31/12/2009

Um brinde de adeus a 2009! Que venha 2010!

Tem gente que poderia até ter apostado que 2009 seria, para mim, um ano repleto de infelicidade, de fossa, de amargura...
Prezadas pessoas que tanto torcem por me ver pra baixo: sinto em decepcioná-las mais uma vez...
2009 foi, para mim, um ano bárbaro e de muitas conquistas.
Diria mais: há tempos eu não promovia mudanças tão boas em minha vida. Mudanças de atitude, de hábito, de pensamento... Coisas simples e mais complexas que com certeza são reflexo de decisões que EU mesma tomei e que são o novo rumo que EU mesma resolvi dar pra minha vida, afinal.
Agradeço muito a Deus. Ele é sempre tão generoso comigo, nunca poderei agradecer o suficiente por tudo que Ele me proporciona, diariamente, desde que eu estava dentro do ventre da minha mãe.
Cada conquista, cada alegria, cada lágrima que derramo - e que me faz alterar alguma coisa que não ia bem em minha vida - reconheço tranquilamente como sendo parte dos desígnios de Deus em minha vida e ergo aos céus meus mais sinceros louvores por isso.
Tenho uma família maravilhosa que me ama incondicionalmente, apesar de todos os meus defeitos e fraquezas.
Nasci dotada de saúde e de inteligência, sempre tive o privilégio de ter boa formação e excelentes oportunidades - e sempre tive sorte de aproveitar essas oportunidades que pela minha frente passaram, sem medo de quebrar a cara e sabendo reconhecer cada conquista.
No ano que está acabando, realizei o grande sonho de ir a Cuba. Voltei de lá realizada, com os olhos e o coração repletos das cores e dos encantos daquele lugar que pra mim é emblemático.
Voltei aos estudos: estou estudando francês e fazendo um curso de pós-graduação.
Li muito.
Escrevi mais ainda. No blog, no twitter, no jornal, em cartas, em textos que fiz para o trabalho e para mim mesma. Me sinto ótima com isso.
Espiritualmente dei um salto de qualidade. O Espírito Santo de Deus entrou em minha vida para ficar.
Limpei meu quarto de tralhas que há anos eu nem pegava.
Investi em mim: na minha autoestima, na minha autoconfiança. Na minha saúde.
Incorporei aos meus hábitos alimentares atitudes saudáveis que mudaram meu corpo e minha mente. Também fiz da atividade física regular uma parte integrante da minha vida. Usei e abusei dos cremes, dos tratamentos de beleza e dos presentes que quis comprar pra mim mesma. Comprei o que quis: livros, CDs, joias, perfumes e cremes, um iPod, um GPS pro carro, roupas bacanas... Tudo isso sem neuras e sem forçar a barra. E a melhor parte: consegui separar um dinheirinho - pela primeira vez tenho 2 fundos de investimento diferentes. E tenho planos a curto, médio e longo prazo em todos os setores da minha vida.
Fiz o que tive vontade, sem ninguém me encher o saco querendo ditar regras do que supostamente seria melhor pra mim.
Assisti a espetáculos artísticos maravilhosos. Tomei contato com coisas que não conhecia e que expandiram um pouquinho mais meu pensamento.
Profissionalmente, considero que estou muito feliz em meu emprego. O ambiente é ótimo, as funções são dignas... Me sinto gratificada em dar conta do recado em uma função que não é simples. Me sinto feliz em ter meu trabalho reconhecido, em corresponder às expectativas das pessoas.
Afastei de minha vida gente que me fazia mal: pessoas falsas, invejosas, interesseiras. Pessoas que sempre torceram (e devem continuar torcendo!) para que eu me decepcione, chore, me machuque pelo caminho... Minha melhor vingança contra esses pobres de espírito é saber, no meu íntimo (que é o que realmente importa) que cada tombo que eu levo me fortalece mais. Sou uma pessoa que tem força para realizar absolutamente QUALQUER coisa que eu queira. E saber disso me dá uma satisfação pessoal que realmente não tem preço.
Em contrapartida, me aproximei de gente nova, gente muito boa que está acrescentando alegria à minha vida. Me esforcei por estreitar ainda mais os laços com meus verdadeiros e valorosos amigos: gente que me quer bem e que me faz bem. Alguns perto, outros longe... Revi amigos que não moram mais tão perto e que continuam tão dentro do meu coração... Acompanhei mudanças e conquistas na vida de todos: os de perto e os de longe. Fiquei feliz em poder estar presente e compartilhando essas conquistas.
Foi um ano muito rico.
Obrigada, meu Senhor! Estou feliz e em paz comigo mesma!
Que 2010 chegue trazendo muitas surpresas boas, muitos desafios e muitas conquistas!
E aos que torcem pelas minhas derrotas: continuem na ativa! Se isso os faz felizes, quem sou eu para tolher essa felicidade? Saibam que identificá-los, afastá-los da minha vida e triunfar sobre suas pequenezas de espírito, me torna uma pessoa melhor e me faz valorizar ainda mais as pessoas que realmente quero ter por perto. Vocês são importantes degraus para a minha ascensão, dia após dia!
Aos meus amigos, familiares e outras pessoas que me amam de verdade: os meus mais sinceros desejos para que vocês tenham um mágico e abençoado 2010!

27/12/2009

tolerância e diversidade

"A gente sempre pensa que o diferente é o outro, que tenho de tolerar aquele que é diferente de mim. Esse é um grande engano. Cada um de nós é diferente de alguma maneira. A diferença que está no outro também está em nós, se mudamos o ponto de vista. Não há como nos excluir dessa condição de diversidade, que é própria do ser humano"
(Reinaldo Bulgarelli, autor do livro Diversos Somos Todos e dono da empresa Txai)

26/12/2009

Em 2010 buscarei a excelência!

"(...) É preciso diferenciar entre perfeccionismo e busca de excelência. Essa última não só é aceitável como desejável. "Mas quem busca a excelência não se torna escrava dela e tem um foco objetivo sobre o que merece mais empenho", diz a psicóloga Lana Harari, de São Paulo. Já a perfeccionista patológica - o perfeccionismo, chamado tecnicamente 'personalidade anacástica', é considerado até uma doença - acha que não tem o direito de errar em nada. Muitos pesquisadores tentam descobrir por que algumas pessoas se tornam juízas de si mesmas em tempo integral. (...)"
Ivonete Lucirio na matéria 'soldado... descansar!' da Women's Health de dezembro de 2009

nunca deixe para amanhã...

Acabei de abortar uma postagem ótima que tinha começado a escrever ontem. Porque ontem ela seria ótima, no entanto hoje ela já ficou chocha.
Uma pena. A ideia era tão boa!
Que sirva de lição: nunca deixe para amanhã o que você quer escrever hoje.
E tenho dito.

eu também quero isso!

Onde tem? Me fala que eu vou lá buscar...
"Eu me aproximo pelos olhos, mas o que me convence a permanecer é o som da voz. Quero um amor capaz de conduzir o escuro".
Fabrício Carpinejar

reflexões de fim de ano

Era só uma sequência de twitties, mas resolvi transformá-la em um post do blog. Lá vai:

Ouvindo esses boleros cubanos me deu saudade das minhas aulas de dança de salão. Em 2010 preciso achar um par para retomá-las! Fazem falta!

By the way, tou me deliciando ouvindo CD independente comprado em Cuba, chamado "Cuban anthology" da banda "Debo Son", q vi tocar ao vivo!

Realmente, 2009 foi 1 ano delicioso e cheio de realizações!

pequenas trapalhadas do cotidiano

Dica (óbvia) do dia*:
Nunca tente trocar o refil do seu creme hidratante quando a sua mão estiver cheia de creme hidratante. Isso é coisa de loira, bem entendido? Não vamos nos estressar à toa, compreendido? Ótimo! Good girl.
*Dica gentilmente oferecida por Renata Maria, a atrapalhada

25/12/2009

efêmero

Recebi por email de uma amiga de mais de duas décadas.
Somente uma pessoa tão especial pra compartilhar comigo um texto que, na minha opinião, dispensa qualquer comentário.
A vocês, com muito carinho:

EFÊMERO...
(Letícia Thompson)
Se pudéssemos ter consciência do quanto nossa vida é efêmera,
talvez pensássemos duas vezes antes de jogar fora as oportunidades que
temos de ser e de fazer os outros felizes.
Muitas flores são colhidas cedo demais.
Algumas, mesmo ainda em botão.
Há sementes que nunca brotam e
há aquelas flores que vivem a vida inteira até que,
pétala por pétala, tranqüilas, vividas, se entregam ao vento.
Mas a gente não sabe adivinhar.
A gente não sabe por quanto tempo estará enfeitando esse Éden
e tampouco aquelas flores que foram plantadas ao nosso redor.
E descuidamos. Cuidamos pouco. De nós, dos outros.
Nos entristecemos por coisas pequenas e perdemos minutos e horas preciosos.
Perdemos dias, às vezes anos.
Nos calamos quando deveríamos falar;
falamos demais quando deveríamos ficar em silêncio.
Não damos o abraço que tanto nossa alma pede porque algo em nós impede essa aproximação. Não damos um beijo carinhoso
"porque não estamos acostumados com isso"
e não dizemos que gostamos porque achamos que o outro
sabe automaticamente o que sentimos.
E passa a noite e chega o dia, o sol nasce e adormece
e continuamos os mesmos, fechados em nós.
Reclamamos do que não temos, ou achamos que não temos suficiente.
Cobramos. Dos outros. Da vida. De nós mesmos.
Nos consumimos. Costumamos comparar nossas vidas
com as daqueles que possuem mais que a gente.
E se experimentássemos nos comparar com aqueles que possuem menos?
Isso faria uma grande diferença!
E o tempo passa...
Passamos pela vida, não vivemos.
Sobrevivemos, porque não sabemos fazer outra coisa.
Até que, inesperadamente, acordamos e olhamos pra trás.
E então nos perguntamos: e agora?
Agora, hoje, ainda é tempo de reconstruir alguma coisa,
de dar o abraço amigo, de dizer uma palavra carinhosa,
de agradecer pelo que temos. Nunca se é velho demais ou jovem demais para amar,
dizer uma palavra gentil ou fazer um gesto carinhoso.
Não olhe para trás. O que passou, passou. O que perdemos, perdemos.
Olhe para frente!
Ainda é tempo de apreciar as flores que estão inteiras ao nosso redor.
Ainda é tempo de voltar-se para Deus
e agradecer pela vida, que mesmo efêmera, ainda está em nós.

21/12/2009

Here with me

E de repente ela tocou no rádio. Assim, sem mais nem menos...
Here With Me
(Dido Armstrong / Pascal Gabriel / Paul Statham)
I didn't hear you leave
I wonder how am I still here
And I don't want to move a thing
It might change my memory
Oh I am what I am
I do what I want
But I can't hide
And I won't go
I won't sleep
I can't breathe
Until you're resting here with me
And I won't leave
I can't hide
I cannot be
Until you're resting here with me
I don't want to call my friends
For they might wake me from this dream
And I can't leave this bed
Risk forgetting all that's been
Oh I am what I am
I do what I want
But I can't hide
And I won't go
I won't sleep
I can't breathe
Until you're resting here with me
I won't leave
I can't hide
I cannot be
Until you're resting here
I won't go
And I won't sleep
And I can't breathe
Until you're resting here with me
And I won't leave
I can't hide
I cannot be
Until you're resting here with me
Oh I am what I am
I do what I want
But I can't hide
And I won't go
I won't sleep
And I can't breathe
Until you're resting here with me
I won't leave
I can't hide
I cannot be
Until you're resting here
And I won't go
And I won't sleep
And I can't breathe
Until you're resting here with me
I won't leave
I can't hide
I cannot be
Until you're resting here with me

E eu lembrei, na marra, que as músicas da Dido têm o dom supremo de doer bem lá no fundo.
E eu lembrei que estou ensaiando há quase 1 mês assistir ao filme "simplesmente amor", de cuja trilha essa música faz parte.
E eu lembrei que há algum tempo atrás, num dos dias que seria um turning point da minha vida, também tinha tocado uma música doída dessas... E fiquei muito, mas muito impressionada com isso.
Será que a que tocou hoje é um prenúncio de um turning point?
Ou será que era só pra doer, mesmo?
Só sei que não pude conter uma lagriminha furtiva que correu no meu rosto. De dor, mesmo. Mas foi só uma.

fraqueza x força

Pra começar bem a semana, uma frase para profunda reflexão.
"Os fortes usam as ideias, enquanto que os fracos, as armas.
Os fracos impõem suas verdades, os fortes as submetem ao debate;
os fracos segregam-se em seus feudos, os fortes lutam pela espécie humana."
(Augusto Cury)

19/12/2009

Encerrando mais uma fase

Achei a analogia bem interessante. A mensagem é bem bacana. Quis dividir com todos vocês.
"Saca videogame? Pelo menos no meu tempo - vivi o auge dos ataris, lembra? - cada jogo tinha diversas fases e, a cada fase, o desafio anterior era fichinha perto das novas peripécias. Imagino que hoje, em tempos de jogos online, o enredo desses joguinhos não seja tão diferente, descontando aí a incrível qualidade gráfica que a indústria de entretenimento alcançou nas últimas duas décadas.
Era assim, me acompanhe: o bonequinho quadradinho na tela pulava sobre um jacaré retangular, se agarrava num cipó que era um risco, subia na escadinha pixelada, desviava de um buraco pintado de preto. Aí passava de fase. Descansava? Que nada. Logo apareciam dois jacarés, o cipó estava escorregadio, o chão parecia um queijo suíço, apareciam corvos loucos por uma bicada na cachola... Sem descanso, sem tranquilidade, mas sempre desviando de tudo e tentando acumular preciosos pontinhos.
Nada muito diferente da nossa vida, não lhe parece? Cada ano que passa é uma "fase" deixada para trás. E quem disse que a fase seguinte é sopa no mel? Mas somos sonhadores, e então sempre achamos (com razão) que o próximo ano será ainda melhor. E será. (...)"
(Leandro Samartz, redator-chefe da revista Vida Simples, em sua Carta ao Leitor da edição de dezembro de 2009)

gente sem graça

Essa semana, lendo meu twitter, percebi algo definitivo: poucas coisas são tão deprimentes quanto pessoas naturalmente sem graça querendo ser engraçadas. Sabe aquelas pessoas que não têm graça nenhuma? Que mesmo contando a piada mais engraçada conseguem apenas arrancar sorrisos de piedade dos outros? Pois é... Quando pessoas desse tipo resolvem ser "criativas" e escrever coisas "bem humoradas", é deprimente... E aí, de tão ridículas, elas tornam-se insuportáveis.
Por isso faço aqui um apelo: gente sem graça do meu Brasil, lutem por um mínimo de dignidade própria: calem-se e nos poupem de odiar vocês!!
E tenho dito.

13/12/2009

Era uma vez um país...

Para quem ainda não viu, vale a pena ver e se emocionar.
Para quem já viu, vale se emocionar de novo.
Programa no PT que foi ao ar no último dia 10/12
Clique aqui para ver.

11/12/2009

Caindo máscaras

Essa é para todos que, como eu, já estiveram em Cuba, seguem a Blogueira "cubana-suiça" Yoani Sanchez no twitter e ficam se perguntando - ao segui-la e terem estado em Cuba para se referenciar - como aquele povo pobre, indefeso e sufocado pela opressão (conforme ela descreve) faz pra esconder com tanta eficiência dos turistas tudo que Yoani Sánchez relata.
Sempre achei estranho, porque com todas as pessoas com as quais conversei por lá, nenhuma me deu versão parecida com o que ela relata todos os dias...
É sempre bom ter acesso a dois lados da mesma história.

A blogueira Yoani e suas contradições
Frei Betto
O mundo soube que, a 7 de novembro último, a blogueira cubana Yoani Sánchez teria sido golpeada nas ruas de Havana. Segundo relato dela, “jogaram-me dentro de um carro... arranquei um papel que um deles levava e o levei à boca. Fui golpeada para devolver o documento. Dentro do carro estava Orlando (marido dela), imobilizado por uma chave de karatê... Golpearam-me nos rins e na cabeça para que eu devolvesse o papel... Nos largaram na rua... Uma mulher se aproximou: “O que aconteceu?” “Um sequestro”, respondi. (www.desdecuba.com/generaciony )
Três dias depois do ocorrido nas ruas da Havana, Yoani Sánchez recebeu em sua casa a imprensa estrangeira. Fernando Ravsberg, da BBC, notou que, apesar de todas as torturas descritas por ela, “não havia hematomas, marcas ou cicatrizes” (BBC Mundo, 9/11/2009). O que foi confirmado pelas imagens da CNN. A France Press divulgou que ela “não foi ferida.”
Na entrevista à BBC, Yoani Sánchez declarou que as marcas e hematomas haviam desaparecido (em apenas 48 horas), exceto as das nádegas, “que lamentavelmente não posso mostrar”. Ora, por que, no mesmo dia do suposto sequestro, não mostrou por seu blog, repleto de fotos, as que afirmou ter em outras partes do corpo?
Havia divulgado que a agressão ocorreu à luz do dia, diante de um ponto de ônibus “cheio de gente.” Os correspondentes estrangeiros em Cuba não encontraram até hoje uma única testemunha. E o marido dela se recusou a falar à imprensa.
O suposto ataque à blogueira cubana mereceu mais destaque na mídia que uma centena de assassinatos, desaparecimentos e atos de violência da ditadura hondurenha de Roberto Micheletti, desde 27 de junho.
Yoani Sánchez nasceu em 1975, formou-se em filologia em 2000 e, dois anos depois, “diante do desencanto e a asfixia econômica em Cuba”, como registra no blog, mudou-se para a Suíça em companhia do filho Téo. Ali trabalhou em editoras e deu aulas de espanhol.
Em 2004, abandonou o paraíso suíço para retornar a Cuba, que qualifica de “imensa prisão com muros ideológicos”. Afirma que o fez por motivos familiares. Quem lê o blog fica estarrecido com o inferno cubano descrito por ela. Apesar disso, voltou.
Não poderia ter assegurado um futuro melhor ao filho na Suíça? Por que regressou contra a vontade da mãe? “Minha mãe se recusou a admitir que sua filha já não vivia na Suíça de leite e chocolate” (blog dela, 14/08/2007).
Na verdade, o caso de Yoani Sánchez não é isolado. Inúmeros cubanos exilados retornam ao país após se defrontarem com as dificuldades de adaptação ao estrangeiro, os preconceitos contra mulatos e negros, a barreira do idioma, a falta de empregos. Sabem que, apesar das dificuldades pelas quais o país atravessa, em Cuba haverão de ter casa, comida, educação e atenção médica gratuitas, e segurança, pois os índices de criminalidade ali são ínfimos comparados ao resto da América Latina.
O que Yoani Sánchez não revela em seu blog é que, na Suíça, implorou aos diplomatas cubanos o direito de retornar, pois não encontrara trabalho estável. E sabe que em Cuba ela pode dedicar tempo integral ao blog, pois é dos raros países do mundo em que desempregado não passa fome nem mora ao relento...
O curioso é que ela jamais exibiu em seu blog as crianças de rua que perambulam por Havana, os mendigos jogados nas calçadas, as famílias miseráveis debaixo dos viadutos... Nem ela nem os correspondentes estrangeiros, e nem mesmo os turistas que visitam a Ilha. Porque lá não existem.
Se há tanta falta de liberdade em Cuba, como Yoani Sánchez consegue, lá de dentro, emitir tamanhas críticas? Não se diz que em Cuba tudo é controlado, inclusive o acesso à internet?
Detalhe: o nicho Generación Y de Sánchez é altamente sofisticado, com entradas para Facebook e Twitter. Recebe 14 milhões de visitas por mês e está disponível em 18 idiomas! Nem o Departamento de Estado do EUA dispõe de tanta variedade linguística. Quem paga os tradutores no exterior? Quem financia o alto custo do fluxo de 14 milhões de acessos?
Yoani Sánchez tem todo o direito de criticar Cuba e o governo do seu país. Mas só os ingênuos acreditam que se trata de uma simples blogueira. Nem sequer é vítima da segurança ou da Justiça cubanas. Por isso, inventou a história das agressões. Insiste para que suas mentiras se tornem realidades.
A resistência de Cuba ao bloqueio usamericano, à queda da União Soviética, ao boicote de parte da mídia ocidental, incomoda, e muito. Sobretudo quando se sabe que voluntários cubanos estão em mais de 70 países atuando, sobretudo, como médicos e professores.
O capitalismo, que exclui 4 bilhões de seres humanos de seus benefícios básicos, não é mesmo capaz de suportar o fato de 11 milhões de habitantes de um país pobre viverem com dignidade e se sentirem espelhados no saudável e alegre Buena Vista Social Club.
*Frei Betto é escritor, autor de “Calendário do Poder” (Rocco), entre outros livros.

10/12/2009

10 de dezembro

Tem certas músicas que são eternas.
Tem outras que a gente ouve a vida inteira, mas que de repente, num certo dia, elas caem como luva para nós e tocam lá no fundo - é como se você estivesse ouvindo pela primeira vez...
Tem outras que são tudo isso ao mesmo tempo

"Eu sou aquele navio no mar, sem rumo e sem dono
Tenho a miragem do porto pra reconfortar meu sono
E flutuar sobre as águas da maré do abandono
(...)
E sou a ilha deserta, onde ninguém quer chegar
Lendo a rota das estrelas na imensidão do mar
Chorando por um navio ai ai ô ô
Que passou sem lhe avistar
(...)
(Miragem Do Porto - Lenine & Marcos Suzano)"

medo de não amar muito

"Há uma Maria cujo maior medo vence todos os demais: de não ter amado muito. Porque todo amor é um grande medo. Medo demais para não viver demais" (Elienai Cabral Jr.)

06/12/2009

planeta

"Nós não herdamos o planeta dos nossos pais. Nós o emprestamos das nossas crianças"
(Ditado indígena)

05/12/2009

04/12/2009

cosmeticando

Tô começando a ter motivos para crer que essa história de consumir cosméticos vicia.
Veja bem, depois de tomar um banho com 2 tipos de sabonete líquido (1 pro rosto e um pro corpo), um sabonete em barra, um óleo trifásico, shampoo e máscara hidratante para o cabelo, contei 1 loção e 5 cremes que apliquei no meu rosto e mais dois no corpo antes de deitar. Ah!! Claro!! Para arrematar, um bom perfume francês!!
Gente, isso não parece que é exagero? Mas, acreditem, eu ainda achava que podia ter mais alguns potinhos diferentes na minha casa. E às vezes me acho "relaxada" porque não uso alguns cremes que comprei e que estão encostados...
Acho que o problema(se é que isso pode ser considerado um problema!) é o excesso de opções que existem hoje no mercado. A gente acaba se entupindo desses pequenos luxos - que, a bem da verdade, fazem bem para qualquer mulher!
Eu fico imaginando o que seria do meu orçamento se existisse em São Carlos algum lugar que revendesse Anna Pegova, L'Occitane, Lancôme e afins...
E para aqueles que acharam que eu sou exagerada, segue uma lista dos cosméticos que usei na última hora, e que citei acima. Vocês verão que é só uma coisinha básica, e que daria para usar muito mais coisas, se eu fosse fresca!
O objetivo deste post foi chamar a atenção para a quantidade de coisas que a gente consome sem nem perceber, de acordo com os hábitos que vamos incorporando aos nossos rituais diários.
Shampoo Sebastian Laminates
Máscara de Hidratação capilar intensiva Tânagra, Buriti
Sabonete líquido para o corpo ekos maracujá
Sabonete líquido em gel para o rosto - pele oleosa - Natura faces
Sabonete em barra natura ekos açaí
Óleo trifásico natura ekos açaí
Deep Clean energizing loção tônica dois em um - neutrogena
NormaDerm nuit - creme noturno retrator de poros - Vichy
Renew Clinical gel/creme corretor para a área dos olhos, Avon (esse na verdade são dois no mesmo pote: um pra parte de cima e o outro pra parte de baixo dos olhos)
Natura chronos flavonóides de passiflora creme noturno 30+
Natura chronos emulsão para lábios e contorno dos lábios
Polpa hidratante para pernas e pés natura ekos açaí
Loção cremosa hidratante body active leite de cereais - o Boticário
Daisy EDT - Marc Jacobs

aprendendo a priorizar sem culpa

Gente, essa semana foi pauleira!
Nossa, acho que posso até me sentir orgulhosa por ter chegado viva à sexta-feira à noite! rs
OK, precisei abrir mão de concluir algumas tarefas para conseguir dar conta de fazer todo o resto direito... Mas como esse "todo o resto" valia realmente a pena, vejo que fiz bem em priorizar! O que deixei de lado, só cabe a mim recuperar na próxima semana.
Me sinto gratificada. O evento com o Paul Singer foi bom - e só Deus e eu mesma pra sabermos o quanto eu torci pra que nada desse errado, tendo em vista a sucessão de trapalhadas que aconteceram durante a organização... Coisa típica de evento com muita gente cuidando, sabe? Aquela história de "cachorro com mais de um dono acabar morrendo de fome"? Mas tudo bem, o evento foi elogiado e ISSO É O QUE REALMENTE IMPORTA!!
A chefinha nova começou a trabalhar, estou animada porque acho que agora as coisas vão entrar definitivamente nos eixos!
Acho que a gente precisa aprender a não querer ser mulher-maravilha: é humanamente impossível ser 100% perfeita 100% do tempo! Chega de se culpar porque não passou aquele email hoje ou não cumpriu aquele prazo que venceu ontem! Vamos valorizar tudo o que a gente deu conta de fazer, e dar menos importância ao que não ficou do nosso gosto completamente.
Vamos nos libertar e ser mais felizes, dia a dia.
Depende só de nós!

29/11/2009

gente que sabe fazer diferença na vida de alguém

Algumas pessoas têm uma iluminação natural, que as torna verdadeiramente essenciais na vida dos outros.
Um dia você está lá, jogada na cama num domingo à tarde, cansada sem ter motivo, tomando analgésico pra ver se passa a cólica menstrual, sabendo que tem que estudar e fazer um monte de coisas, mas simplesmente se recusando a ter forças pra isso. Então se deixa ficar lá, jogada na cama, aproveitando o friozinho pra ficar embaixo do edredom sem nem ter vontade de pegar uma revista pra ler, de ouvir uma música, de ir pra frente da TV: simplesmente pensando um monte de coisas e esperando o domingo terminar.
E aí uma amiga sua, do nada, te convida pra ir à casa dela. Só pra conversar e matar saudade.
E você vai pra lá, desabafa, conversa coisas banais, ouve palavras gentis, coisas engraçadas, novidades são compartilhadas. Vocês juntas pedem uma comida chinesa e tomam uma taçona de sorvete de chocolate de sobremesa. Você passa momentos maravilhosos desses que só mulheres que têm verdadeiras amigas sabem que existem, e volta pra casa revigorada.
E aí você percebe que dádiva de Deus é ter amigas iluminadas no seu caminho! Amigas que não precisam fazer nenhum esforço pra te fazerem sentir melhor: não precisam dar conselhos certeiros, deitar regras infalíveis pra você resolver todos os seus problemas. Elas só precisam existir, com naturalidade. Só precisam ser elas mesmas: autênticas, humanas. Deixar você estar junto com elas num domingo à tarde. Conversando e rindo.
Eu sou uma pessoa privilegiada. Tenho jóias de amigas em minha vida. Jamais poderei agradecer a elas e a Deus o suficiente por isso!

reta final do campeonato brasileiro 2009

Sabe, eu preciso registrar aqui: detesto essa mania que o São Paulo F. C. tem de complicar tudo o que está tão simples.
Veja bem, até a rodada de hoje dependíamos somente de nossos próprios resultados. Agora o time conseguiu a proeza de deixar a decisão pra rodada final. Incrível: em 90 minutos despencar da primeira para a quarta colocação.
Ninguém merece.

final feliz

Realmente o sábado foi cheio de altos e baixos.
Depois de tantas dúvidas, de tanto turbilhão na cabeça, saí, conversei com a minha grande amiga Nilsônia, tomei um pouquinho de chuva e resolvi várias coisas.
Então fui à igreja e o Senhor falou grandemente comigo pela Palavra. Saí de lá cheia de paz.
Depois disso, com a temperatura já bem mais amena por causa da chuva, comi a comida gostosa da minha mãe, fui pra casa do carinho, assistimos um filme e dormimos de conchinha embaixo do edredom.
Tem maneira mais gostosa de terminar um sábado que começou super tenso?

28/11/2009

notícias de quem anda longe

Essa semana tive notícias de amigos que estão longe.
Em plena semana do niver da Gabi, recebi por correio um livro do amigo Eduardo Castro. Que surpresa maravilhosa!
Também soube que nasceu o segundo filho da Maria (Alexandre Akira) no dia 23. Notícia muito boa!! Estou ansiosa por conhecer o novo menininho, que deve ser tão fofo quanto o Fernando (irmão mais velho dele, já com 2 anos).
Em compensação faleceu D. Cleusa, sogra da Ingrid. Uma tristeza só. Ainda lembro nitidamente no corpus christi das Lindoyas deste ano, em que D. Cleusa ficou comigo e com a Gabi o tempo todo na festa de aniversário do Thiago (irmão da Ingrid). Era uma mulher forte, muito sofrida, cheia de sabedoria em cada frase.
Que Deus possa fazê-la descansar na paz que ela merece. E que Ele possa consolar os familiares e amigos que sofrem a dor da perda e que sempre sentirão saudades...

turbilhões na cabeça

De novo me vejo com um turbilhão dentro da minha cabeça, e decididamente não gosto nem um pouco disso.
O pior do turbilhão são os altos e baixos: em um instante decido fazer mil coisas, traço o cronograma, arregaço as mangas e ponho mãos à obra... De repente já me vejo desanimada e simplesmente com vontade de deitar na cama e dormir o resto do dia.
Por que será que isso acontece?
O que desencadeia esse processo?
Não é possível que seja só TPM.
Talvez um pouco de decepção com as pessoas, um pouco de ansiedade da minha parte.
Mas quando é afinal que eu vou aprender a não esperar muito dos outros?
E assim o tempo vai passando...

27/11/2009

impagável!

Pasmem! Tem gente que acha que, só porque de vez em quando lê alguns rabiscos meus aqui nesse blog, sabe de tudo que acontece na minha vida!!
hahaha
Não sei por que ainda me surpeendo com a capacidade que algumas pessoas têm de me subestimar!
Eu acho que até queria ser "rasa" como algumas pessoas acham que eu sou. É como naquela música do Raul Seixas, lembram?
"É uma pena eu não ser burro, assim eu não sofria tanto!"

Mas uma coisa é certa: é divertido ver como certas pessoas se enganam a meu respeito. Principalmente por vê-las desfilando a pose de "sabe-tudo" e sempre caírem do cavalo.
E - sem perceber, claro! - essas pessoas tornam-se, a cada dia, de tão previsíveis quase óbvias para mim!

23/11/2009

mudanças

De tempos em tempos acontece alguma coisa, incorporamos algo a nossos hábitos e, quando nos damos conta, nossa vida já mudou pra sempre.
Foi assim que o twitter, quando eu menos esperava, sem pedir licença, mudou meus hábitos de internet.
Diminuiu consideravelmente minha frequência de posts no blog.
Mudou minha relação com o orkut.
Às vezes esqueço que tenho que abrir minha conta de email pessoal - e quando abro, geralmente ela está cheia de mensagens que eu já não tenho a mesma paciência de ler...
O twitter abreviou minha vida virtual - pela primeira vez me vejo obrigada a escrever pouco, não esbanjo mais a verborragia!
Mudanças...

Show da Língua portuguesa!

Mais uma dessas coisas realmente legais que de vez em quando rodam pela internet.
Recebi da minha irmã Roberta.


Show da língua portuguesa!

'Um homem rico estava muito mal, agonizando. Pediu papel e caneta. Escreveu assim:

'Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres. '

Morreu antes de fazer a pontuação. A quem deixava a fortuna? Eram quatro concorrentes.

1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito:

Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sardinha dele:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

4) Aí, chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido, fez esta interpretação:


Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.

Moral da história:
'A vida pode ser interpretada e vivida de diversas maneiras. Nós é que fazemos sua pontuação.
E isso faz toda a diferença... '

11/11/2009

viaja pouco esse Bakhtin

Fala a verdade... Deve ter alguém que mereça, mas eu não mereço! Plena quarta-feira à noite vem o cidadão falar o seguinte:
"A regularidade social objetiva da criação ideológica, quando indevidamente interpretada como estando em conformidade com as leis da consciência individual, deve, inevitavelmente, ser excluída de seu verdadeiro lugar na existência e transportada quer para o empíreo supra-existencial do transcendentalismo, quer para os recônditos pré-sociais do organismo psicofisiológico, biológico".
(Bakhtin em "Marxismo e Filosofia da Linguagem", cap. 1)

Entendeu? Não? Bem vindo a bordo! hahaha

07/11/2009

Lula lá

Para Lula, 'ódio' de FHC se deve à 'incompetência'
ANNE WARTH E CAROLINA FREITAS - Agencia Estado

SÃO PAULO - O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, atribuiu as críticas que recebeu do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) na última semana ao "ódio" do tucano em relação a seu governo. "Eu compreendo o ódio que isso causa. Um intelectual ficar assistindo um operário que só tem o 4º ano primário ganhar tudo o que ele imaginava que iria ganhar e não ganhou por incompetência é muito difícil", disse ele, interrompido por palmas e um coro de "Olê Olê Olê Olá Lula" de mais de 800 pessoas que assistiam à abertura do 12º Congresso do PCdoB, no Palácio das Convenções do Anhembi, na zona norte da capital paulista.
O petista revidou também o ataque do compositor Caetano Veloso, que chamou Lula de "analfabeto" em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo. "Essa semana foi engraçada. Eu fui chamado de analfabeto, de ditador, por ter indicado a Dilma (Rousseff, ministra da Casa Civil) pelo ''dedaço'' e ganhei o título de estadista do ano", discursou Lula, em referência ao prêmio Chatham House 2009, que recebeu em Londres por seu empenho nas relações internacionais na América Latina.
O presidente ironizou o fato de não ter a "sapiência dos sociólogos", em uma referência à formação de Fernando Henrique, e dissociou a inteligência do saber acadêmico. "Tem gente que acha que a inteligência está ligada à quantidade de anos de escolaridade que você teve. Não tem nada mais burro que isso. A universidade te dá conhecimento. Inteligência é outra coisa."
Para o petista, na política, vale mais a inteligência do que o conhecimento. "Muito mais", enfatizou. "A inteligência de saber formar uma equipe não está no livro. Está na sensibilidade. A inteligência de tomar decisões não está no livro. Está no caráter e no compromisso do dirigente."
Lula comparou Fernando Henrique a um jogador de futebol que fica no banco de reservas torcendo para que um titular se machuque para poder entrar em campo. "Fernando Henrique tinha certeza de que nós seríamos um fracasso e de que ele poderia voltar por conta do meu fracasso", disse. "É isso que magoa. Eu lamento. O mundo não deveria ser assim."
Apesar de mostrar-se incomodado com as críticas do ex-presidente tucano, Lula tentou contemporizar: "A vida é assim. A pessoa fala o que quer, ouve o que não quer. A vida é dura." Ele disse ainda não guardar rancor em relação aos ataques. "Não sou homem de carregar mágoas por mais de cinco minutos. O mandato não permite que a gente fique brigando por coisas secundárias."
Hitler
O presidente afirmou sentir "pena" dos tucanos por eles planejarem um programa de treinamento de cabos eleitorais no Nordeste do Brasil com vistas às eleições de 2010. "É um pouco o que o Hitler fazia, para que os alemães pegassem os judeus. Ou seja, vamos treinar gente para não permitir que eles sobrevivam", disse ele, em referência ao ditador nazista alemão, Adolf Hitler.
Para Lula, a estratégia do PSDB no Nordeste não vai funcionar. "Eles vão encontrar lá gente do PCdoB, PT, PDT, PSB, CUT (Central Única dos Trabalhadores) e todas as centrais, MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e movimento popular. Acho que vão se dar um pouco mal."
Eleições
Último a falar, após duas horas de discursos de parlamentares e ministros, Lula deu sequencia ao clima de palanque petista do evento. Possível candidata do PT à Presidência em 2010, Dilma foi saudada pelo governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), como "futura presidenta do Brasil".
Em tom de conclamação, Lula alertou para o risco de retrocessos caso seja eleito no próximo ano um presidente que não Dilma. "Quem é prefeito ou governador sabe bem que um estranho no ninho pode desmontar em apenas dois anos tudo o que foi feito. E não venham dizer que o movimento popular não deixa por que é bobagem."
O pleito de 2010 será o primeiro em décadas do qual Lula não participará como candidato. "Tenho uma certa tristeza. Essa vai ser a primeira eleição para presidente da República em que meu nome não vai estar na cédula. Na minha cabeça vai ter um vazio", brincou. "Por isso, depois dele (Lula), (vem) a Dilma, para poder consagrar a continuidade de um projeto."

horóscopo

Vejam só o que diz meu horóscopo para o mês de novembro:
Tome a iniciativa para se autoafirmar no setor de trabalho e finanças. Hora de negociar e incrementar ganhos - mas tome cuidado para não gastar à toa. No amor, deixe fluir, sem dependência nem manipulação. Fase boa para engravidar.

Gostei da parte que fala do trabalho e finanças.

05/11/2009

Eu quero um homem que...

Recebi por email da colega de trabalho, Fulvia.
Achei o máximo! Muito divertido.
 
 
Lista Original
Eu quero um homem que...
1. Seja lindo,
2. Encantador,
3. Financeiramente estável,
4. Um bom ouvinte,
5. Divertido,
6. Em boa forma física,
7. Se vista bem,
8. Aprecie as coisas mais finas,
9. Faça muitas surpresas agradáveis,
10. Seja um amantecriativo e romântico.



Lista Revisada aos 32 Anos
Eu quero um homem que...
1. Seja bonitinho,
2. Abra a porta do carro
3 Tenha dinheiro suficiente para jantar fora com certa frequência
4. Ouça mais do que fale,
5. Ria das minhas piadas,
6. Carregue as sacolas do mercado com facilidade,
7. Tenha no mínimo uma gravata,
8. Lembre de aniversários e datas especiais,
9. Procure romance pelo menos uma vez por semana.


Lista Revisada aos 42 Anos
Eu quero um homem que...
1. Não seja muito feio,
2. Espere eu me sentar no carro antes de começar a acelerar,
3. Tenha um emprego fixo
4. Balance a cabeça enquanto eu falo,
5. Esteja em forma ao menos para mudar a mobília de lugar,
6. Use camisetas que cubram sua barriga,
7. Não compre cidra achando que é champagne,
8. Se lembre de abaixar a tampa da privada (já tá bom, né? Esquece o Romance...)


Lista Revisada aos 52 Anos
Eu quero um homem que...
1. Corte os pelos do nariz e das orelhas,
2. Não  cuspa em público,
3. Não sustente as irmãs, nem as filhas do primeiro casamento
4. Não balance a cabeça até dormir enquanto eu estou reclamando,
5. Não conte a mesma piada o tempo todo.

Lista Revisada aos 62 Anos
Eu quero um homem que...
1. Não assuste as crianças pequenas,
2. Ronque bem baixinho quando dorme,
3. Esteja em forma suficiente para ficar de pé sozinho,
4. Use cueca e meias limpas

Lista Revisada aos 72 Anos
Eu quero um homem que...
1. Respire,
2. Lembre onde deixou seus dentes

Lista Revisada aos 88 Anos
Eu quero um homem que...
1. O que é um homem, mesmo ???

um asno pastando à solta na sociedade brasileira

Estou de volta.
Dessa vez o motivo da insônia foi uma matéria que li no estadão e que me irritou profundamente. A entrevista do Caetano Veloso. Entre outras "pérolas", a que mais me irritou e me indignou profundamente foi o desrespeito ao presidente da república. Transcrevo aqui o trecho inteiro:
"Marina é Lula e é Obama ao mesmo tempo. Ela é meio preta, é uma cabocla, é inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula que não sabe falar, é cafona falando, grosseiro".

Veja bem meu caro artista auto-intitulado intelectual, que eu saiba o presidente não é analfabeto. Que eu saiba ele fala muito bem - é respeitado mundo afora pela articulação e pela desenvoltura com que transita em todos os ambientes (pela primeira vez na história desse país, como ele mesmo gosta de dizer, já que os presidentes anteriores não só não eram ouvidos - como o Lula é - como nem sequer eram recebidos por ninguém: vide aquele caso em que o FHC ficou que nem idiota esperando na antesala do FMI e mandaram um mensageiro despachá-lo sem ser atendido).
"Analfabeto", o Lula? "Não sabe falar"? Pergunte a todos que estudam, trabalham, lecionam em universidades federais o que o Lula, o analfabeto, fez pelo ensino público superior no Brasil. A maior expansão da história. Sim, logo ele, o Lula analfabeto, investindo nas universidades federais que o catedrático antecessor passou 8 anos sucateando e tratando como lixo (cuspindo no prato que comeu! formou-se e trabalhou em universidades públicas e depois quis acabar com elas).
"Grosseiro", o Lula? Que eu saiba ele nunca foi grosseiro com qualquer pessoa a quem se dirigiu - mesmo quando julgássemos que ele teria razões para sê-lo, debaixo de saraivadas de críticas desconstrutivas, desrespeitosas e preconceituosas como a sua: críticas vindas de gente que tem ódio de Lula só porque ele é um operário que chegou ao poder e fez o melhor governo que esse país já teve. "Grosseiro" é você, que vai ao jornal desrespeitar o presidente da república. Ora, vá plantar batatas!
E o pior é o Estadão falar que "uma sabedoria subiu à cabeça do artista" (!!!)
Sabe o que parece? Que o Caetano nunca conseguiu engolir a enorme dor de cotovelo que ele tem até hoje pelo fato de ter sido o Gilberto Gil a ser escolhido pelo Lula como o Ministro da Cultura. Acho sinceramente que o Caetano deveria ter morrido lá pelos anos 70 (talvez 80, pouco antes de compor a música "Luz de Tieta") assim teríamos um ícone, um artista de quem gostaríamos e nos orgulharíamos até hoje. Seria ótimo ter o nome dele em Bibliotecas, Teatros, pracinhas da periferia. Imagina um busto de bronze, em tamanho natural, com a letra de "Podres Poderes" numa plaquinha? Seria bárbaro. Um orgulho nacional. É tipo o Maradona, sabe? Que deveria ter parado a carreira no auge, assim como fez Pelé, e seria respeitado até hoje ao invés de andar por aí fazendo as merdas que faz.
E pra falar nos verdadeiros grandes artistas - que realmente engrandecem a imagem do Brasil e cumprem seu papel e por isso mereceriam ter mais espaço na mídia do que esses babacas falastrões - termino oferecendo ao Caetano uma música do Chico Buarque, que ele jura que não fez pro FHC (mas eu juro que não acredito) e que serviria certinho pro Lula responder ao Caetano, na maior elegância - como é seu estilo:
(Observe, Caetano, que a música é de 1998. Nessa época você já tinha perdido completamente sua capacidade de compositor, já tinha começado a regravar músicas do Peninha, enquanto o Chico... Ah, o Chico! É como o vinho! Está cada vez melhor - acho até que a Rita Lee se equivocou ao escolher o "Muso" pra música "Homem Vinho". Acho que ao ver as merdas todas que você faz e fala ela deve se arrepender de não ter feito a música pro Chico)

Injuriado
Chico Buarque/1998

Se eu só lhe fizesse o bem
Talvez fosse um vício a mais
Você me teria desprezo por fim
Porém não fui tão imprudente
E agora não há francamente
Motivo pra você me injuriar assim

Dinheiro não lhe emprestei
Favores nunca lhe fiz
Não alimentei o seu gênio ruim
Você nada está me devendo
Por isso, meu bem, não entendo
Porque anda agora falando de mim

life is about...

Aproveitando a insônia-relâmpago pra dividir com vocês o bonito pensamento que recebi do Pravs (sempre ele!) no twitter:
"Life isn't about how to survive the storm, but how to dance in the rain."

Não sei o autor, infelizmente (mas com certeza não foi o Arnaldo Jabor, tá gente?!)

desejos na madrugada

OK, tá legal! Eu já estava dormindo. Isso mesmo, sonhando com os anjinhos.
Mas fui obrigada a levantar, ligar o computador pra relatar esse fato grotesco.
Acordei, do nada, com um baita desejo de comer milho cozido.
Sabe quando dá aquela vontade quase que incontrolável e você tem vontade de sair gritando pela rua até achar o objeto do seu desejo?
Pois é, eu cheguei até a sentir o cheiro daquela espiga quentinha, recém saída da panela. hummmm Aí pensei nos que a minha mãe faz - ela coloca sal pra cozinhar junto, na panela, aí no final fica aquele gosto salgadinho, na espiga, sabe???
Acontece que agora o relógio tá marcando 1h40 da manhã. Então vou ter que engolir o meu desejo e tentar dormir de novo. Fazer o quê?!
Ai, Jisuis...
Fico imaginando seu eu estivesse grávida, os desejos que teria. hahaha
Apenas uma última dúvida, antes de ir: quando a gente dorme e acorda com desejo de milho cozido, existe algum palpite pra jogar no bicho?

Obs.: Procurar essa imagem pra colocar aí do lado me deu mais vontade ainda. Ai, meu Deus!

04/11/2009

cantarolando

Essa eu ofereço para o meu carinho.
Aquela pessoinha que tem me proporcionado momentos muito especiais nos últimos tempos.
"(...)Quando você diz, o que ninguém diz
Quando você quer, o que ninguém quis
Quando você ousa lousa pra que eu possa ser giz
Quando você arde, alardeia sua teia cheia de ardis
Quando você faz a minha carne triste, quase feliz
Você me faz parecer menos só
Menos sozinho
Você me faz parecer menos pó
Menos pozinho"
(trecho da música Skap, do Zeca Baleiro)

A minha torcida é pra que eu me deixe apaixonar por você. E que seja recíproco.

Money & Happiness

Recebi do amigo Du Castro. Resolvi preservar até a formatação.

"We feel money and power can bring happiness and solve problems, but they are not definite causes of those desired states. If that were so, it would follow that those who have wealth would necessarily have happiness, and those who do not have wealth would always experience suffering. Money and power facilitate, but it is clear that they are not the primary causes of, happiness and solving our problems. It is justified for us to make material and financial development for building our nation and providing shelter, etc. for ourselves; we need to do that. But we also need to seek inner development. As we can see, there are many people who have wealth and power who remain unhappy, due to which their health declines, and they are always taking medicines. On the other hand, we find people who live like beggars but who always remain peaceful and happy.
Therefore, in our daily life a certain way of thinking makes us happy, and a certain way of thinking makes us unhappy. In other words, there are certain states of mind which bring us problems, and they can be removed; we need to make an effort in that direction. Likewise, there are certain states of mind that bring us peace and happiness, and we need to cultivate and enhance them." - His Holiness the Dalai Lama

03/11/2009

verdade seja dita

Como não sou (nenhum pouco) fã da criatura em questão, cortei só a parte que me interessou do texto pra postar aqui.
Pra ver se o povo para, de uma vez por todas, de colocar nome de gente famosa em qualquer texto e sair por aí desrespeitando as reais autorias. Se gostarem do texto e quiserem compartilhá-lo com amigos, ótimo! Basta reproduzir com a inscrição "autor desconhecido".
Uma pena que o Vinicius de Moraes não esteja vivo para se manifestar sobre o mesmo assunto (e o Mario Quintana também)!

ESCRITORES FANTASMAS

(...)O leitor perguntará: “Por que este ódio todo, bom Jabor?” Claro que acho a revolução digital a coisa mais importante dos séculos. Mas estou com raiva por causa dos textos apócrifos que continuam enfiando na internet com meu nome.

Já reclamei aqui desses textos, mas tenho de me repetir. Todo dia surge uma nova besteira, com dezenas de e-mails me elogiando pelo que eu “não” fiz. Vou indo pela rua e três senhoras me abordam – “Teu artigo na internet é genial! Principalmente quando você escreve: ‘As mulheres são tão cheirosinhas; elas fazem biquinho e deitam no teu ombro...’”

“Não fui eu...”, respondo. Elas não ouvem e continuam: “Modéstia sua! Finalmente alguém diz a verdade sobre as mulheres! Mandei isso para mil amigas! Adoraram aquela parte: ‘Tenho horror à mulher perfeitinha. Acho ótimo celulite...’” Repito que não é meu, mas elas (em geral barangas) replicam: “Ah... É teu melhor texto...” – e vão embora, rebolando, felizes.

Sei que a internet democratiza, dando acesso a todos para se expressar. Mas a democracia também libera a idiotia. Deviam inventar um “antispam” para bobagens.

Vejam mais o que “eu” escrevi: “As mulheres de hoje lutam para ser magrinhas. Elas têm horror de qualquer carninha saindo da calça de cintura tão baixa que o cós acaba!”... Luto dia e noite contra cacófatos e jamais escreveria “cós acaba!”. Mas, para todos os efeitos, fui eu. Na internet eu sou amado como uma besta quadrada, um forte asno... (dirão meus inimigos: “Finalmente, ele se encontrou...”)

Vejam as banalidades que me atribuem:

“Bom mesmo é ter problema na cabeça, sorriso na boca e paz no coração!”
Ou: “A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso cante, chore, dance e viva intensamente antes que a cortina se feche!”

Ainda sobre a mulher: “São escravas aparentemente alforriadas numa grande senzala sem grades.”
Há um texto bem gay sobre os gaúchos, há mais de um ano. Fui “eu”, a mula virtual, quem escreveu tudo isso. E não adianta desmentir.

Esta semana descobri mais. Há um texto rolando (e sendo elogiado) sobre “ninguém ama uma pessoa pelas qualidades que ela tem” ou outro em que louvo a estupidez, chamado “Seja Idiota!”...

Mas o pior são artigos escritos por inimigos covardes para me sujar. Há um texto de extrema direita, boçal, xingando os brasileiros, onde há coisas como: “Brasileiro é babaca. Elege para o cargo mais importante do Estado um sujeito que não tem escolaridade e preparo nem para ser gari. Brasileiro é um povo trabalhador. Mentira. Brasileiro é vagabundo por excelência. Um povo que se conforma em receber uma esmola do governo de 90 reais mensais para não fazer nada, não pode ser adjetivado de outra coisa que não de vagabundo. 90% de quem vive na favela é gente honesta e trabalhadora. Mentira. Muito pai de família sonha que o filho seja aceito como ‘aviãozinho’ do tráfico para ganhar uma grana legal. Se a maioria da favela fosse honesta, já teriam existido condições de se tocar os bandidos de lá para fora... O brasileiro merece! É igual a mulher de malandro – gosta de apanhar...”

E o pior é que muita gente me cumprimenta pela “coragem” de ter escrito esta sordidez.

Ou seja: admiram-me pelo que eu teria de pior; sou amado pelo que não escrevi. Na internet, eu sou machista, gay, idiota, corno e fascista. É bonito isso?
(Arnaldo Jabor, no Caderno 2 do Estadão, 03/11)


Quem quiser pode ler o texto inteiro (e comprovar a autoria!) neste link

01/11/2009

saúde dos dentes e da boca

Branquinho BÁSICO

A dupla escova e pasta de dentes continua infalível na conquista de um belo sorriso. Mas você pode ir muito além. WOMEN’S HEALTH selecionou 26 dicas que garantem dentes lindos e saudáveis. Vale até beijar na boca!
Por Gabriel Moro


1. Beije na boca Quando você beija, as glândulas salivares que fi cam embaixo da língua e nas bochechas aumentam o estímulo de salivação. A saliva — que contém água, proteínas e sais minerais — combate a formação de placa bacteriana.

2. Abaixo o ácido Apesar de não manchar como o vinho tinto, o branco também estraga seu sorriso. “O ácido contido nele dissolve o esmalte, criando uma superfície áspera que permite maior adesão de pigmentos de bebidas e comidas”, diz Mark Wolff, da Universidade de Nova York, autor de um estudo sobre o tema. Para reduzir o estrago, evite comer amora, chocolate e outros alimentos escuros junto com vinho branco ou após bebê-lo.

3. Fique de olho na tabelinha Alterações hormonais da menstruação favorecem o surgimento de infl amações gengivais. “Elas não são sufi cientes para causar mau hálito, mas podem exacerbá-lo se a higienização não for correta”, afi rma Caroline Calil, que defendeu essa tese em seu doutorado na Unicamp. A dica é beber mais água no período entre os cinco dias pré-menstruais e o fi m da menstruação.

4. Dê um gole Quando sentir a boca secar, recorra à água. Os refrigerantes e sucos contêm açúcares que ativam a proliferação de bactérias. Se quiser beber refrigerante, escolha o diet, que possui menos sacarose e exige menor atividade das bactérias da boca.

5. Pingue leite As apaixonadas pelo expresso não precisam abandonar o hábito. Ao adicionar leite à xícara de café, você diminui a concentração das substâncias que mancham os dentes. O que viria com 100% de força, agora chega com 90, 80, 70%. Logo, quanto mais clarinho, melhor. Experimente esta proporção: um terço de leite para dois de café.

6. Encare o motorzinho Aviso às diabéticas: um estudo da Universidade do Texas, nos EUA, mostrou que a periodontite interfere no controle metabólico da doença. Que tal agendar uma limpeza no dentista?

7. Vá de branco É bom lembrar que o aspecto amarelado dos dentes não é necessariamente sinônimo de má escovação. O escurecimento é consequência da alimentação, dos hábitos e do passar dos anos. Os vilões mais conhecidos que você deve evitar: cigarro, café, refrigerante, vinho e chá-preto.

8. Fala que todos escutam Tagarelar ajuda a manter a boca limpa, porque o ato da fala produz saliva, a grande higienizadora bucal. “A saliva carrega substâncias que funcionam como pequenos soldados, impedindo a proliferação de bactérias”, diz Débora Ayala, presidente do Instituto Latino-Americano de Odontologia. Ótima desculpa para correr para o telefone.

9. Respeite o intervalo Uma conhecida inimiga da perfeição também atrapalha o seu sorriso: a pressa. Escovar os dentes logo após as refeições, por mais higiênico que pareça, não é uma boa ideia, especialmente se você tiver consumido alimentos cítricos. É que o ácido corrói o esmalte dental e, se a escova e a pasta entram logo em ação, vão ajudar a destruir ainda mais essa proteção natural. “A escovação imediata prejudica principalmente quem tem raízes expostas ou sensibilidade”, diz Giuseppe Romito, professor de periodontia da Universidade de São Paulo e presidente da Sociedade Brasileira de Periodontologia. O ideal, segundo o especialista, é esperar de 20 a 30 minutos para fazer a faxina.

10. Encontre o creme ideal Diante de tantas opções, qual pasta escolher? Temos algumas dicas. Lançada este ano no país, a Oral-B Pro-Saúde combina fl uoreto estanoso — cuja função é proteger contra placa bacteriana, gengivite, cárie, sensibilidade e mau hálito — e hexametafosfato de sódio, que atua na remoção de manchas e na prevenção do tártaro. Outra opção é a Colgate Total 12. Seu ingrediente triclosan previne o surgimento de cárie, placa bacteriana, tártaro, mau hálito e problemas de gengiva. A sensação de limpeza permanece na boca por mais tempo. Já para quem tem dentes sensíveis existe a Sensodyne Pro-Esmalte, que contém nitrato de potássio e pH neutro justamente para aliviar a sensibilidade e ser menos agressiva ao esmalte.

11. Seja CDF Você escova os dentes quantas vezes por dia? A tarefa pode ser executada apenas duas vezes, desde que cada escovada seja benfeita. “O ciclo bacteriano dentro da boca atinge seu pico a cada 12 horas”, afi rma Romito. Mas fi que esperta: a regra só vale para quem realiza a higienização completa, com escovação caprichada e fi o dental.

12. Mostre a língua Às vezes não é um resto de alimento ou um distúrbio na gengiva que causam o mau hálito. Muito menos um problema no sistema digestivo. A língua é responsável por 80% dos casos, por acumular bactérias e restos de comida que não saem com a escovação dos dentes e o bochecho com água. O jeito é incluir a língua no pacote da faxina. Terminada a limpeza dos dentes, abra a boca e mostre a língua ao espelho. Observe que, do centro dela para trás, há uma camada esbranquiçada. Trata-se da placa bacteriana conhecida como saburra. Com um limpador específi co ou a escova, esfregue essa parte delicadamente até ela fi car da cor rósea da ponta da língua.

13. Masque chiclete Se você for apaixonada por gomas de mascar, prefi ra as sem açúcar. Assim, as bactérias da boca não são estimuladas. De certa forma, o chiclete ajuda a higienizar a cavidade bucal, porque estimula a salivação. Só fi que atenta àqueles que prometem clarear o sorriso — o resultado é praticamente nulo.

14. Feche a boca Uma pesquisa descobriu ligações entre uma bactéria na boca e a obesidade. Ao avaliar 313 mulheres com sobrepeso ou obesidade de nível 1, pesquisadores da Unicamp e do Instituto Forsyth, nos EUA, encontraram em 98% delas alta quantidade da bactéria Selenomonas noxia, enquanto 80% das voluntárias magras não tinham o micro-organismo. Os cientistas recomendam a visita frequente ao dentista e o cuidado com a higiene bucal diária, já que a Selenomonas noxia costuma ser encontrada em pacientes com periodontite.

15. Dê preferência a cereais, vegetais e frutas. Os alimentos com fi bras contêm menos açúcares e precisam ser mastigados mais vezes, o que estimula a produção de saliva.

16. Clareie as ideias A forma mais rápida e prática de fi car bem na foto é se submeter a um clareamento dental. Segundo a Sociedade Brasileira de Odontologia Estética, mais de 2 milhões de brasileiros já realizaram o tratamento. Há aparelhos que usam laser, leds ou luz ultravioleta para clarear o sorriso. “Mas a técnica que ainda oferece mais segurança é a caseira, em que a paciente usa uma moldeira com géis clareadores de baixa concentração”, diz José Roberto Moura, presidente da Federação Internacional de Odontologia Estética. Quem tem sensibilidade pode optar por marcas com menor concentração do alvejante peróxido de carbamida — em torno de 7,5%.

17. Tome suplementos Diversos estudos mostram que a ingestão de vitamina C auxilia na formação do colágeno, presente na gengiva. “Há indícios de que ela também atua nas mucosas, o que melhoraria a salivação”, afi rma Débora Ayala.

18. Peça um canudinho O suco de laranja não está no grupo de amigos do sorriso. “Ele tende a dissolver minerais na estrutura dos dentes, o que causaria impactos diretos na consistência do esmalte”, explica Hans Malmstrom, da Universidade de Rochester, nos EUA. Esse e outros sucos cítricos, como de abacaxi e limão, desgastam o esmalte em mais de 80%. Como você não vai — nem deve — deixar de bebê-los, uma dica para aliviar a acidez é usar um canudinho para empurrar o líquido para a garganta.

19. Embarque na moda chinesa Tomar chá-verde ajuda a deixar seu sorriso mais saudável e bonito. Pesquisadores da Universidade de Kyushu, no Japão, mostraram que pessoas que o bebem com frequência apresentam menos doenças periodontais. A ação da catequina deve explicar o fenômeno, pois a substância tem efeito antioxidante. O lado B: pesquisas revelaram que a bebida escurece os dentes. A dica é beber com moderação.

20. Faça o bem em dose dupla Na gravidez, o cuidado com os dentes deve ser dobrado. Afi nal, além de você, a gengivite gravídica afeta seu bebê. Um estudo da American Association for Dental Research aponta que grávidas com problemas periodontais têm duas vezes mais chance de dar à luz prematuramente. Para afastar o problema, faça bochechos com uma solução de fl úor sem álcool — o elemento será incorporado à dentição do nenê.

21. Use com moderação Dentes não foram feitos para rasgar embalagens, morder lápis ou segurar presilhas. “Exageros levam à danifi cação do esmalte ou ao trincamento de dentes”, afi rma Marcelo Fonseca, da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética. “Evite o problema deixando a boca trabalhar no que foi programada.”

22. Lembre-se que é tudo farinha do mesmo saco Uma pesquisa da Universidade de Washington, nos EUA, põe os carboidratos fermentáveis na mesma categoria. “Frutas, doces, pães e cereais têm igual potencial de causar cáries”, diz Phillipe Johel, coautor do estudo. Restrinja os carboidratos às refeições.

23. Fuja do pé de moleque Mastigar alimentos duros e quebradiços danifi ca o esmalte do dente. Não empregue uma força desnecessária para quebrar gelo ou um grão de pipoca, por exemplo.

24. Acalme os nervos Inimigo número 1 do corpo e da mente, o stress também interfere na saúde bucal. Ele colabora para o aparecimento do mau hálito porque diminui a produção de saliva. Um estudo publicado no Journal of Periodontology também relaciona o mal a doenças da gengiva — e há indícios de que os estressados diminuem a frequência de escovação.

25. Sorria! O mesmo estudo diz que a depressão interfere na saúde bucal. As variações hormonais altas da depressão ou até a preferência do doente de ingerir carboidratos e doces, em busca da compensação do prazer no paladar, facilitaria o surgimento de doenças na gengiva e de cáries. Quem diria que sorrir deixa o sorriso mais bonito?

26. Faça bochechos Minutos depois de beber refrigerante ou vinho, faça um bochecho com água. Isso vai ajudar a eliminar substâncias ácidas que escurecem seu cartão de visita. Meia hora depois, é claro, a escovação termina o serviço.

(Fonte: Revista Women's Health, edição 12, outubro de 2009)

Delicadeza não é frescura

Será que alguém mais além de mim percebe a diferença - para mim bem nítida - entre delicadeza e frescura?
Eu me considero uma mulher delicada, sem, no entanto, de maneira alguma ser uma mulher fresca. Aliás, frescura é uma coisa que na minha opinião deveria ser abolida da face da terra. Ou melhor: como diria o Fabiano, deveria ser abolida do universo inteirinho e arredores.
Digo que o fato de eu não ser uma mulher fresca me cobra um alto preço. Os homens ADORAM as mulheres cheias de frescura. E não é invencionice feminina de minha parte, aquela mania que mulher às vezes tem de inventar coisas umas das outras: já conversei com alguns amigos homens a respeito da frescura feminina e os mais sinceros (geralmente meus amigos são bem sinceros comigo) me confessaram que uma frescurinha delas, na hora do flerte, os excita. Quando me disseram isso, pensei comigo: "Tô ferrada".
Deve ser algo instintivo: aquela coisa dos homens da idade da pedra lascada, de quererem (e ousaria dizer necessitarem) domar as mulheres. Vai ver que hoje em dia o "domar" evoluiu como as espécies (?) e transformou-se em simplesmente aturar as frescuras - e até tentar moldá-las, com o tempo.
De minha parte, por mais que eu tente, nunca conseguirei ter os ataques de frescura que assisto em outras colegas de gênero. Se depender disso pra agradar os cavalheiros, vou morrer mesmo na solteirice...
Chique? Sim. Sofisticada? Sim. Refinada? Sim. Delicada? Com certeza...
Mas FRESCA, me desculpem... Não serei nem a pau.
E tenho dito.

31/10/2009

viver...

"(...) A verdadeira resposta é que não há resposta para tudo. Quando você entende isso, começa a apreciar mais a vida. Compreende que não é preciso pensar o tempo todo. Quando você assiste a um filme, você não pensa o tempo todo. A reação à energia e à beleza vem antes, depois vem o pensamento".
(Ollivier Pourriol, Filósofo Francês, em entrevista publicada na revista Vida Simples, edição de novembro de 2009)

25/10/2009

dando o braço a torcer

Crises e história
(Delfin Neto)

O criador da sigla BRIC, Jim O’Neill, sabia bem o que estava dizendo quando fez rasgados elogios à conduta do governo brasileiro no enfrentamento da crise que abalou os mercados financeiros a partir de setembro de 2008. Ele anda pelo mundo como chefe de pesquisa econômica global do Goldman Sachs. Esteve em São Paulo recentemente para palestras aos clientes do banco e falou da capacidade que a equipe dirigente do País revelou no auge da crise. Sua referência ao papel desempenhado pelo chefe da nação brasileira foi superlativa: “Dá para argumentar que o presidente Lula é o melhor e mais bem-sucedido gestor político desta década em um grande país”.

Muitos brasileiros concordam. De outra parte, é natural que a oposição reaja amuada diante dos “exageros” de O’Neill, mas quem conhece um pouco da história econômica deve reconhecer que a atitude dos dirigentes políticos é sempre decisiva para enfrentar os momentos de pânico. É impossível negar que o exercício de liderança do presidente Lula foi fundamental para a adesão de empresários e trabalhadores aos estímulos de uma política que conservou empregos, manteve salários e sustentou níveis de consumo, possibilitando uma razoável normalidade à atividade econômica.

Ele foi às fábricas e sindicatos, convocou os empresários a Brasília e os convenceu a manter a produção na indústria. Recentemente, comentei o quanto foi decisiva essa conciliação entre empregados e patrões, diferentemente do que aconteceu nos Estados Unidos. O Brasil tem coisas extraordinárias e nem sempre estão no governo. Peguem o exemplo de como reagiram quatro grandes empresas internacionais e quatro grandes empresas brasileiras logo nas primeiras semanas do apagão financeiro. Os chefões americanos chamaram a rapaziada e disseram: “Procurem o seguro-desemprego e passem bem...” Aqui, as turmas se reuniram, tomaram uns chopes e acertaram a vida por alguns meses até as coisas melhorarem. Houve um mínimo de demissões e logo recomeçaram as contratações.

Quem leu alguns livros sobre as crises econômicas aprendeu que as reações dos governos podem ser catastróficas (a maioria) ou virtuosas. A maior recessão mundial dos tempos modernos, que começou com o crash da Bolsa de Nova York, em outubro de 1929, foi pródiga em decisões equivocadas de chefes de governo, das autoridades econômicas, dos gestores financeiros privados (em algumas praças eram as mesmas cabeças) e até dos parlamentos. As lições dessa crise servem até hoje e ajudam a evitar a reedição de alguns (não todos) erros dramáticos. Por exemplo:

Em 17 de junho de 1930, quando parecia que a crise ia arrefecer, o presidente Hoover sancionou a lei Smoot-Hawley, aprovada no Congresso dos EUA, elevando fortemente as tarifas comerciais, “em defesa da autossuficiência americana”. Produziu o efeito de generalizar as práticas protecionistas, o que paralisou o comércio entre as nações e aprofundou e deu longa vida à recessão em toda a economia mundial.

Pressionado pela oposição conservadora e pela “city londrina”, o gabinete trabalhista inglês elaborou um orçamento para 1931 com drástica redução nas despesas do governo, inclusive cortes importantes nos salários do funcionalismo civil e militar e até mesmo no auxílio-desemprego! O equilíbrio orçamentário manteria a valorização da libra esterlina, vinculada ao padrão-ouro. A estabilidade financeira era exigência dos bancos, da grande imprensa conservadora e das entidades representativas da própria indústria britânica.

Como todos sabem, a história é plena de acidentes. Num ancoradouro naval escocês, marinheiros da esquadra imperial, descontentes com a profundidade dos cortes salariais, se recusaram a obedecer ordens dos oficiais para zarpar, no que ficou conhecido como o Motim de Invergordon. Pior que a desobediência, fato raro que implicava severas punições, desandaram a entoar The Red Flag, o que foi interpretado como uma ameaça revolucionária, à semelhança dos motins de 1917 da marinha russa em São Petersburgo.

O susto produziu as consequências indesejadas: os mercados financeiros desabaram, a libra passou a flutuar, a Grã-Bretanha abandonou o padrão-ouro (e na sequência os demais países). O contágio da recessão não poupou nenhum país. Medidas protecionistas ampliadas afundaram as economias num longo período de depressão. A esperança de milhões de trabalhadores de recuperar seus empregos hibernou em todo o mundo pelo período de uma geração, a geração perdida.
(fonte: portal Carta Capital)

incompreensíveis

Serve também pra falar sobre seres humanos do gênero masculino. O autor é de genialidade indiscutível.
"A coisa mais incompreensível do universo é que ele é incompreensível"
(Albert Einstein)

aliás, falando nisso

Não me canso de me admirar com as pessoas que leem o meu blog.
Eu sempre tenho a impressão de que escrevo só pra mim mesma, por isso a cada pessoa que comenta comigo ter lido algo no blog, eu me admiro sinceramente.
Porque sinceramente não acho (e nunca tive a pretensão) que meu blog seja material de interesse para ninguém além de mim mesma: minhas confusões mentais e recortes interessantes que quero guardar pra mim mesma no futuro.
Mas as pessoas mais inusitadas têm me dito, cada vez mais frequentemente, que leem.
Levando-se em consideração que tenho apenas 4 seguidores oficiais (vide contador do lado inferior esquerdo da tela), podemos até considerar que o meu blog seja assim... estilo MORTADELA ("todo mundo come, mas pouca gente assume!)
Agradeço pelo interesse. 

24/10/2009

procurando justificativas

Pensando bem, talvez seja o calor que esteja afetando a minha produtividade na escrita! rs
Depois que fui pra Cuba, fiquei torrando lá naquele calorão, voltei pra cá e também enfrentamos uma onda de calor... Nunca mais fui a mesma! rs
Acho que uns três dias podendo usar um casaco de lãzinha já me trariam de volta à normalidade.
"Vem ni mim", frente fria!

vazios

Ando sem inspiração para postar no blog. Ou será sem paciência? Não sei bem...
Sinto falta de escrever.
E olha que não é por falta de assunto!
Eu fui a Cuba, me maravilhei por lá. Teria muito a escrever e registrar sobre a viagem. Mas a vontade não vem.
Da mesma forma, tive alguns dias de férias em São Carlos mesmo, fui ver a Ministra Dilma Rousseff (que alguém ao meu lado chamou de "Vilma Rossetti" rs), conheci minha nova priminha (Vitória, filha da minha tia Cláudia, que nasceu há 15 dias), recebi minhas doses de afeto e atenção, vendi alguns livros antigos, e também teria muito a escrever sobre isso. Mas... nada de vontade.
Conheci (por DVD) a minha futura "sobrinha" comprida, que é a feijoa mais linda do mundo, com coraçãozinho batendo e tudo, mas nem sobre isso consigo produzir um texto decente.
Escrevi e entreguei meu projeto de mestrado - lógico que isso daria uns belos posts! - mas... cadê a vontade?
Desde que voltei a tomar meu anticoncepcional minhas "montanhas-russas" hormonais têm diminuído um pouco: me parece que não estou mais tendo aqueles surtos quase psicóticos de algumas TPMs anteriores - pelo menos não com tamanha intensidade. Isso com certeza melhorou meu bem estar. Mas não tem sido suficiente para manter minha produtividade aqui no blog...
Eu tenho pensado tanto! Esse emaranhado de pensamentos me serviriam muito mais se eu pudesse colocá-los aqui. Isso me ajudaria muito a desemaranhá-los, a desenvolvê-los (aliás, função primordial deste blog, desde os idos tempos em que só eu sabia da existência dele!) mas tem coisas que a gente simplesmente não consegue forçar. Para mim, escrever talvez seja uma delas. Se é que consigo me forçar a escrever, devo ter gasto toda a quota do ano escrevendo (forçadíssima) o projeto de mestrado. E olha que ficou bom, o danado! Quando o reli pela última vez, antes de entregar, fiquei até surpresa. Nem acreditava que tudo aquilo tinha saído da minha cabeça, em duas ou três sentadas nas madrugadas! rs Mas, voltando à vaca fria, talvez essa forçada de barra tenha saturado um pouco, e agora talvez eu demore um tempo pra voltar a escrever com frequência aqui no blog.
Sei lá, deixa rolar... Qualquer hora a vontade volta...
Afinal, eu sou muito assim mesmo: de uma hora pra outra a coisa começa a fluir de um tal jeito que são vários posts no mesmo dia. Coisas de cabeça perturbada.
Mas é como disse o Senhor na Palavra de ontem, quando fui à igreja: a gente precisa se revestir da Paz de Deus. Nos tornarmos seres pacificadores. Deixar tudo nas mãos dEle, sem relutância. É disso que se trata.

sensibilidade masculina

Ilustra perfeitamente a sensibilidade e a gentileza masculinas, vocês não acham? Porque, falando sério... homem quando dá pra ser grosso... aff!

21/10/2009

declarações de amor

Na segunda-feira eu quis ter escrito algo aqui, mas a preguiça acabou fazendo deixar passar. Mas hoje, dias depois, o pensamento continua batendo na cabeça. Então lá vai. O que eu queria dizer é que é muito bom receber uma declaração de amor. Mesmo que a gente saiba que ela não tem nada a ver. Na segunda recebi uma declaração de amor. De alguém com quem nunca terei nada. De alguém que acha que me ama desde a primeira vez que me viu, mas que nunca conviveu comigo pra me conhecer realmente. Mas mesmo assim, se declarou (como se declara desde a primeira vez que me viu, há anos! rs) e isso faz bem ao ego.
E eu sou mesmo uma pessoa muito amável. Nos melhores sentidos dessa palavra.

“Deveríamos clonar Lula e espalhá-lo pela América Latina”


"Deveríamos clonar Lula e espalhá-lo pela América Latina"

A frase de impacto é do ex-militante tupamaro e atual candidato à presidência do Uruguai pela Frente Ampla, José "Pepe" Mujica. Em entrevista publicada na revista Teoria e Debate, Mujica e Danilo Astori, seu candidato a vice, avaliam os desafios de um próximo governo de esquerda no Uruguai. Senador mais votado do país em 2004 e candidato à frente nas pesquisas para as eleições de 25 de outubro, Mujica passou mais de doze anos preso durante a ditadura militar. Um par destes anos, o possível futuro presidente uruguaio esteve praticamente enterrado vivo, no fundo de um poço. Ele e os companheiros submetidos a mesma tragédia ficaram conhecidos como os "reféns".

Líder do Movimento de Participação Popular (MPP), Mujica recebeu o apoio de 1.694 delegados, mais de dois terços dos que estavam habilitados a votar na eleição interna da Frente Ampla. Na votação, que contou com 2.381 delegados, ele venceu o ex-ministro da Economia do governo Tabare Vásquez, Danilo Astori, atual candidato a vice-presidente. Nesta conversa com Mujica e Astori, em Buenos Aires, devido à campanha no país vizinho pelo grande número de uruguaios residentes na Argentina, ambos reiteram a necessidade de massificar as escolas de tempo integral e acreditam que "salvar a los gurizes", antes de mais nada, é a solução para resolver o problema de insegurança, principal preocupação dos uruguaios atualmente.

A Frente Ampla aparece com 42% das intenções de voto, contra 32% para o Partido Nacional, do ex-presidente centro-direitista Luis Lacalle, e 12% para o também de direita Partido Colorado, segundo pesquisa da Interconsult divulgada no final de setembro. Na pesquisa divulgada em agosto pelo mesmo instituto, a Frente Ampla somava 45% das intenções de voto. A queda é pequena, mas preocupa, porque reflete a mais recente controvérsia em torno de Mujica. No livro de entrevistas "Pepe, Colóquios", lançado na Feira do Livro de Montevidéu, Mujica ataca a classe política da Argentina e põe em dúvida alguns companheiros da Frente Ampla.

"Los kirchner son de izquierda, pero una izquierda que, mamma mía, és una patota"; "Carlos Ménem es mafioso y ladrón" y "los radicales son tipos muy buenos pero unos nabos", são algumas das pérolas de Mujica contra os argentinos. Segundo o jornalista Alfredo García, autor do livro publicado pela editora Fin de Siglo, tudo não passa de um mal entendido porque todas as linhas foram tiradas do contexto inicial das entrevistas.

Caso nenhum partido tenha mais da metade dos votos em 25 de outubro, acontecerá um segundo turno em 29 de novembro, na mesma data das esperadas eleições hondurenhas. No dia em que os uruguaios escolhem o novo presidente, votam também em um referendo onde a população decidirá se quer instalar uma Comissão da Verdade para julgar crimes do período da ditadura, o que depende da Justiça derrubar a Lei da Caducidade que protege os agentes da repressão.

Teoria e DebatePepe, caso eleito, como será a atuação do governo uruguaio na Unasul, principalmente depois da reunião de agosto em Bariloche quando o debate sobre as bases militares estadunidenses na Colômbia se intensificou?

Mujica – Na verdade, ainda não discutimos o problema com a equipe de governo, mas eu posso apenas te dizer algo muito simples. A única coisa para qual serve uma base militar é para nos complicar a vida, e com os meios materiais que uma grande potência tem é algo que eles podem fazer praticamente sempre. É lógico que eles não deveriam nos complicar a vida e, com isso, não precisaríamos de pelo menos umas quantas conferências internacionais e uns quantos documentos e tantas reuniões de imprensa e tudo mais.

Entendo, no entanto, que tampouco podemos entrar em conflito flagrante com os Estados Unidos, porque não deves desafiar quem não podes vencer. Tens que buscar ter a inteligência de, por meios diplomáticos, acalmar as vontades e fazer de tudo para tudo para que eles paguem o maior custo político por essas bases. Apenas gostaria de grifar que essa não é uma resposta de governo, é o que pensa o Pepe.

Teoria e DebateAs eleições do dia 25 de outubro não decidem apenas a disputa eleitoral, mas apresentam dois referendos à população. Um deles é sobre a anulação da Ley de Caudicidad, que coloca obstáculos aos julgamentos de casos de violação dos Direitos Humanos durante a ditadura militar uruguaia, e o outro sobre o direito ao voto dos uruguaios que vivem fora do país. Os senhores acreditam que as perguntas do referendo têm influência sobre as eleições?

Astori – Não acreditamos que isso vá prejudicar a proposta partidária eleitoral da Frente Ampla. É certo que a imensa maioria dos frenteamplistas está de acordo e apoiará os dois referendos, o que já foi comprovado em resultados de consultas de opinião pública. O interessante é que a legislação eleitoral uruguaia brinda o cidadão com a possibilidade de separar as duas escolhas e pronunciar-se autonomamente por sua decisão quanto ao candidato à presidência. E mais, de acordo com a regulamentação, apenas se vota por sim nos referendos, não existe opção por não. Obviamente, quando o eleitor não introduz o papel por sim, incrementa o número de pronunciamentos contra. As pesquisas de opinião pública indicam um apoio crescente às consultas. E, certamente, nós dois apoiamos os dois plebiscitos a lo largo y a lo ancho do país durante toda campanha eleitoral.

Teoria e DebateTabare Vasquez, com o Plano Ceival, garantiu milhares de computadores para crianças e professores em todo o país. Existem planos de expansão para o projeto que incentivou a educação e serve de exemplo para a América Latina?

Astori – O Ceival significa um computador para cada criança e professor e faz parte de um projeto maior, que é o Plano de Inclusão e Acesso à sociedade da informação e do conhecimento. E a resposta é afirmativa, o nosso plano de governo pretende expandir a iniciativa. Hoje, são 380 mil computadores, estão cobertos todos os alunos do primário e seus professores e esse número alcança os núcleos familiares destas crianças também. Projetamos, para o próximo período, alcançar as crianças do secundário.

Teoria e DebateExistem questões delicadas no plano de governo, se pensarmos na grande coalizão que a Frente Ampla representa nestas eleições?

Mujica – Não planteamos o drama de consensuar porque minha preocupação de um sul desenvolvido é muito mais primitiva que isso. Se pudermos liquidar a indigência e cortar a pobreza pela metade, é por isso que vamos lutar no governo, eu não sei se estaremos pensando em direita ou esquerda. Depois, os outros é que vão julgar se fomos muito conciliadores. Mas há um tema com o qual nos comprometemos. O Uruguai é um país muito pequeno para ser comparado com a Argentina ou o Brasil, como os jornalistas gostam muito de tentar. Estamos entre dois colossos para a nossa dimensão, num mundo onde todos precisam de impostos e geração de emprego para prosperar. Na dimensão de mercado, nosso país não atrai ninguém e quem vem até à América Latina, se instala no Brasil ou na Argentina. Para podermos pretender que alguns capitais se instalem no Uruguai, necessitamos de clareza e certeza de certas regras que digam aos outros que somos um país muito sério. Nós não podemos nos dar ao luxo de mudar regras e nem devemos. Quando selamos um compromisso, temos que dejar el cuero en la estaca, que é a forma de apresentarmo-nos ao mundo como um país interessante.

Teoria e Debate Acredito que estas colocações sejam referências à polêmica das papeleiras na fronteira com a Argentina. A minha pergunta é, na verdade, se é possível um governo socialista com a Frente Ampla?

Mujica – E o que é o socialismo? O que era e o que será amanhã? O nosso programa corresponde a uma aliança de partidos que apresenta historicamente um conjunto de reformas a favor de desenvolver uma sociedade e tentar de integrá-la o máximo possível. Alguns dentro dessa colisão podem ter visões mais socializantes, outros menos, mas estamos comprometidos a estabelecer um conjunto de reformas que ajudem a diminuir tanta distância na nossa sociedade. Pensar não é fazer, pensar é pensar, mas eu também não vou esconder meu pensamento para conseguir quatro votos.

Digo-te que meus sonhos me levam hoje a crer que, para construir algum dia uma sociedade melhor, necessitamos de um país rico materialmente e tremendamente incluído e culto. Não que por ter essas duas coisas se irá criar uma sociedade socialista, mas sem essa questão prévia de massificação de conhecimento e cultura e de riqueza compartida, não há condição. Não caminha isso de se igualar por baixo, temos que nos igualar por cima. Mas esse é o meu sonho, e eu tenho 74 anos, assim que, em todo caso, conquistar este sonho é para uma geração mais jovem que a minha.

Teoria e Debate Os senhores falavam sobre o fato do Uruguai conviver entre dois países maiores, a Argentina e o Brasil. Neste sentido, existem assimetrias intransponíveis para o Uruguai no Mercosul ou um próximo governo deve intensificar a presença do país no grupo?

Astori – O Mercosul significa para nós uruguaios, e não apenas para os frenteamplistas, um projeto estratégico fundamental. O Uruguai é um país pequeno em tamanho físico, mas que tem uma potencialidade muito grande e que deve abrir-se ao mundo, não há outra possibilidade. O Mercosul e esta abertura marcam dois fundamentos absolutamente essenciais da convicção estratégica que temos. Obviamente, a abertura uruguaia começa na região, não caberia outra possibilidade racionalmente fundamentada. Nossa adesão e convicção em relação ao Mercosul estão fora de qualquer discussão. Mas também acreditamos, e não há soberba nisso, que o Mercosul sem o Uruguai se converte em outra coisa e não em uma aliança integracionista na região. E isso tampouco é incompatível com nossa visão de abertura igualmente importante em escala mundial, porque temos que multiplicar nossas possibilidades de inserção. O Pepe sempre diz que o mais inteligente é vender pouco a muitos, do que muito a poucos.

Do ponto de vista comercial, vamos continuar com a tarefa que iniciou Tabare Vasquez. O Mercosul tem problemas de assimetrias, e existem dois tipos de assimetrias: as estruturais e as políticas. E são elas que temos que encarar com paciência e convicção no trabalho conjunto.

Teoria e DebatePara encerrar, falando em questões estratégicas e políticas, como chegar a um acordo em relação às papeleiras na fronteira entre o Uruguai e a Argentina?

Mujica – Eu posso responder esta pergunta em termos de hipóteses, e acredito que nunca se possa fazer nada contra a vontade do povo. Agora o mais importante é encontrar uma solução. E quando não se quer nenhuma solução, o tempo dá sua resposta. Nós reivindicamos sempre transformar os problemas em possibilidades, porque sei que além dos cartazes e das manifestações o povo necessita de trabalho e soluções econômicas. E não digo isso em tom ofensivo. Eu gosto de falar que sou admirador do presidente Lula. Em que sentido? Lula é um senhor presidente, com um grande número do parlamento que vota contra, e mesmo assim logra manejar um país com as dimensões do Brasil, com os problemas que tem. E por que ele consegue isso? Porque negocia, negocia e negocia, tem a paciência de um velho dirigente sindical. E esse é o espírito que devemos ter nesse tema. Aliás, aqui entre nós, deveríamos clonar o Lula pela América Latina.

Entrevista publicada originalmente na Revista Teoria e Debate