hamas, estariam operando na região, arrecadando doações entre a comunidade muçulmana local.

O exército paraguaio executa ações conjuntas com o exército estadunidense. Em Assunción, militares dos EUA estão presentes no Centro de Instrução Militar de Operações Especiais. Em Mariscal Estigarribia há uma pista de pouso para qualquer tipo de aeronave, que serve de apoio a operações estadunidenses na região.

Segundo Maria Luisa Mendonça, coordenadora da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, a estratégia estadunidense nessa região tem combinado "campanhas de propaganda sobre a suposta 'ameça terrorista', com a presença de militares estadunidenses, favorecida pelo acordo militar bilateral dos Estados Unidos com o Paraguai".

Já a estratégia militar estadunidense em geral, por sua vez, ainda segundo Mendonça, "inclui implementação de bases militares, treinamentos e presença de tropas em território estrangeiro, investimentos em tecnologias de monitoramento, espionagem e projetos de infra-estrutura. Esta estratégia está baseada em diversos pilares, desde a intervenção direta até campanhas de propaganda e difamação, passando por processos das chamadas 'guerras de baixa intensidade', que promovem a opressão e estimulam a violência contra populações de baixa renda, urbanas e rurais".

O Comando de Operações Especiais (Socom, em inglês), ainda em 2006, expandiu suas atividades para cerca de 20 países do Oriente Médio, da África e da América Latina. Desde 2003, já na administração Bush, o orçamento desse comando aumentou 60%.

Segundo o The Washington Post, entre suas missões está o recolhimento de informações para o planejamento de eventuais ações militares em países onde não há guerra ou conflito direto.

Talvez tenha sido graças a tais informações, e em nome da estratégia de estímulo a conflitos locais, que Phillip Goldberg, embaixador dos EUA na Bolívia, reuniu-se com líderes da oposição boliviana ao presidente Evo Morales, antes dos recentes conflitos racistas no país andino.

Goldberg foi expulso da Bolívia e o presidente Lula declarou apoio a Evo Morales, lembrando que a diplomacia dos EUA têm um longo histórico de ingerência nos assuntos sul-americanos.

Recentemente, Evo Morales qualificou como "vingança política" a decisão estadunidense de excluir seu país de benefícios alfandegários, unilateralmente condicionados à "luta antidrogas". Bush suspendeu isenções fiscais de que se beneficiavam produtos bolivianos no mercado dos EUA.

Integrantes do governo dos EUA também mantiveram freqüentes contatos com diversos líderes golpistas nas semanas anteriores ao golpe de estado contra Hugo Chávez, em 2002. Meses após o golpe, que foi condenado oficialmente pela Organização dos Estados Americanos (OEA), o governo venezuelano revelou a presença de navios e aviões militares americanos em seu território, durante os dias da manobra oposicionista.

George Bush também tentou "aprimorar" o "Plano Colômbia", criado pelo governo dos Estados Unidos em 2000, ainda na administração democrata.

O plano, que em tese combateria o narcotráfico na região, seria expandido a ponto de permitir a atuação dos militares estadunidenses no país sul-americano contra "ameaças à segurança nacional", tanto dos EUA quanto da Colômbia. Incluída em um apêndice do orçamento nacional que Bush apresentou ao Congresso no ano passado, essa autorização permitiria aos EUA não se restringir, na região, apenas ao combate ao narcotráfico e às guerrilhas.

As guerrilhas, segundo classificação do Departamento de Estado dos EUA, seriam as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farcs), o Exército de Libertação Nacional (ELN) e a Autodefesas Unidas Colombianas (AUC).

Só que as AUC financiavam suas ações contra a guerrilha de esquerda com o tráfico de cocaína, tudo sob a vista grossa do presidente Álvaro Uribe, do exército colombiano e da agência estadunidense antidrogas (DEA).

Talvez tenha sido por isso que, no recente episódio de violação da soberania do Equador pela Colômbia, os EUA tenham dado apoio incondicional a Álvaro Uribe. "Democratas e republicanos devem trabalhar para estar ao lado de nosso aliado e lutar contra o narcotráfico", disse Bush na oportunidade. Tratava-se de "uma questão de segurança nacional", complementou à época.

A resolução da 25ª Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores da Organização dos Estados Americanos (OEA), realizada em março último, em Washington, repudiou, em seu artigo 4, "a incursão de forças militares e efetivos da polícia da Colômbia em território do Equador, na Província de Sucumbíos, em 1° de março de 2008, feita sem conhecimento nem consentimento prévio do Governo do Equador, por considerar que constitui uma clara violação dos artigos 19 e 21 da Carta da OEA".

Os EUA, evidentemente, fizeram restrições a tal artigo, argumentando que "a Colômbia exerceu o seu direito de 'legítima defesa', durante o ataque voltado contra as Farc".

A diplomacia brasileira, na oportunidade, defendeu a inegociabilidade do Artigo 21 da Carta da OEA, que trata da inviolabilidade territorial de seus estados-membros, contra a peculiar noção estadunidense de "soberania relativa", defendida dias antes por Condoleezza Rice. Segundo a lógica de Rice, o combate ao terrorismo não pode respeitar fronteiras, o que implica que, nesses casos, a noção tradicional de soberania seja substituída pela de "soberania relativa".

Um dos últimos movimentos da estratégia militar estadunidense para o continente foi a reativação de sua 4ª Frota Naval, responsável pela área marítina do Caribe e da América do Sul.

Uma das preocupações brasileiras com a reativação da 4ª Frota é que os EUA assinaram, mas não ratificaram, a Convenção de Montego Bay, da qual o Brasil é signatário. Segundo Montego Bay, o Brasil tem mar territorial de 12 milhas náuticas e Zona Econômica Exclusiva (ZEE) de 188 milhas, extensível até trezentas caso haja prolongamento da plataforma continental no fundo do oceano, fato que pode ser verificado tecnicamente.

Boa parte das novas reservas de petróleo localizadas pela Petrobras se localizam na ZEE, na chamada camada pré-sal.

Paranóia? Na verdade, recentemente os EUA questionaram, perante a Comissão de Levantamento da Plataforma Continental da ONU (LEPLAC) "os valores apresentados pelo Brasil no processo de levantamento de sua plataforma continental", segundo o contra-almirante José Eduardo Borges de Souza, secretário-executivo da Comissão Interministerial para Recursos do Mar (Secirm).

De resto, desde o princípio da era Bush, a Casa Branca jamais aceitou negociar seus gigantescos subsídios à agricultura estadunidense e seu protecionismo a produtos como o aço, quando discutiu a implementação da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA). Medidas compensatórias e acesso ao mercado estadunidense jamais fizeram parte da agenda de Bush para a ALCA, marcada por medidas unilaterais e pela exclusão de temas que não interessam a sua economia.

Mas que interessam, e muito, principalmente aos países do Mercosul.

Em função dessa resistência, os EUA passaram a celebrar tratados bilaterais de comércio, sobretudo com os países cujas economias são menos estruturadas, o que lhe confere maior poder de barganha sobre o conjunto do continente.

A reação latina veio na forma da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL).

Ordem do dia

"Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima"


Amém!

21/12/2008

Um menininho

Ontem e hoje a Roberta e o Edson trouxeram um menininho aqui em casa. Sobrinho do Edson que está passando uns dias de férias na casa deles. Deve ter uns 7 ou 8 anos de idade.
Me apertou o coração, porque me deu saudades do "meu" outro menininho, com quem eu convivia nos finais de semana, e a quem eu já tinha aprendido a amar como se fosse da minha própria família.
Fiquei lembrando das nossas brincadeiras, dos segredos que trocamos - desde o primeiro dia em que estivemos juntos ele já me contou segredos, confiando que eu não os contaria ao pai dele e ao irmão! No último dia em que estivemos juntos ele também confidenciou algo comigo. E sempre teve certeza de que eu não trairia a confiança que em mim ele depositava.
Lembrei das palhaçadas que fazíamos juntos: das poses que ele fazia pras fotos que eu tirava, de como ele ria das coisas engraçadas que eu falava pra ele, sempre me pedindo pra repetir alguma coisa pra ele decorar o jeito que eu estava falando.
Lembrei de como ele sempre foi generoso comigo, como sempre me incluiu em tudo que fazia quando eu estava por perto, como sempre gostou de me contar das aventuras dele e dos amiguinhos na escola e no condomínio dele.
De como ele me ensinou como era aquela manobra dificílima que só alguns surfistas fazem (o tal "pé-cabeça-cabeça-pé")
Lembrei da felicidade dele me contando - sempre em tom de confidência, qdo o pai não estava por perto - como é legal a casa da vó dele (isso ele me contou no caminho quando pela primeira vez eu estava indo com ele conhecer a casa da vó e a própria vó dele). Parece que queria me tranqüilizar. Lá no meu íntimo eu estava morrendo de medo do que ela poderia achar de mim. E se ela não gostasse de mim??? Pois o menininho queria que eu soubesse que era impossível que eu não fosse gostar da casa dela e dela, pq eles eram a casa e a avó mais perfeita que alguém pode ter! E dá até pra dividir com outras pessoas! Dá pra todo mundo se sentir bem, lá naquela casa!
E eu também lembrei de todos os planos que eu fiz incluindo ele. Lembrei das muitas vezes em que fiquei imaginando nossa relação em todas as idades dele. Em que fiquei torcendo para que ele sempre fosse doce comigo - até mesmo quando ele estivesse naquela fase difícil da adolescência, em que a gente não quer falar ou estar com ninguém. Pensei que mesmo nessa fase, talvez por ele ser tão especial, ele fosse abrir uma concessão de ser doce e educado comigo como sempre foi. Lembrei de como fiquei sempre torcendo para que ele fosse capaz de perceber nos meus gestos que eu realmente gostava dele, de verdade. Mesmo quando eu estivesse na TPM - o que me deixa, por incrível que pareça, muito mais chata e implicante do que eu já sou normalmente. Porque, obviamente, em palavras acho que nunca serei capaz de dizer isso a ele. Eu sou aquela que não fala. Eu sou aquela que chora. Sempre.
Com certeza ele driblou toda a minha falta de jeito em lidar com criança. Ele me cativou desde o primeiro dia. Às vezes eu me sentia a criança da história, porque ele sempre mostrou uma maturidade invejável - e eu muitas vezes fraquejei, do alto do meu egoísmo, da minha imaturidade e dos meus descontroles hormonais. Eu acho que ele me fez amadurecer muito.
Pode ser que eu nunca mais volte a vê-lo ou a estar com ele.
Mas um dia eu espero ter oportunidade de fazer com que ele saiba o quanto foi importante pra mim.
Um menininho de alma gigante.
Que Deus o proteja e ilumine seu caminho, sempre, sempre!

A Felicidade

Tristeza não tem fim
Felicidade sim
A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar
(...)
A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranqüila depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor
(...)

(Tom Jobim / Vinicius)

20/12/2008

Luzes de Natal

Ontem, por um momento, se acenderam todas as minhas luzinhas de Natal.
E naquele momento, quando encostei minha cabeça no peito largo do meu amor e senti os dedos dele acarinhando meus cabelos, desejei sinceramente que o tempo parasse. E que eu pudesse ficar ali pra sempre. Longe de tudo: da angústia, do abandono, de todos os problemas e de todas tristezas.
Mas infelizmente nem todos os desejos de Natal se realizam - e talvez eu tenha mesmo abusado e desejado alto demais!
E então todas as luzes se apagaram...
E voltei pra casa...
E deitei na minha imensa cama sozinha, na companhia unicamente de Deus.
E dormi chorando.
Porque se apagaram as minhas luzes de Natal.

19/12/2008

nota cômica da semana

A nota cômica da semana foi o fato de o presidente do nosso sindicato ter ganho o primeiro prêmio do bingo promovido por ele mesmo - e, claro, NÃO ter devolvido o prêmio.
Dispensa maiores comentários.

nota triste da semana

A nota triste da semana ficou por conta do assalto que minha cunhada sofreu ontem, na casa dela, a mão armada.
Muito triste todo o episódio, mas ao mesmo tempo uma sorte não ter ocorrido nada grave com ela, pois estava sozinha e teve o perigoso lampejo de querer reagir ao assalto.
Sorte que Deus é maior e colocou a mão sobre todos.
Inclusive sobre meu irmão, que quis dar uma de super-herói (atitude com que eu, sinceramente, não concordo).

nota feliz da semana

A nota feliz da semana ficou por conta do chamado que minha irmã Roberta recebeu para assumir uma vaga no SESI de Porto Ferreira. Essa vaga é referente ao Concurso Público que ela havia prestado em abril - e no qual ela foi aprovada em primeiro lugar.
Além do orgulho e da felicidade de ver minha irmã progredindo na vida profissional dela, fiquei particularmente feliz porque fui eu quem enviou pra ela o edital do concurso!
Também me senti vitoriosa por essa conquista!
Parabéns e muitas felicidades, irmã! Sucesso sempre, que você merece!!

dia nervoso

Hoje o dia está TENSO e NERVOSO no trabalho.
Deus, dai-me paciência e muita tranqüilidade para manter a linha até às 18h.

Reviravolta

A mesa da Câmara dos Deputados devolveu ontem a PEC 333 (número "meio besta" esse, não?) ao Senado. Isso quer dizer que ainda está indefinida a entrada dos "novos" 8 vereadores à Câmara em São Carlos a partir do próximo 01/01.
Imaginem como está o clima político em São Carlos.
Até anúncio de Secretariado foi suspenso.
Seguuura, peão.

18/12/2008

lyrics

Every Time You Go Away
(Paul Young)

Hey! If we can solve any problem
Then why do we lose so many tears
Oh, and so you go again
(...)
Always the same thing
Can't you see, we've got everything goin' on and on and on
Every time you go away you take a piece of me with you
Every time you go away you take a piece of me with you
Go on and go free, yeah
Maybe you're too close to see
I can feel your body move
(...)
I can't go on sayin' the same thing
Just can't you see, we've got everything do you even know
We
Know
Every time you go away you take a piece of me with you, oh
Every time you go away you take a piece of me with you
I can't go on sayin' the same thing
'Cause baby, can't you see, we've got everything goin' on
And
On and on
Every time you go away you take a piece of me with you
Every time you go away you take a piece of me with you

Tá pegando fogo!

É forte a efervescência política no cenário São-Carlense.
Além da "perrenga" (mais uma) entre o Deputado Federal da cidade e o Prefeito, o Senado aprovou ontem uma PEC que permitirá o aumento - já em 2009 - do número de vereadores em São Carlos - de 13 para 21.
Aliás, o tal entreveiro entre o Prefeito e o Deputado é muito engraçado de se ouvir. A troca de farpas entre os dois hoje de manhã na rádio foi hilária!
Quanto ao aumento no número de edis, voltarão velhas raposas e estrearão novos personagens. Com certeza será bem interessante acompanhar o desenrolar dessa história.
Some-se a tudo isso, para completar a efervescência, que está marcado para amanhã o anúncio do novo Secretariado Municipal.
Os nervos estão à flor da pele, para alguns.
Outros - meu caso - observam da platéia e se divertem com a movimentação.

17/12/2008

alquimia socialista

A alquimia socialista

É curioso: os banqueiros do mundo estão lendo Marx, tentando discernir o que aconteceu. As esquerdas estão relendo Keynes, tentando discernir o que fazer. As fórmulas químicas das revoluções dançaram. Agora é preciso estudar alquimia.

Flávio Aguiar

A notícia não podia ser pior para as direitas: segundo o Datafolha, o presidente Lula está com 70% de popularidade, e com uma avaliação mais positiva na área econômica do que na social...

E para as esquerdas?

Alguns setores, sobretudo aqueles mais à esquerda, a notícia também é uma catástrofe. O presidente Lula com certeza é o que mais galvaniza a população, desde os tempos idos de Juscelino e de Vargas.

O paradoxo que essa situação encerra é a de que, de certa forma, o presidente está cumprindo o "programa real" com que as esquerdas renasceram de suas próprias cinzas ao final dos anos da década de 1970.
Quem compôs "essas ou aquelas esquerdas" de então? Façamos o rol:

1) A base mais ampla foi a das lideranças das novas massas de trabalhadores, sobretudo metalúrgicos, bancários, uma vasta parcela de funcionários públicos que dinamizaram suas associações corporativas, que foram se transformando em entidades sindicais, mais outros setores dinâmicos do espaço urbano. Desses setores nasceu, além do partido de esquerda que então galvanizou os esforços, o PT, também a CUT.

2) Remanescentes dos grupos de esquerda da resistência à ditadura militar, armada ou não. Muitos saíam da prisão, outros voltavam do exílio, ainda outros emergiam do exílio interno a que a ditadura os condenara. Entre esses setores, na sua reorganização, desempenhou papel fundamental o espaço da imprensa alternativa, criado a partir do fim dos anos 60 e começo dos 70. Recordo aqui, apenas como um exemplo, o grande racha do Jornal Movimento, em abril de 1977. Muitos dos que saíram do jornal naquele momento acabaram comprometidos com o PT e a CUT; muitos dos que ficaram no jornal se comprometeram com a sustentação do futuro PMDB, pelo menos naquele momento.

3) Um setor acadêmico de expressão radical, muito crítico em relação às políticas trabalhistas de antanho e as linhas do Partido Comunista, que deu cobertura intelectual aos demais.

4) Grupos egressos ou ainda imersos nas comunidades eclesiais de base, e também da baixa hierarquia da Igreja Católica.

5) Lideranças dos trabalhadores rurais dos mais variados tipos: meeiros, bóias-frias, sem terra, pequenos proprietários endividados ou em risco de perder suas terras, enfim, um setor de trabalhadores que tradicionalmente não tivera ampla expressão política ou a tivera de modo precário.

É interessante observar que, embora se falasse muito em socialismo, nenhum desses setores, ao se tornar preponderante em administrações que essas esquerdas foram conquistando através do voto, defendeu, pregou ou implementou alguma política de caráter socialista. As resultantes dessas forças em jogo, no tabuleiro da política brasileira, sempre foram políticas de caráter social democrata avançado. Quem quiser saber o que entendo por política social democrata avançada, sugiro que leia, ao invés de algum manual, a entrevista que Thomas Mann deu a Erico Veríssimo em 1941, nos Estados Unidos, e que está em seu livro "Gato preto em campo de neve", da Cia. das Letras.

O socialismo sempre foi uma arma semântica interna, esgrimida nos debates e confrontos internos dessas esquerdas, ou nos seus confrontos externos, conforme elas foram se diversificando através das dissensões e dos rachas que se seguiram. Ao mesmo tempo deve-se considerar que:

1) Ao mesmo tempo em que essas esquerdas cresciam no Brasil e em outros países da América Latina, com resultados eleitorais cada vez maiores, crescentes e mais abrangentes, caía o Muro de Berlim, dissolvia-se a União Soviética, dos países do Leste Europeu emergiam nações e antigos nacionalismos xenófobos engolfados por um capitalismo mais selvagem do que o latino-americano, a China transformava-se na maior potência capitalista emergente e a África mergulhava num destino sombrio de devastação, guerras e ditaduras sinistras, sempre supervisionadas pelo Ocidente vitorioso, contrabalançado pela emergência da África do Sul. No Sudeste Asiático as experiências socialistas do Vietnã e do Camboja dissolveram-se num capitalismo de sobrevivência, para remediar as feridas que as guerras (vitoriosas) contra os Estados Unidos e a França tinham semeado.

2) A social democracia européia e seus congêneres socialistas capitulavam teórica e praticamente perante o Consenso de Washington, passando a defender as teses que fizeram o encanto do tucanato peefeélico durante o primeiro e o segundo reinado de Fernando Henrique Cardoso e o império da hegemonia neoliberal defendida pela mídia.

3) No Oriente Médio. Israel aprofundou seu rompimento com a ONU que o criara e também seu caráter de ponta de lança dos Estados Unidos na região, ainda que com idéias próprias, por vezes mais perigosas do que as do seu mentor. Também rompeu os últimos laços com qualquer idéia de socialismo democrático que os Kibutzin representavam. Os países árabes da região, na maioria, afundaram-se em suas contradições e disputas internas, continuaram-se ou se transformaram na maioria dos casos em ditaduras não-esclarecidas e foram incapazes de qualquer ação conjunta que promovesse o direito do povo palestino a um estado independente. Todas as iniciativas de paz na região, depois de um breve interregno de sucesso, sobretudo retórico, foram sabotadas, quer pela direita israelense, quer pelos movimentos palestinos mais sectários.

4) No mundo islâmico e árabe os movimentos nacionalistas ou de tintura socialista do pós-guerra soçobraram, pressionados pela enorme repressão interna ou externa que sofreram. O caso do Iraque é extremo, mas emblemático: Saddam Hussein, que surgira como um líder do partido Baath, de tendência socialista, chegou ao poder, instalou uma ditadura familiar férrea que depois se voltou contra a própria família, e fez-se uma verdadeira ponta de lança norte-americano contra o Irã. Julgando-se mal recompensado por seus serviços prestados ao ex-inimigo, invadiu o Kuwait e caiu em desgraça, acabando eliminado em meio a uma das maiores farsas já montadas no mundo, a de que teria armas de destruição em massa (se tivesse, fora a CIA quem lhas dera).

Em lugar dos movimentos nacionalistas de inspiração nasserista, ou como o de Ataturk, na Turquia, emergiram ditaduras ferozes ou movimentos islâmicos tão fundamentalistas em suas crenças num pensamento único quanto os movimentos dos adoradores do Supremo Mercado Todo Poderoso no Ocidente. Enquanto isso, nos estertores da Guerra Fria, a CIA patrocinava e estimulava movimentos e seitas como a dos Talebãs, no Afeganistão, e o de Osama Bin Laden, para se anteporem à União Soviética. Depois, os Estados Unidos e outros países, como a Grã-Bretanha e a Espanha, provaram do veneno que os serviços norte-americanos de inteligência amamentaram e deixaram de herança para o nosso século XXI.

5) A Igreja Católica passou de um papa minorita radical (João Paulo I), cuja morte até hoje é um dos mistérios dolorosos do rosário de enigmas do século XX, para um papa midiático, de direita, João Paulo II, que orquestrou com Ronald Reagan uma estratégia política que teve sucesso em colher os frutos da débâcle comunista, em conter a Teologia da Libertação, em desarticular as conexões internacionais e hierárquicas dos movimentos eclesiais de base (embora não os desarticulasse), e em emparedar vários dos movimentos de resistência na América Latina, como as Madres da Plaza de Mayo e os das vítimas da ditadura chilena.

6) Enfim, o cenário da esquerda mundial era o de devastação e desamparo, prático e teórico. Visto da América Latina, onde permaneceu de pé a única experiência que de fato continuou socialista (Cuba), como uma espécie de reserva ecológica, o mundo tornara-se uma cortina de descaminhos e impasses, enquanto bandas triunfais na mídia e em vários governos entoavam cânticos sacros destinados a enaltecer o fim dos "Estados Máximos" e também o da História. Nessa cantoria desatinada, naufragaram a Argentina, o México e suas economias.

Nesse quadro, o que se deve perguntar é pelo que fez com que esse quadro de desalento e desarvoração não devastasse por inteiro a América Latina. Certamente não foi "apenas" a qualidade ou a vontade de seus líderes, por demais contestadas pelos seus opositores de esquerda que vêem neles os traidores de seus princípios originais. O que quero sugerir com isso é que o primeiro caminho para as esquerdas sem manterem à esquerda, é tentar entender o que aconteceu nestas terras. Certamente foi algo que não estava previsto nos esquemas de pensamento tradicionais no mundo à esquerda. Até mesmo porque muitos dos movimentos radicais do fim do século XX e do começo do XXI na região vieram de setores sociais que eram conspìcuamente apontados como inimigos do proletariado e da revolução: desempregados, sem teto, sem terra, índios que compunham uma espécie de lumpesinato andino, e assim por diante.

Outra coisa a analisar é a natureza desses movimentos sociais e políticos que até agora têm tido sucesso em construir alternativas – as únicas em escala continental hoje no mundo – à práxis da hegemonia neoliberal. São várias essas alternativas, são variegadas as tipologias e as "topografias" políticas desses movimentos, mas elas e eles têm algo em comum.

Apontam para uma "revolução republicana" em escala continental, uma vez que as repúblicas instauradas no continente, na esmagadora maioria, foram repúblicas oligárquicas. Prova disso é que a maioria esmagadora dos movimentos políticos inclusivos ou re-distribuidores do poder político foram, até pouco tempo, conduzidos por líderes carismáticos, caudilhescos, autoritários, mais ilustrados, ou menos. A lista é impressionante: Perón, Vargas, Lázaro Cárdenas, Vargas de novo. O liberalismo, nas Américas Latinas, foi um dos menos liberais do mundo, sem falar que a maioria dos nossos liberais corriam para dentro do primeiro tanque que passava quando sentiam seus privilégios ameaçados.

Agora, no alvorecer do século XXI, o que se tenta, contra toda a história tradicional do continente, é construir desenvolvimento e transferência de renda com democracia. O que possibilitou isso? Em que os movimentos do fim do século XX diferiram dos outros anteriores?

Uma sugestão interessante é a de verificar se mudou o caráter, na prática, dos projetos de modernização do continente, se aqui estão, quem sabe, se construindo a trancos e barrancos modelos não de todos previstas nas plantas originais. Um dos estudos mais interessantes nessa direção é o de Sérgio Buarque em Raízes do Brasil, setenta e tantos anos atrás. Ao mesmo tempo em que critica o tradicional patrimonialismo da vida pública brasileira, mostra que as então "modernidades dos outros" (a capitalista, a comunista e a nazi-fascista) não nos servem. Estamos condenados a pensar e achar a nossa própria via. Será que é algo parecido com isso que está acontecendo agora? Teríamos de rever até mesmo a situação descrita por Sérgio Buarque, conforme interessante hipótese levantada por Walnice Nogueira Galvão em seminário sobre Guimarães Rosa, em Berlim, na semana passada. O Brasil "era" o país da modernidade emperrada. Agora, seja o que ela for, essa modernidade se desemperrou, e ela não estava prevista tanto nos manuais do Consenso de Washington quanto nos tradicionais da esquerda. Por isso o sucesso de Lula deixa todos perplexos: é como o cascudo, que não pode voar, mas contra a gramática da física, avoa.

De qualquer modo, esses últimos sucessos deixaram os esquemas teóricos da esquerda – os econômicos inclusive – desarmados. Claro, gritar contra a taxa de juros do Banco Central faz bem. Mas não é suficiente. O que fazer, não apenas tática, mas estrategicamente?

Assim como a hegemonia neo-liberal dos anos 80 – 90 levou, no Brasil, as esquerdas à defesa empedernida das conquistas dos trabalhadores na CLT que antes tanto malharam, considerando-a equivocadamente de inspiração fascista, agora a crise financeira tem levado essas mesmas esquerdas ao elogio de Roosevelt, do necessário novo New Deal e de um novo acordo de Bretton Woods, tudo isso garantido pelos Estados que antes queríamos destruir. É curioso: os banqueiros do mundo estão lendo Marx, tentando discernir o que aconteceu. As esquerdas estão relendo Keynes, tentando discernir o que fazer.

É claro que esses impasses em que nos encontramos sugerem a necessidade urgente de administrá-los, e isso é imperioso tanto para o governante de plantão quanto para o partido à esquerda que quer ganhar manter ou ganhar votos e postos nas próximas eleições. Mas duas outras tarefas urgentes estão no horizonte: é preciso pensar e repensar o que significa hoje o socialismo não como alternativa do passado (que, apesar de tudo, é no que se continua pensando), mas como alternativa de futuro.

Isto é, é necessário pensar o que essas alternativas desenhadas contra tudo e contra todos na América Latina trazem de novo, de imprevisto, de não codificado nos esquemas anteriores, sejam os da reforma social-democrata ou os da revolução apocalíptica. Talvez até um novo conceito de revolução esteja sendo construído. O nosso era e é ainda herdeiro do assalto ao Palácio de Inverno (hoje, significativamente, um grande Museu da humanidade), daquele ponto zero que tudo redime e tudo reinicia. Parece que hoje as coisas não se passam mais bem assim. Então como se passam? Passam-se com quem, ou, afrontando mais uma vez a gramática política, com quens? Quens são hoje, e comos e por quês, os agentes da transformação que está em curso?

Por que as fórmulas químicas das revoluções dançaram. Agora é preciso estudar alquimia.

15/12/2008

medida provisória

Queria que o Governo editasse uma Medida Provisória proibindo a existência de sábado e domingo.
Pelo menos até que parasse de doer.

13/12/2008

dor

E de repente toca uma música...
E eu sinto uma dor tão forte e latente, um aperto no meu peito...
E aquela força toda que eu estava me esforçando pra acreditar que eu tenho (e que muitas vezes outras pessoas me disseram que me admiram porque acham que eu a tenho), de repente ela parece deixar de existir... Parece que eu só tenho força pro meu peito doer com mais força...
E a música que ouvi, por mero acidente, passa a ficar pra sempre encravada na trilha sonora da minha tristeza.
Tristeza sem fim.

Música
(Liminha / Vanessa da Mata)

Nosso sonho
Se perdeu no fio da vida
E eu vou embora
Sem mais feridas
Sem despedidas
Eu quero ver o mar

Se voltar desejos
Ou se eles foram mesmo
Lembre da nossa música
Música
Se lembrar dos tempos
Dos nossos momentos
Lembre da nossa música
Música

Nosso mais belo plano
Desperdiçado
Nossos beijos de outrora
Foram guardados
Nossas juras de amor
Já desbotadas
Nossa graça e vontade
Derretem na chuva

Se voltar desejos
Ou se eles foram mesmo
Lembre da nossa música
Música
Se lembrar dos tempos
Dos nossos momentos
Lembre da nossa música
Música

Um costume de nós
Fica agarrado
As lembranças, os cheiros
Dilacerados
Nossa bela história
Está no passado
O amor que me tinhas
Era pouco e se acabou


Prometi a mim mesma que dessa vez só pediria a Deus que me desse serenidade e resistência para ACEITAR o que Ele reservou pra mim. Mas não posso, não consigo... Simplesmente não consigo não pedir a Deus que essa situação se reverta. Talvez seja egoísmo, infantilidade de minha parte, ou reflexo da tristeza que sinto agora... Mas simplesmente não consigo sufocar dentro de mim esse sentimento. Por tudo que é mais sagrado, meu coração não aceita pagar um preço tão alto por querer tanto ser e fazer alguém feliz.

12/12/2008

crise

Um ponto de vista bastante interessante!













E uma amiga minha complementou:
SE PENSAR POSITIVO, ATRAIRÁ BOAS NOTÍCIAS
SE PENSAR NEGATIVO, TERÁ PÉSSIMAS NOTÍCIAS...
ESTE É O SEGREDO: "TUDO É ESPELHO DO NOSSO SENTIMENTO!"

11/12/2008

Papai Noel existe?

Foi no natal de 1897 - que Virgínia O’Hanlon Douglas, uma garotinha de 8 anos, filha de um médico de Nova York escreveu para o jornal The Sun perguntando se Papai Noel existia.
O jornal publicou sua carta e a resposta do editorialista Francis Church, foi um sucesso tão grande que o The Sun reproduziu-as durante os anos seguintes, na época do Natal, até o seu último número em 1949. O fato se tornou tão famoso na imprensa mundial, virou livro com recorde de venda nos Estados Unidos.


Editorial do The Sun, 1897

É com enorme prazer que respondemos à carta abaixo, aproveitando para expressar nossa enorme gratidão em reconhecer sua autora como fiel amiga do The Sun.

Prezado Editor : Tenho 8 anos, alguns dos meus amiguinhos dizem que não existe Papai Noel. Meu pai costuma falar: “Se estiver no The Sun, então será verdade.” Por favor, me diga a verdade, Papai Noel existe?

Virgínia O’Hanlon



Virgínia, seus amiguinhos estão errados.

Provavelmente foram afetados pela descrença de uma época em que as pessoas acreditam em poucas coisas. Só acreditam naquilo que vêem. Eles acham que o que não compreendem com suas cabecinhas não pode existir.

Todas as mentes, Virgínia, sejam dos adultos ou as das crianças, são limitadas.

Nesse nosso grande universo, o homem é um mero inseto, uma formiguinha, quando seu intelecto é comparado com o infinito que o cerca ou quando medido pela inteligência capaz de entender toda a verdade e conhecimento.

Sim, Virgínia, Papai Noel existe.

Isso é tão certo quanto a existência do amor, da generosidade e da devoção, e você sabe que tudo isso existe em abundância trazendo mais beleza e alegria à nossa vida.

Ah! como seria triste o mundo sem Papai Noel!

Seria tão triste quanto não existir Virgínias. Não haveria então a fé das crianças, a poesia e a fantasia para fazer a nossa existência suportável.

Não teríamos alegria nem prazer a não ser com os nossos sentidos: seria preciso ver e tocar para poder sonhar.

A transparente luz das crianças, com a qual inundam o mundo, seria apagada.

Não acreditar em Papai Noel!… É o mesmo que não acreditar em fadas!

Você poderá pedir ao seu pai para contratar muitos homens para vigiar todas as chaminés na véspera de Natal e assim pegar Papai Noel; mas, mesmo que você não o visse descendo por elas, o que isso provaria?

Ninguém vê Papai Noel, mas não há sinais de que ele não existe.

Você por acaso já viu fadas dançando no jardim?

Claro que não, mas não há provas de que elas não estejam por lá.

Ninguém pode conceber ou imaginar todas as maravilhas do mundo que nunca foram vistas e que nunca poderão ser admiradas.

As coisas mais reais do mundo são aquelas que nem as crianças nem os adultos podem ver. Se quebrarmos o chocalho de um bebezinho, poderemos ver o que faz aquele barulho lá dentro, mas existe um véu cobrindo o mundo invisível, que nem o homem mais forte, nem mesmo toda a força de todos os homens mais fortes do mundo reunida poderia rasgar.

Somente a fé, a poesia, o amor e a fantasia podem abrir essa cortina e desvendar a beleza e a glória celestiais que existem por trás dela.

Será que tudo isso é real?

Ah, Virgínia, em todo este mundo não existe nada mais real e duradouro.

Se Papai Noel existe?

Graças a Deus ele vive e viverá para sempre.

Daqui a mil anos, Virgínia, e ainda daqui a dez mil anos ou dez vezes esse número ele continuará a fazer feliz o coração das crianças.

Fernando Pessoa

Refleti muito sobre minha necessidade de me preservar mais, deixar de me jogar de cabeça em tudo que faço - porque cair de cabeça machuca mesmo, e quanto mais alto, tanto maior o tombo.
E eis que me chega um cartão com o seguinte trecho do Ricardo Reis:

"Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive".
(Ricardo Reis)

Será que é Deus, me respondendo?
Acho que vou continuar sendo assim: só emoção, paixão em tudo que faço.
Afinal de contas, essa é minha essência.
Nem que eu tenha que ser só, pra ser inteira.

dormir, dormir, dormir...

10/12/2008

Nenhuma cor.
Breu total.

Hoje

HOJE

Sair de mim para buscar outro caminho

e me encontrar

Soltar o leme do barco e deixá-lo seguir à deriva

só pra variar.


(Cleidinis Timoteo)

nada vai mudar isso

Nada vai mudar isso
(Paulinho Moska)

O meu amor partiu
Cansou dos meus vícios
E mesmo que amanhã ele volte com outro feitiço
Hoje meu amor partiu e nada vai
Nada vai mudar isso

Nada vai mudar minha cama grudada em mim
Nem meu rosto inchado de mágoa
O sol se escondeu lá fora
Atrás de uma nuvem de água

Nas paredes nossa história
E no teto a minha tela de cinema
E nela eu ainda vejo o nosso esgrima de línguas
Nossos raios, nossa antena

O meu amor se expulsou de mim
Cansou dos meus vícios
Eu sei que amanhã ele volta com outro feitiço
Mas hoje o meu amor partiu e nada vai
Nada vai mudar isso

adjetivos

sozinha
rejeitada
triste
fracassada
dolorida

frustração

Ontem estava tão animada com a eleição do sindicato... Fui toda eufórica ao ginásio pra votar, carteirinha funcional em punho, no maior calorão que estava no meio de tarde.
E eis que cheguei lá e fiquei com a maior cara de "ué": descobri que não podia votar porque ainda não faz três meses que sou sindicalizada.
Que droga!
Minha chapa preferida perdeu um voto!
Vai ter que ficar pra próxima.

09/12/2008

como uma luva


Sempre Não é Todo Dia
(Oswaldo Montenegro/Mongol)

Eu hoje acordei tão só
Mais só do que eu merecia
Olhei pro meu espelho e "rá!"
Gritei o que eu mais queria
Na fresta da minha janela
Raiou, vazou a luz do dia
Entrou sem me pedir licença
Querendo me servir de guia
E eu que já sabia tudo
Das rotas da Astrologia
Dancei, e a cabeça tonta
O meu reinado não previa
Olhei pro meu espelho e "rá!"
Meu grito não me convencia
Princesa eu sei que sou pra sempre
Mas sempre não é todo dia
Botei o meu nariz a postos
Pro faro e pro que vicia
Senti teu cheiro na semente
Que a manhã me oferecia
Olhei pro meu espelho e "rá!"
Meu grito não me convencia
Princesa eu sei que sou pra sempre
Mas sempre não é todo dia
Eu hoje acordei tão só
Mais só do que eu merecia
E eu acho que será pra sempre
Mas sempre não é todo dia

08/12/2008

pequenos gestos, grandes efeitos

De todos os momentos maravilhosos de meu final de semana perfeito, o que mais me emocionou foi o abraço gostoso e as palavras carinhosas que ganhei do meu amor no sábado à tarde, lá na pista de aeromodelismo.
Uma sensação indescritível. Sublime.
São esses pequenos gestos de delicadeza da pessoa que a gente ama que ficam gravados na nossa alma. Pra sempre.

O doce sabor da crise

Tricolor Hexacampeão Brasileiro


E viva o nosso querido TRICOLOR!!!

05/12/2008

Deglutindo a falsidade

Já aconteceu há alguns dias, mas eu estava digerindo a decepção (indignação) antes de tecer qualquer comentário.
Detesto gente falsa. Abomino. Acho que a falsidade é a pior forma de falta de respeito ao próximo que existe.
A pior faceta da falsidade é que o falso subestima a inteligência do outro.
Acredito (e respeito) o sagrado direito do Livre Arbítrio, pelo qual a pessoa decide se quer ou não relacionar-se com outras, se quer ou não cultivar amizades, se quer ou não estabelecer laços de afeto. Seguindo o mesmo raciocínio, cada um decide se quer ou não atender ao telefone quando um amigo liga - mesmo porque são respeitáveis as situações em que se está fazendo outra coisa: ninguém é obrigado a estar disponível quando alguém liga, isso é plenamente compreensível na rotina que temos hoje.
Mas o que dói são situações como a que me ocorreu. Após essa tentativa de contato, estar ao lado de uma terceira pessoa quando aquela com quem se tentou falar liga (para a terceira) - horas depois de sua tentativa de estabelecer o primeiro contato. Até aí, tudo bem. Só que, 2 dias depois de minha (tentativa de) ligação, recebi uma cínica mensagem desse remetente, dizendo que passara 2 dias fora de casa e por isso "só viu minha mensagem tarde da noite, ficando sem jeito de ligar etc". Em casos assim, você percebe nitidamente que a pessoa não quis falar com você - tudo bem, direito dela - mas o que ofende é a desculpa esfarrapada. A mentira que, antes de ser contada, pela sua simples presença ao lado de quem recebeu a outra ligação, já estava desmascarada. A troco de quê a desculpa esfarrapada? Se tivesse ficado em silêncio - simplesmente sem responder à minha ligação - eu teria respeitado e em hipótese nenhuma acharia ruim por não termos nos falado. Mas a mentira é o que magoa. Subestimar a minha inteligência - e os meus sentimentos - é o que magoa.
Mas é bom que eu passe por esse tipo de situação.
É bom porque, muitas vezes, essa minha ingenuidade de confiar e acreditar cegamente em pessoas que mal conheço (a bem da verdade), essa mania que tenho de achar que todo mundo é bonzinho, sincero e amigo... Essas minhas manias me irritam profundamente. Porque, no final das contas, a magoada sempre sou eu. Os falsos deitam suas cabeças em seus travesseiros e dormem o mais plácido dos sonos.

momento de reflexão

De uma mensagem que recebi hoje por email:

As circunstâncias ou as pessoas podem nos tirar as nossas posses materiais, podem levar o nosso dinheiro, e podem levar a nossa saúde. Mas ninguém pode nos tirar as posses mais valiosas: NOSSAS LEMBRANÇAS! Então não esqueça de tirar tempo e de ter uma chance para se encher de lembranças a cada dia. Um amigo me enviou isto para me fazer lembrar do seguinte: “Cada lembrança é um tijolo que constrói a minha vida”.

01/12/2008

Dezembro chegou!

Dezembro chegou!!
E, com ele, inicia-se aquele famoso período de reflexão de final de ano. Começa o período de "Balanço".
Hoje, ao chegar ao trabalho, abri no email uma mensagem linda da minha amiga Andréia - certamente uma das gratas surpresas que 2008 me trouxe: uma nova amiga (e das boas).
Dessa mensagem separei apenas uma parte, que resolvi deixar aqui para fomentar esse período de "balanço" que ora se inicia:

"O futuro esplêndido que lhe aguarda se materializará à medida em que esquecer o passado e superar os obstáculos. Não se pode seguir adiante sem antes aprender-se com os erros pregressos e livrar-se da amargura que permeia o coração".


Dezembro chegou.
Que venha o futuro!
E que fique pra trás a amargura que o mundo às vezes teima em nos imprimir.

28/11/2008

Ela tinha razão


Ontem fui com a Má ao teatro do SESC ver a peça "Calendário da Pedra", da Denise Stoklos.
Um programa totalmente improvisado, para mim: na verdade a Má iria ver a peça com o Xandinho, já tinham até comprado as entradas, mas devido a uma daquelas convocações político-partidárias do Xandinho ele não poderia mais ir. Daí a Má me convidou, pra aproveitarmos a entrada dele, e eu fui, claro!
A peça foi fantástica. No início ela anunciou que nós identificaríamos muitos de nossos amigos e de nós mesmos na personagem. E ela tinha razão. A Má e eu nos divertimos muito com isso. E saímos de lá felizes por termos tido essa experiência. E principalmente felizes por termos compartilhado essa experiência.


"Neste ano vi um cachorro morrer e tudo continuou igual no mundo.

Me perguntei diversas vezes quando morrerei, e continuo não sabendo.

Me descobri descombinada.

Achei que devia me engajar em movimentos.

Mergulhei nos meus movimentos.

Consegui jogar alguns excessos fora.

Envelheci um ano.

Ligeiramente me transformei.

Perdi alguns dias da minha vida hibernando, dias que não voltarão.

Tive insônia.

Tive sonhos.

Tive delírios.

Fiquei doente.

Me cuidei.

Sarei.

Tive saudade.

Nasceu gente.

Nasceu cachorro.

Estudei.

Divaguei.

Briguei.

Pedi desculpa.

DESCOBRI O CHAMADO!

ATENDER AO CHAMADO, O CAMINHO, QUE É O QUE SE PERCORRE TORTUOSAMENTE PARA CHEGAR AO DESTINO FINAL, SEMPRE EM MUTAÇÃO, MAS MARCADO. Primeiro de Janeiro: Acordei e... "

Cala a boca, FHC!

Bom, acho que dispensa qualquer comentário de minha parte...


Cala a boca, FHC!
por Emir Sader

Quem disse: " A globalização é o novo Renascimento da humanidade."

Quem disse: "Quem acabou com a inflação, vai acabar com o desemprego."

Quem disse: "Esqueçam o que eu escrevi."

Quem disse: "Vou virar a página do getulismo."

Quem disse, no último comício de Alckmin, no segundo turno, com a camisa fora da calça, desesperado: "Lula, você acabou, você morreu."

Quem disse: "O Estado brasileiro gasta muito e gasta mal" e entregou o Estado com a dívida pública 11 vezes maior.

Quem disse: "Eu tenho um pé na cozinha" e depois de terminado o mandato, cinicamente acrescentou: "na cozinha francesa".

Quem quebrou a economia brasileira três vezes e na última, em 1999, subiu a taxa de juros para 49%?

Quem reprimiu e tentou criminalizar os movimentos sociais?

Quem fez a Petrobras mudar de nome para Petrobrax, para tentar privatizá-la. Quem vendeu 1/3 das ações da Petrobras nas bolsas de valores de Nova York e de São Paulo? Quem quebrou o monopólio estatal do petróleo no Brasil?

Quem comprou votos de parlamentares para mudar a Constituição e conseguir um segundo mandato?

Quem aumentou como nunca o trabalho precário no Brasil?

Quem entregou o patrimônio público a preço de banana aos grandes capitais privados nacionais e internacionais, depois de sanear empresas públicas com dinheiro do BNDES e financiar essa transferência com juros subsidiados, no maior caso de corrupção da história brasileira.

Quem disse que os trabalhadores brasileiros são preguiçosos?

Quem disse que o Brasil tem vários milhões de pessoas "inimpregáveis"?

Quem sumiu o Brasil na longa recessão a partir de 1999, que só foi superada no governo Lula?

Quem quase liquidou o Mercosul com suas idéias de livre comércio e de prioridade de comércio com os países do norte?

Quem promoveu a mais ampla privatização da educação no Brasil?

Quem fracassou e teve seu governo largamente rejeitado quando seu candidato foi derrotado em 2002?

Quem não conseguiu nem que o candidato do seu partido defendesse seu governo nas eleições de 2006?

Quem é o político atualmente mais rejeitado pelo povo brasileiro, como tendo sido o presidente dos ricos?

Quem tinha o apoio de 18% dos brasileiros a esta altura do mandato, quando Lula tem 80% de apoio e 8% de rejeição.

Quem disse e fez tudo isso, FHC, deve calar a boca para sempre. O povo o rejeitou, o Brasil o rejeitou, democraticamente.

CALA A BOCA, FHC!

27/11/2008

4 ml

Na última terça (25) fui muito feliz participar da campanha de doação de medula óssea, na UFSCar.
Eu já tinha tentado participar das últimas duas grandes campanhas como essa que aconteceram em São Carlos, mas nunca deu certo - uma vez por excesso de doadores, que esgotaram os kits para retirada das amostras; outra vez devido aos atropelos e correria da vida profissional que por vezes nos impedem de fazermos coisas que queremos muito.
Acho que todos deveriam entrar para o Banco Nacional de Medula. Durante o tempo que fiquei na fila esperando minha vez de retirar os - apenas! - 4ml de sangue da análise preliminar, um telão exibia depoimentos de pessoas que tiveram suas vidas salvas pelos transplantes.
Fiquei me sentindo a pessoa mais importante do mundo por ter ido lá espontaneamente doar, mesmo sem conhecer pessoalmente ninguém que está na fila para receber uma doação.
E hoje li a notícia do sucesso que foi a campanha (abaixo).
Me senti mais gratificada ainda.



Departamento de Computação agradece a participação em Campanha de Doação de Medula ÓsseaO Departamento de Computação da UFSCar agradece a comunidade universitária pelo envolvimento na Campanha de Doação de Medula Óssea realizada ontem, dia 25/11, no Ginásio da Universidade. Até as 21 horas, foram coletadas 1.315 amostras de sangue, número que superou as expectativas dos organizadores. As informações sobre o material coletado, após análise, serão inseridas no Registro Nacional de Doadores de Medula (Redome), coordenado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA). Caso haja compatibilidade comprovada com algum paciente que aguarda um transplante de medula, o possível doador é comunicado para que se decida sobre o procedimento.
Fonte: [InfoRede] - Noticias UFSCar 26/11/2008

09/11/2008

Amor, respeito e liberdade

Recebi o texto abaixo da minha grande e querida amiga Isa Scarabelli. Ela fica um tempão sem escrever - e eu também custo a escrever pra ela... - mas tenho certeza de que nossa amizade e nosso respeito de uma pela outra continuam intocados.
Um texto lindo pra ler, guardar, refletir e exercitar. E pra reler sempre que der vontade.

Amor... Respeito... Liberdade!
Autor: Kali Mascarenhas
Aquilo que existe em mim e faz parte de mim pode ser transformado (se eu quiser).
Aquilo que é do outro só pode ser transformado por ele e será compreendido e aceito por mim dentro dos meus limites (se existir respeito).
Posso falar ao outro como me sinto em relação ao que ele faz ou diz (se houver liberdade).
Não posso afirmar: “Aquilo que o outro fez ou disse me feriu...”
Eu é que me feri com AQUILO que ele fez ou disse...
Tenho opções.
Eu sou dono das minhas emoções, sensações e sentimentos. Também sou dono das minhas atitudes, pensamentos e palavras!
Não é coerente dizer que fiz algo para alguém só porque alguém fez isso comigo primeiro...
Se eu agisse assim, seria apenas resposta e eco... Sem vida!
É mais valioso optar por agir ao invés de apenas reagir.
É mais sensato perceber que sou dono das minhas ações. E, se faço algo, sou o responsável por isso... Tenho escolhas.
Reconheço que as rédeas do meu destino estão em minhas mãos e me recuso a segurar as rédeas do destino do outro... É meu direito!
Busco o AMOR em sua mais bela expressão. Por isso abro mão de querer ter o controle sobre a vida do outro.
Amém.
Quero amar com liberdade!
Quero amar com plenitude!
Quero amar, antes de tudo, porque é bom...
AMAR com RESPEITO e LIBERDADE!

desilusão garantida

E de repente o mundo inteiro só fala e só respira Barack Obama.
No Brasil deu até pena ver que algumas pessoas comemoravam mais a vitória do Obama do que a vitória de seus candidatos nas eleições municipais recém realizadas. Acho que tem gente que nem lembra mais em quem votou pra vereador nesta eleição! Mas, se pudessem, teriam votado no Obama pra presidente do mundo, com certeza! Esse santo homem! O salvador de todo o universo!
Pipocam em todos os meios de comunicação comentários e afirmações sobre ele. Diariamente. O tempo todo. No mundo todo!
"O dia em que a América mudou"
"Obama será aliado da América Latina, diz conselheiro de Chávez"
"Irã critica posição de Obama sobre programa nuclear"
E por aí vai...
Gente, pelo amor de Deus. Será que dá pra acordar?
Ninguém ainda percebeu que, por pior que fosse o Bush, o Obama não vai promover nenhuma reviravolta nos EUA e - principalmente - na relação dos EUA com o mundo? Ninguém desconfiou que o governo dele não será em muito diferente do governo Clinton, por exemplo? Acho interessante - e até cômica - essa tendência que as pessoas têm de ficar procurando salvadores da pátria (nesse caso "salvadores do mundo") o tempo inteiro.
Parece que tem gente que gosta de programar decepções. Nesse caso o prazo de execução da decepção é 1 mês depois da posse do Obama. Hello, mundo!! Pode ser que ele seja um PUTA PRESIDENTE pros EUA, mas não esperem que ele venha ao sul pobre com uma capa de super-herói distribuindo dólares pra resolver nossas mazelas!
Acorda, meu povo! Acorda pra vida!
Vamos cada um fazer sua parte e parar de perder tempo com essas bobagens.
E tenho dito!

06/11/2008

eu travo e destravo

É impressionante como eu "travo" e "destravo"...
Fico dias sem ter o que escrever no blog. Não que nada aconteça: todo dia acontece um monte de coisas que mereça algum comentário. Mas acontece que tem dias - a grande maioria dos dias, aliás - que eu simplesmente não consigo e nem tenho vontade de escrever.
Em outros dias - de freqüência muito mais rara, infelizmente - parece que baixa uma fluência nas pontas dos dedos e aí dá vontade de ir escrevendo sobre tudo...
Acho que entre ontem e hoje eu teria escrito umas 50 postagens se eu tivesse tido oportunidade, sobre os mais variados assuntos. Até sobre a vitória do Barack Obama, eu acho.
E também acho que esse tipo de coisa que acontece comigo simplesmente não tem explicação. Se alguém me perguntasse "por que?" eu parafrasearia o Chicó (do Alto da Compadecida): "Não sei! Só Sei que foi assim!".
E, para concluir o post, parafraseio a minha querida amiga Tetê:
"Que coisa, não!?"

visitas ilustres

Gente, hoje recebi nada menos que cinco visitas ilustres no meu trabalho. Pessoas amigas que levo em meu coração. Rosoé, Gabi, Alexandre, Elisete e Arthur.
Diferentes motivos fizeram com que eles fossem hoje à UFSCar. Mas sem dúvida o fato de terem aproveitado para me procurar no meu cantinho, tomar um cafezinho comigo, me dar um abraço e trocar umas palavrinhas... sem dúvida isso me deixou muito feliz.
Levamos uma vida muito corrida em que muito se tem a fazer - e o tempo não dá!
Quando um amigo meu desvia um passo do seu caminho pra encostar no meu, me sinto a pessoa mais sortuda e considerada desse mundo!
E todas as coisas chatas do dia-a-dia perdem completamente a importância.

de longe para ainda mais longe

Ontem de manhã, no trabalho, com o MSN ligado, falei com meu grande e querido amigo Eduardo Castro. Conversa rápida e truncada: os dois trabalhando e sem muito tempo pra conversas paralelas.
Pois não é que esse meu amigo, companheiro de longas e profundas conversas bilíngües numa fase deliciosa de nossas vidas, está indo de longe para ainda mais longe?
Se já era difícil nos vermos com ele trabalhando e morando em Porto Alegre, imagine agora que ele irá - de mala, cuia e patroa - para Santiago (Chile).
É aquele tal de sentimento ambíguo: felicidade por ver a carreira de um amigo cada vez alcançar patamares mais altos. Tristeza por sentir que os vôos dos que nos são queridos os afastam de nós...
Mas acho que o Du vai se dar muito bem. E acho também que esse é o perfil dele.
Só sinto que desde nosso último encontro - se não me engano foi em 2006 - não tenhamos dado conta de que ele conhecesse o Wanderley e nem eu a Flora.
Mas acho que a vida já nos deu provas de que, por mais que nossos rumos sejam diferentes, sempre estaremos em contato. E tenho certeza de que nos encontraremos por essa vida a fora.
Boa sorte, Du.
Que Deus te ilumine e acompanhe em sua caminhada de sucesso.

quem sabe isso quer dizer amor...

Hoje estava saindo para o trabalho enquanto pensava em tantas coisas... O tanto de coisas que tenho a fazer (e também aquelas que não TENHO mas que QUERO fazer. Como o tempo tem encolhido. As conquistas que aos poucos vou obtendo e os muitos planos que surgem - e os que vão ficando pelo caminho...
E de repente pensei em como a minha relação com meu amor me deixa muito serena e em paz. Acho que mudei muito nesse tempo em que estamos juntos. Ele me ensina muito, diariamente. Me faz enxergar muitas coisas que antes não enxergava. Aponta em mim qualidades e defeitos meus que eu nem sabia que tinha - e que fazem tanta diferença agora que os enxergo... Realmente ele me faz muito bem, me transmite paz e segurança... Me dá muito carinho e tem paciência comigo... E afinal de contas, o que mais se pode querer de um amor além disso?
Daí também pensei que às vezes me acho muito "pegajosa" e que, ao mesmo tempo em que tenho vontade de ficar "grudada" nele como um carrapatão, ao mesmo tempo em que gostaria de dizer a ele todo o tempo o quanto ele é importante e o quanto quero dedicar minha vida a (tentar)fazê-lo feliz, a esse mesmo tempo eu preciso achar uma maneira de não sufocá-lo. Afinal de contas, ninguém merece uma pessoa pegajosa, não é mesmo?
Eu me acho muito imatura sentimentalmente. Às vezes me pego pensando como é irônica essa vida: desde que me entendo por gente meus amigos sempre me procuram pra desabafar quando têm algum problema sentimental. Eles me dizem que sou ótima conselheira - e, se não conselheira, ao menos ouvinte. No entanto quando se trata dos meus próprios sentimentos é muito mais difícil lidar com a situação. E isso sempre me perturba. Me dá uma sensação ruim, de incompetência e de imaturidade sentimental.
Mas, enfim... Não era esse o intuito do meu post quando comecei a escrever.
Voltando à vaca fria.
Hoje de manhã eu estava pensando em tudo isso ao mesmo tempo - e em mais um monte de coisas - quando de repente tocou o meu telefone celular. E quem era? O meu amorzão!!! Pensei comigo: "transmissão de pensamento", pois estava morrendo de vontade de ligar pra ele, só pra ouvir a voz dele e desejar bom dia. Como fazíamos no início do nosso namoro - e como seria bom se o início do namoro durasse pra sempre...
E não é que ele me ligou pra dizer que estava passando por São Carlos, a caminho de Ribeirão Preto? Conversando 2 minutinhos descobrimos que nos cruzaríamos pelo mesmo caminho. Foi o suficiente para que nos encontrássemos, assim, por menos de 5 minutos, ele em pé na rua, eu no carro atrasada pro trabalho.
Mas, enfim, o que eu quero sempre guardar comigo é o bem que esse encontro me fez. Indescritível o sentimento gostoso de ganhar aquele beijinho quente e ouvir aquele "bom trabalho, amo você!". Pode até parecer piegas. Coisa de adolescente apaixonada. O que quer que seja...
Mas o fato é que esse encontro mudou meu dia.
Encheu meu dia de calor e de alegria.
E isso só pode ser uma coisa: um presente imenso que Deus me deu.
Obrigada! Do fundo do meu coração!
Minha vida vale muito a pena!

31/10/2008

Decepção

Decepção. [Do lat. deceptione] S. f. 1. Malogro de uma esperamça; desilusão, desengano, desapontamento. 2. Surpresa desagradável; desapontamento. 3. Contrariedade, desgosto.

Do dicionário Aurélio

29/10/2008

Um ano e meio depois...

Um ano e seis meses já se passaram...
E eu posso dizer que cada vez amo mais você...
A cada pouquinho que te conheço mais, tenho a certeza de que quero ficar juntinho de você por muito e muito tempo.
Agradeço muito a Deus por ter você comigo e peço sempre a Ele que abençoe nosso amor, nos acalme e ilumine nos momentos difíceis, nos proteja nos momentos de perigo, nos acompanhe nos momentos de felicidade.
Você é a luz da minha vida.
Te amo, amorzão meu!

25/10/2008

Encontros e Despedidas

Enquanto a gente tá chegando (a Andréia e eu), as Profas. Teíta e Nancy estão se despedindo da Reitoria...



"E assim chegar e partir
São só dois lados da mesma viagem
A hora do encontro é também despedida"
(Nascimento / Brant)

20/10/2008

declaração de amor

Só pra constar:

O final de semana foi M A R A V I L H O S O.

O meu amor me faz muito feliz. Nas pequenas coisas mais banais do dia-a-dia.

O tempo

'O tempo é muito lento para os que esperam.
muito rápido para os que têm medo,
muito longo para os que lamentam,
muito curto para os que festejam.
Mas, para os que amam, o tempo é eternidade.'
(William Shakespeare)

15/10/2008

15 de Outubro: Dia do Professor

"The teacher, if indeed wise, does not bid you enter the house of their wisdom, but leads you to the threshold of yor own mind"

(Khalil Gibran)

Parabéns a todos os meus queridos amigos professores! Mestres que ensinam não somente qdo estão na sala de aula, mas no convívio diário!

14/10/2008

Descobrindo a pólvora

Gente, hoje senti meu lado loira aflorando.
Fiz uma descoberta que talvez a humanidade toda já soubesse - menos eu!
Descobri porque os tucanos não conseguem ganhar a eleição em São Carlos.
Porque eles colocam gente ignorante e tapada nas funções onde não pode existir gente desse tipo.
Explico.
Devido às minhas novas atribuições, fui obrigada a procurar os endereços dos novos vereadores eleitos, para mandar o convite da posse da nova Equipe gestora da UFSCar.
Pois bem, ao ligar no Diretório Municipal do PSDB, qual não foi minha surpresa ao perceber que - por DUAS vezes - logo que me identifiquei como funcionária da Reitoria da UFSCar o fulano que atendeu ao telefone me desligou a ligação na cara!
Eu não sei exatamente porque ele fez isso. Talvez tenha achado que eu não tenho nada pra fazer além de ficar ligando pra ele. Talvez até pense que eu goste de ter que ligar pra ele. Mas o fato é que cheguei à conclusão de que ele não tem é educação, mesmo. Acho que a mãe dele, se visse o que ele fez, ficaria envergonhada.
E gente assim não vai ganhar a eleição JAMÉ!
Bem feito!

declaração-relâmpago

Só pra constar:

Eu gosto muito do meu novo trabalho!

11/10/2008

solidão

"As pessoas sentem necessidade de encontrar alguém que as conheça de verdade. Isso vem antes do desejo de ter companhia, de pertencer a um grupo, de ter parceiros para acasalar, até de serem amadas. Acho que a solidão é o estado de quem não tem ninguém que se interesse por conhecê-lo".


Roberto Gambini, terapeuta junguiano

Cem anos de Cartola

Hoje é o centenário de nascimento do grande mestre Cartola.
Já disse a várias pessoas que Cartola para mim tem um grande significado. Pela sinceridade de seus versos - que tocam a alma - e pelo muito que ele representa à cultura e à História do Brasil.
Um preto pobre, sem quase nenhum estudo (concluiu apenas a quarta série primária) mas dono de uma inteligência ímpar. Autor de composições antológicas da música popular brasileira, como "As rosas não falam" e "O mundo é um moinho".
Ouvindo a música que vem do morro hoje (os pocotós da vida) dá pra ficar pensando onde foi que perdemos a capacidade de excluir de nossa cultura o lixo e exaltar os mestres, como foram Cartola, Carlos Cachaça entre tantos outros.
Em homenagem ao Centenário de nascimento do Mestre, fica aqui uma de minhas letras favoritas de autoria dele:

O Sol Nascerá
(Cartola e Elton Medeiros)
A sorrir
Eu pretendo levar a vida
Pois chorando
Eu vi a mocidade perdida
A sorrir
Eu pretendo levar a vida
Pois chorando
Eu vi a mocidade perdida
Finda a tempestade
O sol nascerá
Finda esta saudade
Hei de ter outro alguém para amar
A sorrir
Eu pretendo levar a vida
Pois chorando
Eu vi a mocidade perdida

Tempos verbais

Talvez fosse melhor dizer
que os tempos são: o presente do passado;
o presente do presente; o presente do futuro.
E eles estão na alma; não os vejo alhures.
O presente do passado é a memória,
o presente do presente é a percepção,
o presente do futuro é a expectativa.


Santo Agostinho

06/10/2008

O doce sabor da vitória...

Que bom que agora já podemos dizer, com certeza, que O TRABALHO SÉRIO VAI CONTINUAR!!!



OSWALDO BARBA 43.888 votos (35,41%)
PAULO ALTOMANI 41.354 votos (33,36%)
AIRTON GARCIA 36.982 votos (29,83%)
JULIETA LUI 1.008 votos (0,81%)
REGINA BORTOLOTTI 724 votos (0,58%)

Brancos: 2,45%
Nulos: 4,81%
Total de votos válidos: 123.956
Eleitores: 154.472
Total de seções: 380

Fonte: Portal do Terra

01/10/2008

A revista Graphos, do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da
Paraíba, recebe até o dia 30 de novembro artigos para a edição a ser lançada em
fevereiro de 2009. O tema desta edição, que sairá nas versões impressa e eletrônica,
é "Literatura e música popular: cumplicidades poéticas". O volume terá dossiê
organizado por Armador Ribeiro Neto e Luiz Antonio Mousinho.
A revista Graphos publica, desde o ano de 1996, artigos inéditos de autores
brasileiros ou estrangeiros. Em 2004, ela passou a ter periodicidade semestral. A
publicação envolve estudos de caráter teórico ou aplicado, nas áreas de "Literatura
e Cultura" e "Linguagens e Cultura". A Graphos publica também resenhas, entrevistas
e notas bibliográficas. As regras para a formatação do texto e outras informações
sobre a revista podem ser obtidas no endereço: http://www.revistagraphos.com.br.

30/09/2008

Dia da Secretária

30 de Setembro Dia da Secretária

Uma profissão na qual, mais do que em qualquer outras, se faz
indispensável a aliança do carinho com a firmeza, por parte de quem
exerce, é a de secretária. Ser secretária, hoje, é optar por uma
profissão. É gostar do que faz.

É investir no crescimento e na harmonia pessoal e profissional. É ter
consciência do seu importante papel de agente de mudança e da atuação como
assessora e agente facilitador.

Seu trabalho não se restringe apenas ao relacionamento com as pessoas, vai
muito além, numa busca constante, exigindo de si a quase perfeição. A
simpatia, a dedicação, a paciência, a objetividade, os conhecimentos e a
sensibilidade fazem parte de um todo em que a secretária se enquadra como
profissional eficiente.
Merecidamente, um dia em nosso calendário foi dedicado a esta
profissional, zelosa e dedicada colaboradora.
Parabéns especial a você, secretária, que valoriza cada vez mais sua
profissão, que busca incessantemente seu aperfeiçoamento, que sabe o que
quer e vai em busca do sucesso.

(recebi o texto acima da minha amiga mais recente, Andréia Forim, companheira nessa nova etapa da minha vida profissional)


Almoço das Secretárias da Reitoria no Tulha, hoje

Comício da Vitória

O comício de ontem - último de 2008 - certamente ficará pra História do nosso Partido como um dos momentos mais emocionantes da Campanha Barba Prefeito 2008.
A reta final sempre é mais emocionante, pois é uma mistura de emoções e sentimentos: ansiedade, cansaço, angústia, expectativa, reconhecimento etc.
A presença do Senador Mercadante abrilhantou a festa - o discurso dele, como sempre, foi fantástico.
Tivemos também a divulgação da nova pesquisa Nexus - encomendada pela Bandeirantes. Aparecemos à frente com 32% das intenções de voto (contra 23 e 18% dos outros dois candidatos).
A militância compareceu em peso. A carreata ao entardecer foi muito bonita. Descer a serrinha da Aracy em carreata é sempre muito bonito, mas à noite teve um charme todo especial.
Mas o mais emocionante mesmo foi a grande quantidade de população do bairro.
Dava gosto de ver a atenção que eles prestavam aos discursos.
E como se sentiam contemplados com as falas - muitas vezes em tom de desabafo - do senador, do prefeito, do vice e do Barba...
Mais uma campanha linda que fizemos.
E agora tudo passará tão rapidinho...
Já tá até dando saudade.

29/09/2008

Filme fofo

A minha amiga Gabi - que é o máximo - nesse final de semana me apresentou a um filme que adorei e que gostaria de recomendar pra todo mundo que eu gosto:
O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. Eu não sou muito fã do cinema e da música franceses, mas confesso que esse filme foi muito tocante e com uma mensagem muito importante para o momento que estou vivendo.
A história de uma moça que vive se preocupando com os problemas de todo mundo e só não consegue cuidar dos problemas dela própria (qualquer semelhança com "alguém" que eu conheço é mera coincidência hehe).
Um filme muito fofo que vale a pena ser visto - e revisto.
Como diria aquele tosco candidato são-carlense: "agora eu gostei!" rsrs

está tudo bem

Depois de dias tristes hoje posso voltar a sorrir.
Está tudo bem, graças a Deus.
Aquela dor imensa que parecia não ter fim foi substituída por uma alegria pura, por um alívio sincero e por uma sensação quentinha e gostosa que enche meu coração.
Acredito que esses dias de reflexão serão muito importantes para meu crescimento.
Agradeço a Deus por ter me iluminado e a meus amigos que me deram o suporte necessário.
E que venha a semana!

24/09/2008

Primavera Triste

É como bem disse o Zeca Baleiro, lá no Ano 2000:

"tá tudo assim nem sei tá tão estranho
a cor dessa estação é cinza como o céu de estanho"

coração partido


Quando se passa uma noite em claro, chorando, a gente pensa em várias coisas. E várias delas (bem poéticas, até! A dor e a poesia andam sempre de mãos dadas) pensei em escrever aqui...
No entanto acho que o melhor remédio, por enquanto, será valer-me do bom e velho Chico Buarque, que sempre tem uma frase (ou texto inteirinho) pra cada ocasião da nossa vida...





Eu te amo
Tom Jobim - Chico Buarque/1980>

Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir
Se, ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir
Se nós, nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir
Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu
Como, se na desordem do armário embutido
Teu paletó enlaça o meu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu
Como, se nos amamos feito dois pagãos
Meus seios inda estão nas tuas mãos
Me explica com que cara eu vou sair
Não, acho que estás só fazendo de conta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir