04/11/2011

Mestres em adivinhar e calar

Que coisa! Olha o que eu achei no livro Nietzsche para Estressados, do Allan Percy:
Amigos deveriam ser mestres em adivinhar e calar: não se deve querer saber tudo Como a verdadeira amizade se fundamenta na admiração e no respeito mútuos, as palavras de Nietzsche destacam a discrição como uma característica necessária entre amigos. Grandes vínculos se quebraram pela insistência de uma das partes em fiscalizar a outra. No momento em que deixamos de ser companheiros para assumir um papel paternalista, algo se rompe na amizade. A naturalidade dá lugar à dominação e se estabelece um jogo de poder que não beneficia em nada a relação. No âmbito das confidências, é importante que cada indivíduo tenha a liberdade de decidir quanta intimidade quer compartir com os demais. Ultrapassar esse limite nos transforma em invasores e pode acabar causando desentendimentos. Um pensamento do escritor e filósofo Albert Camus, que curiosamente também é atribuído a Maimônides, reflete muito bem sobre o segredo da amizade: Não caminhe na minha frente, porque talvez eu não possa segui-lo. Não caminhe atrás de mim, porque talvez eu não possa guiá-lo. Caminhe ao meu lado e seremos amigos.
Tem tudo a ver com a reflexão que fiz algum tempo aqui no blog! :)

Um comentário:

Vanessa Barbosa. disse...

adoro Nietzsche... a amizade é bem assim, andando lado a lado no mesmo ritmo de passos, se um se apressa a coisa sai do controle.

tem uma outra frase muito interessante que li uma vez, não lembro onde: "A intimidade é o veneno da amizade", ainda estou refletindo, será mesmo?